Mais de 50 casos de feminicídio foram notícia neste ano no Brasil

Número de mulheres assassinadas em razão de gênero pode ser muito maior – estes são apenas os episódios que chegaram à imprensa

Resultante da violência doméstica e do menosprezo à condição da mulher, o feminicídio foi tipificado e tornou-se crime hediondo em 2015 no Brasil. O número de mulheres assassinadas em razão de seu gênero no país é incerto, mas estimativas do Mapa da Violência apontam que sete mulheres são mortas todos os dias vitimadas pelo feminicídio.

“O crime acontece quando a mulher viola uma das leis do patriarcado: da fidelidade, que não lhe permite romper com o homem, ou da submissão, que não lhe dá permissão de conduzir a própria vida”, disse a promotora Silvia Chakian, do Grupo de Enfrentamento à Violência Doméstica do Ministério Público de São Paulo, na edição de fevereiro de CLAUDIA.

Na ocasião, a reportagem acompanhou os casos de feminicídio que chegaram à imprensa em 2017. Até o fechamento da edição, no final de janeiro, pudemos contar mais de 30 episódios.

Leia também: Alexandre Garcia, nós precisamos falar sobre feminicídio

CLAUDIA continuou acompanhando. Do primeiro dia do ano a 8 de fevereiro, contamos 50 casos de feminicídio no Brasil – excluindo notícias de mulheres assassinadas sem pistas do suspeito e da motivação, por exemplo. Abaixo, os casos que chegaram até nós.

Janeiro

Dia 1

Na virada do ano, em Campinas, Sidnei Ramos de Araújo matou a ex-mulher, Isamara Filier, o filho de 8 anos e outras 10 pessoas, depois se suicidou. No total, 9 das vítimas eram mulheres.

Renata Rodrigues Aureliano, 29 anos, foi vítima de Jeferson Diego Caetano da Costa, 26 anos. Insatisfeito com o fim do relacionamento, ele ateou fogo em Renata com um galão de gasolina, em Campestre (MG). Um dos filhos do casal, de 9 anos, assistiu ao ataque à mãe, que não resistiu e acabou morta no dia seguinte.

Dia 2

Uma mulher, de 36 anos, foi assassinada a facadas pelo companheiro, em Cabrobó (PE). O crime foi presenciado pelo filho da vítima, que fez a denúncia. A mulher estava em casa com o marido, de 37 anos, ingerindo bebida alcoólica, quando iniciaram uma discussão.

Dia 3

Na cidade de Varjota (CE), uma mulher foi assassinada a facadas dentro de sua residência. Vizinhos da vítima ouviram gritos e acionaram uma equipe da Polícia Militar. Segundo a polícia, a mulher foi morta dentro do quarto – o principal suspeito é o companheiro dela, um homem de 28 anos.

Juliana Jakubowski Kolassa, 33 anos, foi morta a tiros pelo ex-marido durante a madrugada em Carlos Gomes (RS). O homem, Roberto Carlos Kolassa, 39 anos, se suicidou após o crime, conforme informações da Polícia Civil. Eles mantinham um relacionamento por 13 anos e tinham uma filha de oito anos. Em dezembro, a vítima registrou um boletim de ocorrência por ameaça contra o ex-companheiro, sendo deferida uma medida protetiva contra ele. Logo depois, a polícia apreendeu com Roberto uma espingarda, da qual ele possuía registro válido.

Gabrielly Dias de Macedo, 18 anos, foi assassinada pelo ex-namorado, o vigilante Anderson Silva dos Santos, 24 anos, em Santo André, na Grande São Paulo. O homem convidou a vítima para uma reconciliação e a espancou até a morte por suspeitar que ela tivesse outra pessoa. O casal se relacionava há cerca de sete meses e chegou a morar na casa dele, local do crime. Anderson foi encontrado ensanguentado na cozinha e a vítima já morta no quarto — nua e com parte do corpo sob a cama. O vigilante informou que foi ele quem a despiu para ver se encontrava algum sinal que indicasse que tinha feito sexo com outro homem.

