Clique e assine Claudia a partir de R$ 8,90/mês

Universidade de medicina baixava notas de mulheres

Caso ocorrido em Tóquio foi revelado por jornal japonês. Objetivo seria limitar a admissão de mulheres para até 30% das vagas

Por Lia Rizzo - Atualizado em 8 ago 2018, 11h21 - Publicado em 8 ago 2018, 11h19

O boicote às mulheres em muitas esferas não é exclusivo da realidade brasileira. A renomada Tokio Medical University (Universidade de Medicina de Tóquio), no Japão, reconheceu nesta terça-feira, 8, que diversas candidatas tiveram suas notas manipuladas para baixo no concurso de admissão. O objetivo seria limitar o número de estudantes do sexo feminino de forma que elas não ocupassem mais de 30% das vagas, conforme revelou na semana passada, o jornal japonês Yomiuri Shimbun.

As práticas discriminatórias foram descobertas em meio a uma investigação sobre apadrinhamento político, depois que a faculdade foi acusada de favorecer o filho de um membro do Ministério da Educação do país. As irregularidades contra mulheres teriam começado em 2006, com alto índice de casos em 2011, conforme informou a agência de notícias Kyodo.

À imprensa, Tetsuo Yukioka, diretor-geral da universidade, declarou que “traímos a confiança do público e apresentamos nossas mais sinceras desculpas”. O vice-presidente da instituição, Keisuke Miyazawa, reconheceu que “práticas como estas nunca deveriam acontecer” e garantiu que a escola fará provas equitativas a partir do próximo ano.

Em coletiva de imprensa, diretores da Universidade de Medicina de Tóquio admitem discriminação contra mulheres. JIJIPress/Reprodução

Advogados envolvidos na investigação afirmaram que as razões que levaram a faculdade a adotar tal conduta foram discriminação pura e simples. Apesar de a descoberta ter indignado a opinião públicas, até o momento nenhum responsável foi punido.

Continua após a publicidade

 

Publicidade