Isolados: suspense promete abrir as portas do cinema brasileiro para o gênero

Thriller protagonizado por Regiane Alves e Bruno Gagliasso é inspirado em produções estrangeiras como 'O Iluminado' e 'Anticristo' e estreia no dia 18 deste mês

“É uma personagem muito triste, uma história pesada. Eu até ia fazer outro filme depois mas acabei desistindo, preferi viajar para espairecer”, diz Regiane Alves.
Foto: Luis Paulo Mendes

Com estreia prevista para 14 de setembro, o filme Isolados, do diretor Tomás Portella (que também dirigiu Qualquer Gato Vira-Lata em 2011), traz a história do casal Lauro e Renata, indivíduos problemáticos que se equilibram quando juntos. Lauro, um meticuloso psiquiatra, está sempre atento e fazendo de tudo para proteger Renata, uma mulher sensível e visivelmente tensa, com um passado traumatizante e uma doença psicológica rara.

Os dois se conhecem na clínica de Lauro, quando Renata o procura para se tratar da desconhecida síndrome de Cotard, quando a pessoa se desespera em certos momentos por achar que está morta. O roteiro do filme é de Mariana Velmond, filha do ator José Wilker, morto em abril de 2014 e que também participa do longa no papel do médico mentor de Lauro. “É uma história que traz a possibilidade de trabalharmos várias questões humanas profundas através da relação de um casal”, diz ela. Sobre o pai: “o meu sentimento é que ele acompanha a gente e continua vivo na tela”.

Isolados revela o potencial do cinema brasileiro ao se arriscar em um gênero pouco explorado por aqui. Apesar de ser lançado agora, foi gravado em 2012, antecedendo duas produções do gênero também lançadas neste ano: Quando Eu Era Vivo O Lobo Atrás da Porta. Os filmes de suspense competiram com a grande quantidade de comédias exibidas — foram mais de três lançamentos só no primeiro semestre deste ano. Assim, enquanto as atuais produções brasileiras são voltadas ao gênero humorístico, o diretor apostou no suspense. 

“Há alguns anos só existia o tipo ‘drama’ com as questões regionais e sociais do Brasil, aí depois a comédia veio e abriu mais um gênero a se explorar. Depois, com Tropa de Elite, a ‘ação’ na produção nacional ganhou credibilidade. Então eu, que sempre gostei de cinema como um todo, pensei no suspense. Acho que Isolados vai abrir um caminho para o mercado cinematográfico, que precisava de um precedente”, diz Portella.

 

Isolados: suspense promete abrir as portas do cinema brasileiro para o gênero

José Wilker fez sua última participação no cinema como o mentor de Lauro, interpretado por Bruno Gagliasso.
Foto: Luis Paulo Mendes

No filme, o casal resolve passar alguns dias em uma casa afastada e perto da natureza, mas, no caminho, Lauro descobre que uma série de assassinatos de mulheres toma conta da região e decide não contar à companheira por achar que é um exagero da mídia e dos moradores do local. A partir de então, cada tom da trilha sonora conduz a uma série de momentos ora parados, ora de tirar o fôlego. As gravações, feitas na região serrana do Rio de Janeiro, mostram o oposto das tradicionais filmagens na cidade. Nem Cristo Redentor, nem Corcovado. A locação é uma casa abandonada no meio de uma estrada de terra em uma mata que é sombria mesmo durante o dia.
 
Na entrevista, Regiane Alves não escondeu a empolgação quando falava do papel. “Eu precisava fazer esse filme. Li o roteiro e não parei, é surpreendente. Era uma possibilidade de fazer uma personagem que eu nunca tinha feito, que começa de um jeito e termina de outro”. A atriz fez pesquisas e teve encontros com uma psicanalista para entender melhor a doença, e, nas telas, consegue transpassar a ideia de mulher forte ao mesmo tempo em que é frágil e dependente. Mas, na vida real, acabou ficando dois dias de cama para se recuperar psicologicamente da experiência e acabou pegando uma infecção respiratória devido à iluminação usada, muito próxima dos atores.
 
Regiane ressaltou ainda que, como atriz, adora entender melhor o ser humano e suas atitudes. Já Bruno Gagliasso, que estreia no cinema com a produção (Mato Sem Cachorro foi gravado depois, mas lançado antes) diz: “Lauro vai de 8 a 80 no roteiro, é um personagem muito rico e irresistível para um ator”. 
Isolados: suspense promete abrir as portas do cinema brasileiro para o gênero

Bruno Gagliasso interpreta o metódico e problemático psiquiatra Lauro.
Foto: Luis Paulo Mendes

Com referências a filmes de Stanley Kubrick e Lars Von Trier, o longa tem atuações certeiras, iluminação envolvente, câmera condizente com o gênero e direção experiente. Apresentado pelo primeira vez na 42ª edição Festival de Gramado, Isolados foi escolhido como hors-concours (fora da mostra competitiva) para dar início à maratona de filmes. Foi o último e inédito trabalho de José Wilker no cinema. Isolados revela o potencial do cinema brasileiro ao se arriscar em um gênero ainda pouco explorado por aqui. O final, inesperado e reflexivo, explica a trama de mais de uma hora em poucos minutos. O que parecia até então ter sentido ganha um novo significado levando o público a repensar a história. Talvez essa seja o ingrediente de um bom suspense.

Confira o trailer:

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s