Valdeane Felício Soares, de 29 anos, foi assassinada a pauladas pelo marido, o motorista Gilliard Rodrigues dos Santos, de 34 anos, em São Matheus, norte do Espírito Santo. Valdeane era casada com o acusado, mas estavam em processo de separação e tinham dois filhos juntos, um menino de 10 anos e um bebê de 11 meses. O corpo da vítima foi encontrado nu e com sinais de agressão no chão da residência onde ela vivia com os filhos.

Um adolescente de 17 anos confessou ter matado a namorada, de 23 anos, com um golpe de faca na garganta por ciúmes. O crime ocorreu no município de Lagoa Alegre, no Piauí. O autor do crime não aceitava que a vítima trabalhasse em Teresina, precisando se ausentar durante a semana para trabalhar.

A empresária Adriana Nunes Barbosa, de 37 anos, foi morta a facadas dentro do próprio pet shop, em Goiânia. O suspeito do crime é o companheiro da vítima, Júlio César Lourenço da Silva, que se matou em outro local. A empresária tinha tentado terminar o relacionamento de três anos com o suspeito, que se revoltou com o pedido de separação.

Dia 4

Veronica Doroteia de Oliveira, 36 anos, foi morta pelo ex-companheiro Jorge Luciano Sipp, 42 anos, que depois se suicidou, em Caxias do Sul (RS). A polícia suspeita que o homem não aceitava o fim do relacionamento. Apesar de estar separado, o casal vivia na mesma residência. Por volta do meio-dia, vizinhos ouviram uma discussão seguida de disparos de arma de fogo. Ao entrarem na casa, encontraram o casal caído ao lado da cama.

Dia 7

Uma mulher foi assassinada a facadas na cidade de Carira (SE). Segundo a polícia, vizinhos ouviram gritos dentro da residência, que estava fechada. A mulher foi encontrada morta ao lado do ex-marido. A suspeita é que ele tenha assassinado a mulher e se matado em seguida.

Uma mulher de 32 anos, Keila Aparecida da Cunha, foi morta a tiros dentro de uma lanchonete em Joinville (SC). O suspeito do crime é um namorado.

Dia 9

Gustavo de Oliveira Pereira, de 26 anos, teria estrangulado a ex-namorada Amanda Moranez até a morte e, em seguida, cometido suicídio com uma faca, na casa dela, em Porto Alegre. Eles tinham um relacionamento amoroso, mas estavam em crise. Amanda não queria mais. Fizeram uma confraternização com churrasco na casa dela e ele permaneceu no local para passar a noite. Dias depois, a mãe foi chamá-la para jantar e encontrou o corpo dos dois, já mortos.

Dia 11

Janaína Mitiko, 32 anos, foi assassinada pelo ex-namorado, o policial militar Márcio da Silva Lima, 31, em São Paulo. Depois de agredi-la e arrastá-la pelo cabelo, ele deu vários tiros na jovem, foi ao carro, carregou a arma e disparou mais vezes, de acordo com testemunhas. Janaína foi assassinada porque Márcio não aceitava o término do relacionamento de um ano e meio. Após ter sido agredida pelo namorado, antes do Natal, ela rompeu o relacionamento e passou a receber ameaças do homem.

Dia 12

Joilson Caetano da Fonseca, de 44 anos, é acusado de ter matado a esposa Eniria de Sousa Amorim, 46 anos. Ele foi preso em flagrante após esquartejar e incendiar o corpo da mulher, em Paranatinga (MT). Segundo a Polícia Civil, o suspeito disse que “perdeu a cabeça” após a discussão e acabou a esfaqueando. O corpo da vítima apresentava perfurações de faca e seu tórax estava aberto, com os órgãos internos retirados. O homem havia sido preso anteriormente por violência doméstica.

Dia 13

Oneia da Silva Nascimento, 54 anos, foi encontrada morta com sinais de asfixia em um quarto de motel. Fábio de Paulo Faria, 36 anos, assumiu ter matado a ex-namorada e se apresentou a uma delegacia de Nova Friburgo (RJ), alegando ter cometido o crime por não aceitar fim do relacionamento. Oneia chegou a denunciar o por agressões físicas e por perseguições e a Justiça concedeu uma medida protetiva para que o homem não se aproximasse dela. Porém, como ela consentiu com o encontro no motel no dia 13, não houve descumprimento da ordem.

