Judoca Rafaela Silva relata preconceito de policiais no RJ

Ela estava dentro de um táxi a caminho para casa, que fica em Jacarepaguá, no Rio de Janeiro

Na noite de quinta-feira (22), a judoca Rafaela Silva, que é campeã olímpica, fez uma série de postagens nas redes sociais relatando um episódio em que sofreu preconceito por parte de policiais quando voltava para sua casa, em Jacarepaguá (RJ), de táxi.

Segundo a atleta, ela foi abordada de forma truculenta e os oficiais afirmaram que ela parecia ter “vindo da favela”. Ela foi revistada do lado de fora do carro em frente aos outros motoristas.

Confira:

 

Em nota, a Polícia Militar afirmou que os profissionais estavam cumprindo “sua missão” e seguindo critérios técnicos. Leia na íntegra:

As declarações da judoca Rafaela Silva de que teria sofrido constrangimento durante uma abordagem ao táxi em que viajava na quinta-feira à noite, na Avenida Brasil, são injustas e não ajudam o trabalho de combate à criminalidade. A Polícia Militar intensificou o policiamento preventivo nos principais corredores viários da Região Metropolitana para reprimir roubos de veículos e carga , adotando critérios técnicos e legais para cumprir sua missão de servir e proteger a sociedade.