Ambev, Coca-Cola e PepsiCo deixarão de fornecer refrigerantes em escolas

A medida que visa combater a obesidade infantil e tornar a alimentação infantil mais saudável foi divulgada em um comunicado conjunto redigido pelas três gigantes do setor, nesta quarta-feira (22)

Os três maiores nomes do setor de bebidas: Coca-Cola Brasil, Ambev e PepsiCo Brasil divulgaram, nesta quarta-feira (22), um comunicado redigido em grupo que promete rever a distribuição de refrigerantes em instituições de ensino. Segundo o conteúdo anunciado, a partir de agosto, as empresas deixarão de distribuir diretamente estes produtos para que crianças com idade inferior a 12 anos não possam comprar.

LEIA MAIS: 12 maiores erros na alimentação infanti.

A medida que visa combater a obesidade infantil e tornar a alimentação infantil mais saudável admite: “crianças abaixo de 12 anos ainda não têm maturidade suficiente para tomar decisões de consumo“. No lugar do líquido preto docinho e cheio de gás, sucesso em qualquer recreio, os pequenos poderão consumir produtos como “água mineral, suco com 100% de fruta, água de coco e bebidas lácteas que atendam a critérios nutricionais específicos”. 

LEIA MAIS: Como manter a alimentação das crianças saudável durante as férias.

Há cerca de três meses, a Associação Brasileira das Indústrias de Refrigerantes e de Bebidas Não Alcoólicas (ABIR) advertiu às marcas para que interrompessem a produção e a veiculação de peças publicitárias voltadas ao público infantil. Recentemente, pesquisas de mercado também demonstraram uma queda significativa na receita das empresas desta área – em relação ao ano passado, a produção em nível nacional caiu cerca de 5,9%, quando comparada com 2014. E em 2016, o cenário não difere: desde maio, a fabricação dos produtos apresentou um déficit de 3,68%. Para reagir aos números decrescentes, empresas do ramo têm apostado em novas bebidas – geralmente mais saudáveis. 

LEIA MAIS: Por que devemos consumir menos refrigerante?

Leia na íntegra o comunicado divulgado oficialmente pelas três empresas: 

“A obesidade é um problema complexo, causado por muitos fatores, e as empresas de bebidas reconhecem seu papel de ser parte da solução. A partir de agosto, a Coca-Cola Brasil, a Ambev e a PepsiCo Brasil vão ajustar o portfólio de bebidas vendidas diretamente às cantinas de escolas no país. A principal mudança é que as empresas venderão às escolas para crianças de até 12 anos (ou com maioria de crianças de até essa idade) apenas água mineral, suco com 100% de fruta, água de coco e bebidas lácteas que atendam a critérios nutricionais específicos.

O novo portfólio tem como referência diretrizes de associações internacionais de bebidas. Novos produtos lançados pelas empresas poderão ser incluídos, no futuro, seguindo essas referências.

No momento do recreio, os alunos têm acesso às cantinas escolares sem a orientação e a companhia de pais e responsáveis, e crianças abaixo de 12 anos ainda não têm maturidade suficiente para tomar decisões de consumo. Coca-Cola Brasil, Ambev e PepsiCo Brasil entendem que devem auxiliar os pais ou responsáveis a moldar um ambiente em escolas que facilite escolhas mais adequadas para crianças em idade escolar, assim como estimular a hidratação e a nutrição, contribuindo para uma alimentação mais equilibrada.

A escolha do portfólio no Brasil também foi baseada em conversas com especialistas em saúde pública, alimentação e nutrição, além de profissionais e instituições ligadas aos direitos das crianças. A política valerá para as cantinas que compram diretamente das fabricantes e de seus distribuidores. Em relação às demais, aquelas que se abastecem em outros pontos de venda (supermercados, redes de atacados e adegas, por exemplo), haverá uma ação de sensibilização desses comerciantes por meio da qual todos serão convidados a se unir à iniciativa.

As três companhias também estão trabalhando com a ABIR (Associação Brasileira da Indústria de Refrigerantes e Bebidas Não Alcoólicas) para que essas diretrizes de venda de bebidas a escolas sejam um compromisso de todo o setor.”