Clique e assine Claudia a partir de R$ 8,90/mês

Ciúme: o sentimento que te consome

Em maior ou menor grau, praticamente todo mundo sente ciúme, até bebês e cachorros. Ter se refere a proteger o que é seu - ou o que você acha que é. Com frequência, envolve um triângulo amoroso ou um início de namoro. Entenda como ele funciona

Por Redação M de Mulher - Atualizado em 15 jan 2020, 11h49 - Publicado em 19 nov 2013, 21h00

Foto: Getty Images

 

Jogo Mental

Pode não ser um “centro de ciúme”, mas cientistas suspeitam que o córtex frontal esquerdo do cérebro, que lida com emoções como a vergonha, está envolvido.


Outra peça-chave é a dopamina, neurotransmissor que regula a química associada a felicidade e recompensa.

 

Estimulado pelos mecanismos acima, o ciúme pode se apresentar em três formas.

 

Tipos de ciúme

Ciúme reativo: acontece quando seu amado realmente pisa na bola. Você fica zangada, ansiosa ou triste. Idem, se flagra sua best friend forever na companhia de uma nova amiga.

 

Ciúme suspeito: sobe à cabeça quando você o vê flertando com outra ou começa a duvidar do comprometimento dele com você. São sentimentos de insegurança e desconfiança.

 

Ciúme delirante: entra em cena quando qualquer uma das situações acima chega ao ponto de obsessão, à la Atração Fatal. Você pode agir irracionalmente (entrar em pânico se ele achar uma atriz linda) ou fanaticamente (vigiar cada post dele no Facebook).

 

Golpe no Organismo
 

Uma vez que você esteja possuída pelo sentimento, pode ter dificuldade em enxergar qualquer coisa – literalmente. Um estudo descobriu que mulheres com ataques de ciúme tiveram problema para reconhecer objetos óbvios. Conselho: se estiver com ciúme, não dirija.

 

O ciúme também pode aumentar o stress. O organismo secreta cortisol e eleva a pressão arterial e a frequência cardíaca.

 

Os Resultados Finais

Exceto por alguma desilusão, essas reações podem ser… boas para você. Pesquisadores acreditam que o ciúme evoluiu em humanos para motivar as pessoas a proteger as relações que as ajudariam a sobreviver.

 

Em outras palavras, o ciúme é inerente à vida, e não um motivo para constrangimento. Estudos mostram que os casais que sentem um pouco de ciúme tendem a construir uniões ricas e duradouras.

Publicidade