Miss EUA, Miss Teen EUA e Miss America são todas negras pela 1ª vez

O acontecimento é um marco na história dos concursos de beleza

Pela primeira vez na história, os três principais concursos de beleza dos Estados Unidos – Miss USA, Miss Teen USA e Miss America – coroaram mulheres negras como vencedoras no mesmo ano. Isso é um feito inédito nesse tipo de concurso no país.

Quando os primeiros concursos de beleza foram criados, mulheres negras eram proibidas de participar. Mesmo anos depois, quando algumas das organizações começaram a mudar suas regras para aceitar todas as mulheres, ainda era muito raro que mulheres negras conseguissem chegar às fases mais avançadas dos concursos, devido à oposição de parte do país.

Em 1953, Vanessa Williams foi eleita a primeira Miss negra dos EUA. Ela venceu o Miss America. Carole Anne-Marie Gist foi a primeira Miss USA negra, em 1990. Esse ano, Cheslie Kryst, Kaliegh Garris e Nia Franklin fizeram história no país ao vencerem os concursos.

Além de sua beleza, as três misses também chamam atenção por seus discursos de empoderamento e dedicação a trabalhos sociais. Conheça um pouco da história de cada uma delas:

Cheslie Kryst, a Miss USA 2019, de 28 anos, é uma advogada que busca mudanças no sistema judiciário americano. Em seu trabalho, ela busca ajudar prisioneiros que foram sentenciados injustamente a conseguirem reverter suas penas sem terem que pagar por um advogado.

Cheslie contou na competição que, uma vez, um juiz sugeriu que ela vestisse saias ao invés de calças no Tribunal. Desde então, ela mantém um blog sobre roupas femininas no ambiente de trabalho e defende que as mulheres podem vestir o que quiserem.

Kaliegh Garris, Miss Teen USA, de 18 anos, desfilou no dia do concurso com seu cabelo crespo natural. Ela contou à CNN que quando começou a competir, teve de lutar contra os padrões de beleza que ditavam que cabelo liso era mais bonito. Hoje, ela ignora os comentários e usa os fios naturais, já que é a maneira como se sente mais confiante.

Nia Franklin, Miss America 2019, de 23 anos, é cantora de ópera. Ela conta que estudou em uma escola com pouquíssimos alunos negros e, por isso, se sentia deslocada e pouco confiante. Foi com a música que conseguiu se conhecer melhor. Hoje, Nia trabalha na ONG Sing For Hope, que busca ajudar adultos e crianças através da música.