Dia 15

Poliana Alves de Santana, 27 anos, foi assassinada a facadas pelo companheiro, em São Sebastião (DF). Segundo informações da Polícia, ela teria sido vítima de feminicídio, mas as circunstâncias do crime não eram conhecidas.

Uma enfermeira de 57 anos foi morta a tiros em Monte Azul Paulista (SP). Segundo informações da Guarda Civil Municipal, o suspeito é o ex-marido, de 48 anos, que teria cometido o crime motivado por uma disputa de bens resultante do processo de separação.O filho do casal, um adolescente de 14 anos, presenciou toda a ação e ficou em estado de choque.

Dia 16

A dona de casa Maria Betânia Gomes Cunha, 35 anos, foi assassinada a facadas pelo ex-companheiro dentro de casa, em Paragominas (PA). Segundo familiares da vítima, o suspeito não aceitava o fim do relacionamento, que durou dois meses – eles estavam separados há um mês. Na hora do crime, quatro dos cinco filhos da vítima dormiam na casa.

Dia 17

A cozinheira Lucilene Mendes, de 46 anos, foi morta com golpes de facão e, em seguida, teve o corpo queimado na própria casa, em Itumbiara (GO). O namorado dela, Geraldo Barros, de 20 anos, confessou o crime. Após o homicídio, ele foi baleado por um homem não identificado.

Sandro Luiz Alves Portilho, de 42 anos, é suspeito de sequestrar e matar uma menina de 11 anos, no Rio de Janeiro. A garota foi morta por asfixia, com suspeitas de haver sido vítima de violência sexual. Sandro já era acusado de violentar uma adolescente de 16 anos, além de ter sido condenado por homicídio anteriormente. 

Dia 18

Uma mulher de 38 anos foi morta com dois golpes de faca em Londrina (PR). O ex-marido, funcionário público aposentado, de 73 anos, é suspeito.  A vítima mora em São Paulo com a filha do casal, de 4 anos. Ela veio a Londrina participar de uma audiência na Vara da Família, na qual o ex-marido também estava presente. Após a audiência, a mulher teria ido até a casa dele para buscar alguns documentos dela e da filha. Os dois teriam discutido e ele teria agredido a mulher a facadas.

Ada Eve Celere, 58 anos, foi assassinada com um golpe de faca no início da madrugada, em Assis (SP). O autor do crime, Paulo Roberto de Araújo, 58 anos, que mantinha relacionamento com a vítima, foi preso em flagrante

Dia 20

O marido de Margarida da Costa Matos, 27 anos, José Wellington de Sousa Lima, 32 anos, foi preso suspeito de matar a marretadas a esposa e jogar o corpo em um terreno baldio, em Fortaleza. Ele disse à polícia que havia discutido com Margarida e que isso motivou o crime. A vítima foi golpeada enquanto dormia.

Dia 21

Suely Santos, 53 anos, foi encontrada morta, em Itariri (SP). Ela estava semi-nua dentro de uma vala em um bananal. A suspeita da polícia é de que ela tenha sido estuprada e morta em seguida. A vítima trabalhava em Peruíbe, município vizinho, e, ao descer do ônibus na estrada, foi abordada por um desconhecido. O homem levou a mulher até o bananal que fica ao lado e a violentou sexualmente.

Salete de Fátima dos Santos, de 48 anos, diretora de escola, morreu em um acidente na BR-369, em Cascavel (PR), após ser sequestrada pelo ex-namorado. O motorista dirigia na contramão quando bateu em um ônibus que seguia pela rodovia. De acordo com familiares, Salete e o ex-companheiro terminaram o relacionamento há cerca de três meses depois de dois anos e meio juntos. E, há 15 dias, ela havia iniciado um novo namoro.

Dia 23

Maria Eliza Santos Estevão, 42 anos, foi morta pelo marido, em Marataízes (ES). De acordo com a polícia, ela já vinha sendo ameaçada de morte pelo marido, preso algumas vezes e indiciado pela Lei Maria da Penha.

Cenoli Libanha Pereira, 43 anos, foi encontrada morta em Frederico Westphalen (RS). Perícia aponta que a vítima foi morta por esganadura e apresentava sinais de violência sexual.

Dia 24

Um homem de 44 anos matou uma jovem de 25 a facadas porque ela se negou a fazer sexo após receber R$ 20 por um programa sexual, em Itaporanga (PB). A vítima, recusou-se a ter relações sexuais e não quis devolver a quantia.

