Com dar fim às birras do seu filho

Seu filho está naquela fase que chora para tudo e, até mesmo, mostra ter um comportamento agressivo quando não consegue o que quer? Saiba o que fazer para controlar a situação

As reações do bebê costumam ser exageradas, mas é possível, sim, intervir e impor limites
Foto: Getty Images

Você se acostumou com o bebê sempre calminho e receptivo e agora precisa lidar com uma nova faceta do pequeno, pois entraram em cena as primeiras atitudes de confronto? Saiba que nem sempre é fácil lidar com os escândalos protagonizados pelas crianças. É preciso ter pulso firme e, principalmente, saber dizer não.


Por que o bebê faz birra?

Quando o bebê já se comunica com mais facilidade, por meio de palavras ou de gestos, ele quer que sua vontade seja sempre feita. E, de preferência, imediatamente! “Toda criança, nessa fase, manifesta comportamentos de birra. Isso é natural e até esperado. Significa que ela está começando a se perceber e deseja se afirmar. Esse processo é positivo e fundamental para a formação da identidade”, explica a psicanalista infantil Ceres Alves de Araújo, de São Paulo.

O problema é que muitas crianças apresentam reações desmedidas diante das contrariedades e acabam deixando os pais sem saber como agir. “O primeiro passo é ter paciência e acolher o filho, entendendo que ele está passando por uma fase completamente nova em seu desenvolvimento. Quando ele toma o brinquedo da mão do amigo sem a menor cerimônia, usando até certa agressividade, age obedecendo a sentimentos que ainda não conhece, mas que consegue perceber e expressar de modo muito intenso. O fato é que ele ainda não sabe lidar com as próprias emoções”, exemplifica a psicanalista infantil Anne Lise Scappaticci.

 

O que os pais devem fazer?

Tenha paciência: o apoio e a mediação dos pais, nesses momentos, fazem toda a diferença. Afinal, deve-se legitimar os sentimentos do filho e, ao mesmo tempo, dar um fim aos comportamentos exagerados ou inaceitáveis. “Cabe à família avaliar cada situação. Às vezes, o caminho é explicar à criança que o desejo dela não poderá ser atendido e deixá-la chorar. As reações do bebê são exgeradas, mas costumam passar rápido. Em outros momentos, porém, depois de intervir e impor o limite, é preciso apaziguá-lo”, diz Ceres.

Mantenha a calma: você não pode se contaminar pelo nervosismo do seu filho. Tente explicar ao bebê que aqueles gritos e batidas de pé são inadequados. Ao mesmo tempo, ofereça um modelo do que seria correto. Por exemplo, diga: “Você não pode pegar o brinquedo da mão do amigo, mas que tal brincarem juntos com esses bonecos?” E vá distraindo a criança até que ela se recomponha. Segundo Anne Lise, apresentar alternativas faz com que o pequeno não insista no erro. “Senão, a birra vira uma espécie de obsessão. Sempre que dizemos ‘não’, temos que apresentar um ‘sim’, uma referência do que é correto. Essa atitude deixa a criança mais segura em relação ao que deve fazer”, garante a especialista.