CLIQUE E RECEBA EM CASA A PARTIR R$ 14,90/MÊS

Como as mães que são empreendedoras se dividem entre o negócio e os filhos

Empreender depois da maternidade pode ser uma alternativa para equilibrar a família e o trabalho. Confira dicas de como impulsionar sua vida profissional depois da maternidade.

Por Aline Gomiero Atualizado em 22 out 2016, 15h34 - Publicado em 15 Maio 2014, 22h00

Hoje, no Brasil há cerca de sete milhões de mulheres com seu próprio negócio, um número 21,4% maior do que há dez anos. De acordo com dados do Sebrae, desse total, 70% têm filhos. No livro Minha mãe é um negócio (Editora Saraiva), as jornalistas Patricia Travassos e Ana Claudia Konichi, idealizadoras da séria Mãe S/A da TV, afirmam que as mulheres estão fazendo uma segunda revolução no mercado de trabalho. A primeira aconteceu quando muitas delas deixaram de ser donas de casa e começaram a trabalhar fora. A segunda é a que está acontecendo agora: elas deixam o emprego depois de se tornarem mãe para abrir a própria empresa.

Essas mães empreendedoras estão em todas as classes sociais. Não importa o nível de escolaridade ou a profissão. O que elas têm em comum? A vontade de ficar perto dos filhos – e a capacidade de se reinventar. Foi essa necessidade de equilibrar a família e o trabalho que levou Taís Viana a fundar a Associação CineMaterna, empresa social que organiza sessões de cinema amigáveis para mães e pais com bebês de até 18 meses. Formada em engenharia química, ela atuou na área de consultoria em marketing e estratégia por mais de 10 anos. Sua vida mudou quando engravidou da primeira filha, que hoje está com cinco anos, e sentiu a necessidade de ter um projeto profissional mesmo enquanto se dedicava totalmente a maternidade. Deixar a carreira estável para embarcar num empreendimento próprio exigiu dela força, energia e muita coragem. “Ter uma empresa é como ter mais um filho pra criar. É preciso ter muito apoio e estrutura”, ela conta.

A pouca flexibilidade de horário é um dos principais problemas apontados pelas mulheres que são funcionárias. A elas são impostas jornadas fixas que costumam gerar um sentimento de ingerência diante da própria vida. Ao abrir o próprio negócio, a mulher tem também como objetivo implementar o que, antes, sentia falta e sonhava em desfrutar no ambiente de trabalho – tudo isso com mais flexibilidade. Andrea Sabino, diretora geral da ONE FOR ALL, especialista em acessórios universais para áudio e vídeo, é mãe de dois filhos, já se aventurou em diferentes empregos e teve duas empresas próprias. Segundo ela, alcançar o equilíbrio para gerir família e o trabalho com competência não é uma tarefa fácil. O importante é que a mulher empreendedora consiga adaptar seus horários e estrutura de trabalho em função da rotina dos filhos. “O trabalho é importante, sem dúvida, mas a família sempre deve vir em primeiro lugar”, afirma.

Com ajuda das duas empreendedoras, reunimos abaixo cinco dicas essenciais para ajudar outras mães que também sonham em abrir uma empresa. Confira:

1. Seja organizada e separe as atividades domésticas da profissional. Ao entrar no escritório, encare como se estivesse na empresa. O ideal é que você consiga montar uma rotina com horários divididos certinho.

2. Peça ajuda. “Ninguém sabe fazer tudo. Contrate ou se associe a pessoas que tenham habilidades que você não tem. Eu, por exemplo, adoro quem ama fazer o que eu odeio”, contou Taís Viana.

3. Imponha limites. Não é porque tem um horário flexível que você não está fazendo nada. Sua família e seus amigos têm que entender isso. Interrupções constantes podem comprometer a sua produtividade.

4. Aproveite os tempos livres. “Dedique seu tempo livre para as crianças e explique porque você precisa trabalhar em alguns momentos. O filho não pode se sentir abandonado”, afirma Andrea Sabino.
 

Continua após a publicidade
Publicidade