Após ser acusado de machismo, chefe do Grammy anuncia que deixará o cargo

Comunicado acontece após críticas à premiação pelo seu desequilíbrio de gênero

Neil Portnow,, que há 16 anos ocupa o cargo de chefe da Academia de Gravação, o organismo que administra os prêmios Grammy, anunciou na última quinta-feira (31) que deixará o posto assim que seu contrato terminar em julho de 2019.

O anúncio acontece após críticas à premiação pelo seu desequilíbrio de gênero. A maioria dos indicados ao prêmio na 60ª edição dos Grammy, por exemplo, era composta por artistas do gênero masculino.

Quando questionado sobre a predominância masculina entre os indicados, Neil respondeu: “[A mudança] tem que começar pelas mulheres que têm a criatividade em seu coração e em sua alma, que querem ser artistas, engenheiras, produtoras, que querem fazer parte da indústria a nível executivo, deem um passo à frente (…) Acredito que seriam bem-vindas. Não tenho experiência pessoal com o tipo de problemas que enfrentam (…) Somos nós como indústria que criamos as oportunidades para que todos os que querem ser criativos e criamos a próxima geração de artistas que sentem que podem fazer qualquer coisa””

A resposta de Neil gerou indignação por parte de artistas mulheres, como a cantora Katy Perry. “Estou orgulhosa de TODAS as mulheres que fazem uma arte incrível apesar das resistências contínuas”, escreveu a artista em seu Twitter. O resultado das manifestações foi a saída de Neil do cargo.