Rio de janeiro: segredos revelados por seis cariocas da gema

Neste ano, em que a cidade sedia a Olimpíada, são esperados visitantes de todos os cantos do mundo. Fuja da lotação dos pontos turísticos óbvios com os segredos revelados por seis cariocas da gema

Com ketchup?

Karen Couto, 42 anos, chef

Foi por acaso, em uma noite de chuva muito forte, que a chef descobriu “a melhor pizza do Brasil”, feita na Ferro e Farinha (R. Andrade Pertence, 42D, Catete). Comandada por um nova-iorquino nissei, a pizzaria é pequena e os clientes podem ver de perto a produção das massas artesanais do cardápio, que muda periodicamente. Já no Leblon, Karen indica o restaurante de culinária espanhola e portuguesa El Gordo (Av. General San Martin, 1219, tel. 21 3079 9581). “Está ali a única tortilla de batatas bem-feita na cidade: molhadinha por dentro, crocante por fora e muito saborosa.”
 
Na outra direção

Carol Rabello, 32 anos, criadora do site zonanorteetc.com.br

Apesar de mais famosa, a Zona Sul é pequena se comparada à Norte – cultural e territorialmente falando. Moradora do Méier, ali, Carol adora a carta de cervejas importadas e o hambúrguer de cordeiro do Wenceslau Bar (R. Silva Rabelo, 61, tel. 21 3174 6614). “O local oferece até consultoria para achar a bebida que melhor se adapta ao seu paladar.” Para passear ao ar livre, ela indica o Parque Madureira (R. Soares Caldeira, 115). “É perfeito para se exercitar, andar de skate e até tomar chope nos quiosques”, diz.
 
Estrelado

Luiz André Alzer, 44 anos, JORNALISTA, e Bruno Drummond, 42 anos, cartunista

Durante a pesquisa para o Meu Livro do Rio (Objetiva, 23 reais), Alzer descobriu a Capela de Nossa Senhora da Cabeça, no Jardim Botânico (R. Faro, 80). Construída entre 1603 e 1607, ela é a mais antiga da cidade, com arquitetura original preservada e vista para a Lagoa Rodrigo de Freitas. Se quiser ver as estrelas, Drummond, outro autor do guia, avisa que, dentro da Cidade das Crianças (Rod. Mário Covas – BR 101, km 1), em Santa Cruz, há um planetário. “Só conhecia o da Gávea, mais famoso, mas esse tem uma tecnologia mais moderna”, diz.
 
Noite quente

Clarisse Miranda, 40 anos, atriz e produtora de eventos

Nem só de boates e quadras de escola de samba se faz a vida noturna carioca. Que tal dançar no alto da comunidade de Tavares Bastos, no Catete? Toda primeira sexta-feira do mês, o hostel The Maze Inn (R. Tavares Bastos, 414, tel. 21 2558 5547) promove uma noite de jazz com direito a ótimos drinques e vista panorâmica para a Baía de Guanabara e o Pão de Açúcar. Se estiver com as amigas, pare no restaurante Entretapas (R. Conde de Irajá, 115, Botafogo, tel. 21 2537 0673). “O lugar tem mesas grandes, para dez pessoas, e sangrias, de vinho branco ou tinto, divinas. As cavas (vinho espumante espanhol) também são muito boas”, recomenda.
 
Ferveção cultural

Carolina Herszenhut, 35 anos, estilista e empresária

Carol é uma das produtoras de O Cluster, evento gratuito que escolhe charmosos casarões antigos como cenário para reunir moda, arte, design, música e gastronomia. Ótimo para descobrir novas marcas e ter contato com designers e produtores locais. Fora da Zona Sul, é na região central que fica a antiga fábrica da Bhering (R. Orestes, 28, Santo Cristo, tel. 21 2213 0014), atualmente ocupada por lojas de moda e decoração, brechós, ateliês de arte e gastronomia. “Vale conhecer o espaço da carioca Velt, loja-conceito que tem desde objetos para casa até roupas minimalistas”, diz.
 
Ao ar livre

Natasha Cerqueira, 32 anos, funcionária pública

Apaixonada por surfe, Natasha define a praia da Barra da Tijuca como um dos melhores pontos da orla para a prática do esporte. Iniciantes podem pedir ajuda ao Wahine Surf (contato pelo e-mail wahinesurfbr@gmail.com), escola especializada no público feminino. “Sempre tive medo de onda e, se eles conseguiram me ensinar a surfar, qualquer uma pode aprender”, ri. Já o stand-up paddle, que ela também adora, não fica restrito às praias. Ela recomenda as águas calmas do Canal do Mangue, na Barra de Guaratiba, Zona Oeste do Rio. “Se quiser ver o Rio de cima, vá até a Pedra Bonita, em São Conrado”, diz. É de lá que partem os voos de asa-delta e parapente.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s