Dia 25

A adolescente Liliane Franciele Bezerra, 16 anos, foi assassinada por ciúmes do companheiro, Jebson de Souza, 20 anos, que também acabou morto após ser seguido por populares e linchado, em Jaboatão dos Guararapes (PE). O casal estava separado, mas havia reatado o relacionamento no início desta semana. A jovem estava com o filho de seis meses no colo quando foi atingida por disparos.

A dona de casa Sabrina de Oliveira Queiroz, de 35 anos, foi morta pelo ex-companheiro Fábio Delvacy Meirelles Ferreira, 45 anos, com 30 facadas na própria casa, em Vila Velha (ES). O crime aconteceu na frente da mãe dela, de 75 anos, após as duas terem ido a delegacia registrar um boletim de ocorrência contra o homem. A vítima estava grávida.

Dia 26

Maria Lucimara de Jesus Santos, 44 anos, foi morta a facadas pelo noivo Gilberto Machado, 35 anos, em Praia Grande (SP). Em um vídeo, ele diz que não tem antecedentes criminais e admite às autoridades que matou a noiva após pegar o celular dela e ver mensagens no WhatsApp, que indicavam que Lucimara estaria comprometida com outra pessoa ao mesmo tempo.

Dia 27

Um mulher morreu após ser esfaqueada, em João Pessoa (PB). De acordo com a polícia, a vítima foi agredida com duas facadas. O companheiro da vítima é o principal suspeito da agressão, ainda segundo a polícia.

Dia 28

Sônia Maria Baldissera, de 39 anos, foi morta a facadas em frente à loja onde era proprietária, em Machadinho (RS). Segundo a Polícia Civil, testemunhas viram o ex dela, de 35 anos, agredi-la. Conforme a polícia, ela havia terminado o relacionamento, que durou cerca de três anos, recentemente. Em 2014, a vítima registrou queixa contra o homem por ameaça.

Sandra Oliveira, foi morta com golpes de faca no pescoço pelo marido Jefferson Amaral do Carvalho, 46 anos, preso em flagrante depois de concretar o corpo da esposa em Ilhéus (BA). Inicialmente, o suspeito afirmou que estava construindo um banheiro e fazia obras no local, mas logo depois acabou confessando a morte da mulher. Há relatos de que o casal brigava constantemente e que Jefferson costumava bater na mulher.

Valdiceia Paixão, 38 anos, foi morta e teve o corpo carbonizado pelo marido, Washington Valentim dos Reis, 42 anos, em São João de Meriti (RJ). Ele confessou o crime.  Valdiceia foi encontrada morta por asfixia e com o corpo carbonizado em um campo de futebol do bairro, após passar dias desaparecida. A filha mais velha do casal, Larissa Paixão, 18 anos, descobriu a morte por acaso, ao ver uma foto da mãe morta circulando pelas redes sociais. Valdiceia queria se separar de Washington, mas ele não aceitava o fim do relacionamento. No último Natal, ele agrediu a mãe de Larissa.

Dia 29

Maria de Lourdes, 44 anos, foi morta pelo companheiro após se recusar a manter relação sexual ele, em Teresina (PI). O homem, identificado apenas como Antônio, deu um soco no rosto da vítima, que caiu sobre a pia e sofreu uma hemorragia.

Dia 30

Gracielli Degasperi Grandi, 17 anos, foi assassinada a tiros dentro do próprio quarto, em Caxias do Sul (RS). Segundo a polícia, o autor é o ex-companheiro da jovem, Tiago Tavares de Oliveira, 21 anos. Gracielli foi alvejada enquanto dormia. A jovem manteve o relacionamento com o rapaz por cerca de três anos e havia rompido.

Dia 31

Aline Cristina das Neves, 36 anos, foi atropelada e morta pelo companheiro Eduardo Paulo Silva, 31 anos, em Jundiaí (SP). Segundo a polícia, o crime foi intencional, já que, depois de atingir a vítima , o suspeito ainda deu marcha à ré no veículo sobre o corpo. Testemunhas contaram à polícia que os dois brigavam frequentemente, fato que se repetiu momentos antes de a mulher sair para trabalhar e ser seguida pelo criminoso

Marcela Leal Machado, 24 anos, foi assassinada, na madrugada de hoje, em Rio Brilhante (MS). O autor, André de Jesus Rodrigues, 28, era marido dela e confessou ter agredido a vítima com uma facada no ombro. Aos policiais, André contou que estava ingerindo bebidas alcoólicas com a mulher, quando começaram a brigar.

