Clique e assine com até 75% de desconto

Morre João W. Nery, 1º homem transexual operado do Brasil, aos 68 anos

Ele colaborou, com a própria luta, para algumas das principais conquistas pela igualdade de gênero no país

Por Da Redação Atualizado em 26 out 2018, 21h47 - Publicado em 26 out 2018, 19h14

O primeiro homem transexual operado do país, João W. Nery, faleceu aos 68 anos em Niterói, no Rio de Janeiro, nesta sexta-feira (26). A notícia foi confirmada pela esposa dele, Sheila Saleswi, a CLAUDIA.

Desde 2017, ele enfrentava uma batalha contra o câncer e, em setembro deste ano, revelou que o câncer havia chegado ao cérebro. No comunicado ao público, chegou a pedir para homens trans que não deixem a luta.

“Se unam, não oprimam os nossos irmãos oprimidos, já por tanta transfobia e sofrimento. Um trans masculino não precisa ser sarado, nem ter barba, nem se hormonizar ou ter pênis para se operar. Basta saber quem são e que sente do gênero masculino. Vamos nos respeitar, nos unir, nos fortalecer e, sobretudo, ensinar os homens cis o que é ser um homem sem medo do feminino”, declarou.

No último dia 22 de outubro, ele recebeu o Prêmio CLAUDIA na categoria Eles por Elas. Já em tratamento, não pôde comparecer à cerimônia e foi representado pela cartunista Laerte, sua amiga. “É uma partida difícil. Ele não estava bem e, de uma certa forma, já esperávamos, mas estou muito triste. A importância dele para mim é imensa. Agora fica o projeto de lei João W. Nery, que vamos tentar que seja aprovado”, disse a cartunista Laerte a CLAUDIA. O projeto de lei 5.002, dos deputados Jean Wyllys e Erika Kokay, foi batizado com o nome do primeiro trans operado no Brasil e prevê que “toda pessoa poderá solicitar a retificação registral de sexo e a mudança do prenome e da imagem registradas na documentação pessoal, sempre que não coincidam com a
sua identidade de gênero auto-percebida”.

O dentista Fábio Bibancos, que também foi um dos finalistas do Prêmio CLAUDIA 2018 na categoria Eles por Elas, lamentou a morte do colega. “A notícia da perda de João W. Nery me deixa profundamente consternado. Perdemos uma pessoa que fez da inclusão e da generosidade a grande batalha de sua vida. Uma vida que deve ser celebrada e reconhecida por todos os brasileiros.”

Benedito Medrado, fundador do Instituto Papai, que promove ações para estimular a inserção do homem em ambientes e papéis tradicionalmente femininos, fez um depoimento emocionante sobre o amigo. Medrado foi finalista na categoria Eles por Elas do Prêmio CLAUDIA 2017.

Continua após a publicidade

“João foi um homem sensível, inteligente e visionário, cuja história de resistência deve ser uma fonte de inspiração para aqueles/as que desejam um mundo melhor; um mundo em que todas as existências sejam possíveis e que as diferenças não sejam tratadas com desigualdade. Ele transformou dor e opressão em luta e esperança. Em plena ditadura militar no Brasil, foi o primeiro homem trans a se submeter a processos cirúrgicos, com o objetivo de realizar o sonho de ter o corpo que desejava. Ele não queria fazer mal a ninguém, só queria exercer o genuíno e digno direito de existir.

Devemos brindar e celebrar uma vida tão especial, particularmente, num momento como esse, em que discursos fascistas sustentam candidaturas no cenário político brasileiro, em que se prega o extermínio das minorias. João nos mostra com palavras e atos que outro mundo é possível e desejável. Ele jamais propôs a eliminação de ninguém, apesar de toda violência que sofreu. Ele pregava o respeito às diversas formas de existir e os diversos projetos de felicidades, numa sociedade democrática.

João vive em cada ativista em direitos humanos, em cada feminista, em cada LGBTI que dedica sua vida por um bem maior, pelo bem de todas, todos e todes!.”

HISTÓRIA

Faz apenas sete anos que o carioca João W. Nery teve coragem de mostrar seu rosto publicamente. Antes disso, temia ser preso pelos atos que cometera em nome de uma verdade muito particular. Quando nasceu, ele foi registrado como mulher, mas nunca se reconheceu como tal. Já na juventude, começou um processo transexualizador, usando roupas e visual andrógino. Aos 27 anos, foi o primeiro homem brasileiro a passar pelas cirurgias que transformaram seu corpo biologicamente feminino em masculino (remoção de mamas e de ovários). Na época, tanto esses procedimentos quanto a alteração do nome nos documentos eram consideradas medidas ilegais. Roberto Farina, o cirurgião pioneiro nas operações no Brasil e médico de Nery, chegou a ser preso por mutilação.

Para poder ter um nome masculino, foi preciso fingir no cartório que, até então, nunca havia tirado documento algum. “Ao assumir uma nova identidade, tive de negar todo o meu currículo acadêmico. Parei de dar aulas de psicologia na universidade e de atender no consultório. Passei décadas com medo de ser punido por tentar ser quem eu sou”, conta ele.

Para entender a própria condição, Nery passou a estudar o assunto com rigor acadêmico. Tornou-se ativista, ministrando palestras e oferecendo apoio a quem tem sofrimento parecido com o dele. “A maioria das abordagens ocorre pela internet, onde mantenho grupos de apoio e de discussão. Muitos me procuram com graves problemas emocionais.” Além disso, desde 1984, o psicólogo já publicou três livros e está prestes a terminar um quarto – misto de autobiografia e outros depoimentos de pessoas trans.

Só tomou coragem de mostrar-se à imprensa após consultar um advogado. O medo não era infundado. Só muito depois das operações de Nery, em 1998, as cirurgias transexualizadoras passaram a ser oferecidas pelo Sistema Único de Saúde. A possibilidade de assumir um novo nome demorou mais ainda. Faz pouco mais de um ano que o Supremo Tribunal Federal autorizou a alteração de documentos sem a necessidade de se entrar na Justiça.

Continua após a publicidade
Publicidade