Como incentivar as crianças a aprender outra língua

Quanto mais cedo os pequenos forem expostos a outro idioma, mais natural ele lhes parecerá. Confira os prós e os contras:

Em um mundo tão globalizado, já não há dúvidas sobre a necessidade de ensinar um segundo idioma às crianças. As grandes questões são: antes ou depois da alfabetização? Escola bilíngue ou curso extra curricular? Por um lado, há o risco de elas confundirem palavras, um fenômeno comum, em especial no início do desenvolvimento da fala. Por outro, quanto mais cedo forem expostas a outro idioma, mais natural ele lhes parecerá. “Os primeiros três anos de vida correspondem à maior construção de sinapses e circuitos cerebrais para a linguagem”, destaca João Augusto Figueiró, neurocientista e psicoterapeuta de São Paulo. Justamente por isso, essa é uma boa fase para estimular o aprendizado de idiomas – de preferência, apenas um por vez, além do nativo.

“Considero oportuno que, desde bebê, se aprenda outra língua, mas de maneira natural e contextualizada”, aconselha Mariane Bischof, coordenadora da educação infantil do Colégio Humboldt, bilíngue, em São Paulo. Assim, nada de pressão ou expectativas altas: o processo precisa ser lúdico. Um bom caminho é os pais lerem histórias, ouvirem músicas e valorizarem a cultura escolhida. “Quando a criança percebe um envolvimento familiar com a língua, tem mais chances de se interessar pelo aprendizado”, afirma Mariane.

Bons alunos

  • Os primeiros seis ou sete anos da criança são os mais relevantes para fixar os fonemas, evitando o sotaque.
  • Estudos demonstram que ser bilíngue melhora funções cerebrais, como a memória e a atenção.
  • Aos 36 meses, uma criança bem estimulada entende 1,2 mil palavras (em uma ou mais línguas).

Na palma da mão

A melhor forma de aprender um idioma é pela convivência. “Se a criança tem contato com pessoas que falam uma segunda língua, a simples exposição às conversas será suficiente para que seu cérebro seja sensibilizado e se acostume a novas estruturas fonéticas, gramaticais e semânticas”, ressalta Figueiró. Aplicativos e joguinhos eletrônicos não devem ser o metódo predominante, mas podem deixar o aprendizado infantil mais divertido. Conheça três boas opções para maiores de 3 anos, todas grátis:
  
Duolingo: Colorido, trabalha pronúncia, escrita e compreensão oral de cinco idiomas. Tem versões para iOS, Android e Windows Phone.
 
Babbel: São mais de 3 mil palavras em inglês usadas em situações cotidianas. Disponível para Android, iOS e Windows Phone.
 
Lingualeo: A ideia é ensinar inglês de forma dinâmica, com vários jogos, filmes e vídeos. Compatível com Android, iOS e Windows Phone.

Para praticar junto

  • Sabe aquele filme dublado que o pequeno já assistiu inúmeras vezes? Proponha revê-lo no idioma original e prestando atenção às falas.
  • Escolha um dia da semana para jantarem comida típica e conversarem só na língua escolhida.
  • Leiam livros e gibis estrangeiros. Com os menores, faça leitura compartilhada. 
  • Naveguem por sites em língua estrangeira. Vale dar uma olhada no Kids.National Geographic e no KizClub.

Vale escolher uma escola bilíngue se…

  • …você faz questão de um filho fluente e talvez o ensino da escola regular não seja suficiente.
  • …um dos pais, ou ambos, é estrangeiro, e gostaria que a criança dominasse sua língua e cultura natais.
  • …a família tem planos de morar fora ou quer preparar o filho para estudar em outro país.  alerta quando, além de bilíngue, a escola é internacional, tanto currículo quanto calendário seguem um ministério da educação estrangeiro.

Mas lembre-se

Quando, além de bilíngue, a escola é internacional, tanto currículo quanto calendário seguem um ministério da educação estrangeiro.