Fevereiro

Dia 1

Maria Adriana de Souza, de 36 anos, foi assassinada pelo ex-companheiro, Paulo Gomes Florentino, em Piripiri (PI). Os dois estavam separados e Paulo não aceitava o fim do relacionamento. Quando foi na casa da vítima, após uma discussão, disparou contra ela, mas a munição não deflagrou. Ele, então, pegou um pedaço de madeira e a matou.

Quatro pessoas da mesma família – duas filhas, mãe e pai – foram encontradas mortas por um parente dentro de casa, em Porto Alegre. De acordo com a polícia, o marido é suspeito de cometer o crime motivado por ciúmes, desconfiando que a esposa o traía, e haviam inscrições nas paredes da casa. Ainda segundo a polícia, a faca utilizada no crime estava na mão do marido, que teria se suicidado após matar a família. O casal viva junto há cerca de 20 anos e estava em processo de separação.

Uma mulher de 49 anos foi morta a facadas, em Feira de Santana (BA). Testemunhas relataram que o marido da vítima teria cometido o crime, após ela revidar um tapa na cara. O suspeito fugiu em seguida. Conforme a polícia, o casal e alguns amigos bebiam quando o suspeito teve uma crise de ciúmes e agrediu a mulher, que revidou, e os dois entraram em luta corporal.

Márcia Aparecida Sptzner, 30 anos, foi morta pelo marido, em Cantagalo (PR). Ela foi atingida com vários disparos no peito e morreu no local do crime. O casal estava em fase de separação e tomava café na casa dos pais da vítima para decidir os rumos do divórcio, quando o homem se levantou afirmando que iria embora, mas foi até seu carro, sacou uma pistola e retornou à residência. De acordo com a família, o homem não aceitava o fim do casamento.

Dia 2

Nagela Erica Guinzane, 40 anos, foi morta a facadas durante a madrugada na porta de casa, em Umuarama (PR). O suspeito do crime, que fugiu no carro dela, é namorado da vítima.

Maria Aparecida Soares de Lima, 26 anos, foi encontrada morta dentro de uma igreja, em Santa Helena (PR). O marido da vítima é suspeito de ter entrado no local e a matado. De acordo com relato da ex-mulher dele, o homem teria ligado para ela na manhã desta quarta dizendo para buscar o filho do casal, pois ele havia matado a esposa e estava ferido.

Uma mulher, identificada apenas como ‘Nena Vaqueira’, foi encontrada morta dentro de casa, em Campo Alegre (AL). Ela apresentava perfurações no pescoço e estava seminua quando foi encontrada. Vizinhos contam que ouviram gritos durante a madrugada na casa, mas ninguém foi verificar do que se tratava. Acredita-se que ela tenha discutido com o companheiro.

Joelma Evangelista Guerra, 31 anos, foi assassinada com dois tiros na cabeça em Sucupira (TO). O suspeito do crime é o ex-marido da vítima. Ela morreu dentro da própria casa e a filha do casal, de apenas 1 ano e 11 meses, estava no local no momento do crime. Os dois foram casados por seis anos e estavam separados há sete meses, mas o homem não aceitava o fim do relacionamento.

Dia 4

Uma mulher foi morta a facadas na madrugada com suspeitas de que o autor do crime seja seu companheiro, em Manaus. A Polícia Militar foi acionada no início da madrugada para um caso de violência doméstica, mas a guarnição não teria encontrado o endereço da ocorrência.

Dia 5

Bianca Oliveira de Jesus, 20 anos, estava desaparecida desde quinta-feira (2) com o filho de três meses. Bianca foi encontrada morta a facadas em Ibirapitanga (BA), ao lado de seu bebê – que passa bem. O pai da criança e companheiro da jovem, identificado apenas como Luciano, é o principal suspeito. Vizinhos ouviram o casal discutindo no dia do desparecimento.