Assine CLAUDIA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Argentinas protestam pelo uso de “topless” nas praias do país

Mulheres organizaram um "tetazo" para protestar pelo direito ao banho "topless" no país.

Por Giovana Feix
Atualizado em 20 jan 2020, 21h11 - Publicado em 8 fev 2017, 11h07

Desde os protestos pelo “Nenhuma a menos” que agitaram a Argentina nos últimos tempos, esta é a primeira notícia de um protesto de mulheres no país: na terça-feira (7), centenas foram às ruas para exigir o direito ao “topless” nas praias do país.

A manifestação veio em resposta a um incidente em Necochea, praia perto de Buenos Aires, na semana passada. Na ocasião, três mulheres chegaram a ser ameaçadas de prisão e foram aconselhadas a deixar a praia pela polícia, após serem encontradas sem a parte de cima do biquíni.

De acordo com o jornal britânico The Guardian, no entanto, é incerto se a própria lei argentina permite ou não o “topless”. Em Necochea, a polícia mencionou a proibição a “demonstrações obscenas” para justificar a atitude tomada. Desde então, um juíz já chegou a considerar que fazer “topless” não é crime.

O “tetazo“, (“tetaço”, em tradução livre) foi organizado para exigir que as mulheres tenham os mesmos direitos dos homens, inclusive na praia. Seu lema era “os únicos peitos que os incomodam são os que não estão à venda”. O protesto atraiu muitos “espectadores” homens – que as próprias manifestantes procuraram afastar.

“Em muitos lugares, quando uma mulher denuncia violência de gênero, ninguém te ouve”, conta a fotógrafa Grace Prounesti Piquet em entrevista ao Guardian. “Mas, quando uma mulher mostra seus peitos, eles enviam vários policiais. O peito não é um crime”.

View this post on Instagram

¿Increíble, no? Hay pezones legales y otros que no. #tetazo

A post shared by Mars (@marsnegrette) on

Continua após a publicidade
View this post on Instagram

#TETAZO MASIVO EN EL OBELISCO Cientos de mujeres se concentraron en el Centro de la Ciudad para reclamar "la soberanía de los cuerpos" tras los incidentes ocurridos en las playas de Necochea la semana pasada. La convocatoria a la marcha, a la que las mujeres concurrieron libremente con o sin corpiño, fue organizada por distintas entidades y difundida ampliamente por las redes sociales y los medios de comunicación.

A post shared by LA NACION (@lanacioncom) on

View this post on Instagram

#tetazo #fisgonacolectivofotografico PH #tanaheroina

A post shared by Alicia Rinaldi (@tanaheroina) on

Meu corpo não é uma contravenção“.

View this post on Instagram

#Tetazo en el #Obelisco #NiUnaMenos #LaIzquierdaDiario #PanyRosas #FrentedeIzquierda #EnfoqueRojo #PhotoJournalism #FotoPeriodismo #StreetPhotography #FotoCallejera #Igbuenosaires #buenosaires_ig #Nikon_ar #nikond3300

A post shared by Luigi Morris (@luigiwmorris) on

View this post on Instagram

#Tetazo

A post shared by 🅗🅞🅛🅐 🅢🅞🅨 🅩🅐🅘🦋 (@zaira_justiniano) on

Continua após a publicidade
View this post on Instagram

#tetazo

A post shared by A/P (@pedropabloartl90210) on

Soberania sobre nosso corpo“.

 

 

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

O mundo está mudando. O tempo todo.
Acompanhe por CLAUDIA e tenha acesso digital a todos os títulos Abril.

Acompanhe por CLAUDIA.

Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Moda, beleza, autoconhecimento, mais de 11 mil receitas testadas e aprovadas, previsões diárias, semanais e mensais de astrologia!

Receba mensalmente Claudia impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições
digitais e acervos nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 12,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.