Assine CLAUDIA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Como acabar com a violência doméstica

Saiba como dar o primeiro passo para ajudar quem passa por esse drama

Por Redação M de Mulher
Atualizado em 17 jan 2020, 10h37 - Publicado em 30 out 2011, 21h00

Qualquer mulher, pobre ou rica, pode sofrer violência doméstica
Foto: Getty Images

 

Veja o que dizer para uma amiga que sofre violência doméstica calada:

Não dependa da avaliação dos outros para se sentir bem

Continua após a publicidade

Marido agressor sempre desconta suas frustrações na mulher. Ele pode estar mal-humorado por causa do trabalho ou porque brigou com alguém no trânsito. De toda forma, tentará diminuir o amor-próprio da parceira para se sentir mais forte.

Identifique o abuso

Há várias formas: desde pequenos gestos de rejeição (como olhar para outras mulheres quando está com a esposa) até a agressão física.

Continua após a publicidade

Pare de pensar que o erro está em você

O abusador faz a parceira acreditar que não se esforçou o suficiente para agradá-lo e está sempre insatisfeito. Mas, quanto mais ela fizer por ele, pior será tratada.

Entenda que a coisa só vai piorar

Continua após a publicidade

Um homem agressor não muda. Nem quando nasce o filho nem quando consegue um emprego melhor, muito menos quando envelhece. Descontar em quem está ao seu lado faz parte do caráter dele. Ajude sua amiga a enxergar isso para tomar uma atitude.

Acredite que você pode seguir sozinha

Diga a ela: “Olhe para si mesma, veja o valor que você tem!”.  Mostre a sua amiga que ela tem muitas qualidades e que pode ir muito além da vida atual.

Continua após a publicidade

Peça ajuda!

Estimule-a a conversar não só com você, mas também com familiares. Pesquise a faculdade de Psicologia mais perto de vocês com atendimento clínico e leve-a para uma sessão.

 

Onde buscar um porto seguro

O Coletivo Feminista (www.mulheres.org.br) administra o abrigo que ajudou a leitora Michelle A. e outras vítimas de violência doméstica a recomeçarem suas vidas. “Encaminhadas pelos Centros de Referência da Mulher, quando há risco de morte iminente, elas recebem acompanhamento psicológico e ginecológico, além do suporte para encontrar uma nova casa e voltar ao mercado de trabalho”, explica Ana Macedo, coordenadora da iniciativa.

 

Fonte: Denise Gimenez Ramos, psicóloga e professora, de São Paulo

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Moda, beleza, autoconhecimento, mais de 11 mil receitas testadas e aprovadas, previsões diárias, semanais e mensais de astrologia!

Receba mensalmente Claudia impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições
digitais e acervos nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 12,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.