CLIQUE E RECEBA EM CASA A PARTIR DE R$ 14,90/MÊS

Inspiração: mulheres que vivem da arte

Visitamos o ateliê -e o guarda-roupa- de mulheres que pintam, esculpem, fazem instalações, descobrem talentos e vendem obras. Inspire-se com essas mulheres que vivem da arte.

Por Luara Calvi Anic Atualizado em 28 out 2016, 03h33 - Publicado em 22 abr 2014, 22h00

Sandra Cinto adora pintar aos domingos e nem lembra que é trabalho
Foto: Pablo Saborido

Sandra Cinto

A paulista está pintando o painel da foto acima para uma exposição na Galeria Casa Triângulo, em São Paulo. Aos 45 anos, ela vive, trabalha e faz pilates no bairro da Vila Madalena.

Qual a melhor coisa de trabalhar com arte?
É tão prazeroso que adoro pintar aos domingos, por exemplo. Nem percebo que é trabalho. É também um privilégio fazer o que a gente gosta e conseguir organizar a vida em um mesmo bairro. Meu carro até estragou por falta de uso.

Em qual horário você prefere pintar?
À noite, quando o celular não toca e parece que não tem tanta coisa acontecendo.

Seu ateliê é limpíssimo e organizado. Como?
Eu passo aqui o dia inteiro. Se eu ficar num lugar feio, depois vou olhar para trás e pensar: “Nossa, passei uma vida num lugar horrível”. É importante ter coisas bonitas por perto. São Paulo é uma cidade difícil. Tento criar um aconchego, um bem-estar.

Você acha suas pinturas tipicamente femininas?
Sim. Tem uma delicadeza, uma intuição que é da mulher. Tanto que prefiro ter assistentes mulheres. Venho inclusive trabalhando com a temática da água, que é muito feminina e sensual.

Inspiração: mulheres que vivem da arte

Ana Eliza Egreja chega a passar um mês no mesmo quadro
Foto: Pablo Saborido

Ana Elisa Egreja

Ela pinta paisagens surreais. Em dezembro passado, aos 30 anos, ela inaugurou uma exposição com 18 telas na Galeria Leme, em São Paulo, e vendeu todas as obras.

Como é a sua rotina?
Todos os dias eu venho para o ateliê, depois de buscar meu filho na escola, e fico pintando até as 7 da noite.

No que tem trabalhado?
Em um quadro para a SP-Arte que é uma reprodução de uma janela do prédio da Bienal, em São Paulo, com vista para o Rio de Janeiro. Busco criar ambientes imaginários, sem uma geografia específica.

Você vive apenas da sua pintura?
Sim. Isso me possibilita só estudar arte. A tinta a óleo demora muito para secar, fico obrigada a me relacionar com aquela pintura por muito tempo, coisa de um mês num mesmo quadro.

Esse tempo de secagem não deixa você aflita?
Sou muito ansiosa, mas com a pintura consigo ficar oito horas seguidas sem piscar, cuidando de um detalhe no canto de uma tela.

Como aprendeu a pintar?
Com erro e acerto, pintando. A pintura exige que você seja muito observadora. Tiro fotos de sombras, de imagens que me interessam reproduzir.

Inspiração: mulheres que vivem da arte

Laura Vinci mora a duas quadras do seu ateliê, onde trabalha há 11 anos
Foto: Pablo Saborido

Laura Vinci

A artista tem um trabalho especialmente focado em escultura e instalações, como a Pedra Papel, da série Papéis Avulsos (2010), que vemos ao lado. A paulistana de 52 anos ocupa uma sala só dela no museu de arte Inhotim, em Brumadinho (MG), e este mês (abril/2014) inaugura uma exposição no ArtCenter/South Florida, em Miami.

Continua após a publicidade

Como é a sua rotina de trabalho?
Moro a duas quadras do ateliê. Então, alguns trabalhos produzo em casa, no computador, e outros venho até aqui realizar. Como estou sempre buscando profissionais específicos para me auxiliar em certas esculturas, como marmoreiros e fundidores, rodo São Paulo para poder trabalhar com essas pessoas.

Quem frequenta seu ateliê?
Eu e meus assistentes. É um espaço muito particular, estou aqui há 11 anos. Não costumo trazer ninguém. Gosto de ficar sozinha.

Nos últimos anos, mudou a forma como você se veste?
Aos 52 anos, tem certas coisas que não caem mais tão bem. Procuro roupas mais estruturadas. Minha filha, Iara Wisnik, é estilista e costuma me apresentar o que acontece na moda.

Você tem quantos filhos?
Tenho três, que na verdade são do meu marido. Ele era viúvo quando nos casamos. Na época, a mais nova tinha 2 anos; a do meio, 3; e o mais velho, 11. Elas me chamam de mãe; ele, de Laura, mas diz “minha mãe não está” quando atende o telefone (risos).

Inspiração: mulheres que vivem da arte

Fernanda Feitosa é a idealizadora da feira SP-Arte
Foto: Pablo Saborido

Fernanda Feitosa

A carioca é idealizadora da maior e mais importante feira de arte do Brasil, a SP-Arte, que completa uma década este ano. Aos 47 anos, um de seus méritos é ter criado um evento em que são bem- vindos não só compradores como interessados em arte, que visitam a feira para espiar o que tem sido produzido.

Embora seja uma feira de compra e venda de arte, os visitantes que desejam apenas olhar parecem ser bem-vindos. Você pensou nisso quando idealizou a SP-Arte?
Sim. Escolhemos o prédio da Bienal, e não um centro de convenções, justamente por ser um lugar inspirador, um prédio que tem vida, luz natural. É a única feira do mundo que acontece em um local com uma certa transparência para a parte externa. A SP-Arte não é só para comprar, é uma grande plataforma de conhecimento. Ali é possível conhecer as 48 galerias de São Paulo e outras do Rio, Minas, Porto Alegre, e também internacionais.

A feira deve acontecer em outras partes do país?
Em julho a gente faz a SP-Arte Brasília. A cidade merece ser, mais do que uma capital política, um eixo cultural importante. Tem que ter feira de arte também!

Como faz a curadoria do próprio guarda-roupa?
Esta túnica eu comprei na Índia. Aos 28 anos, tudo fica bem. Hoje, busco roupas bem costuradas, não gosto de peças que me deixem parecendo estar de pijama.

Inspiração: mulheres que vivem da arte

O trio comanda a Galeria Emma Thomas, em São Paulo
Foto: Pablo Saborido

Flaviana Bernardo, Monica Martins e Juliana Freie

O trabalho delas é descobrir novos artistas. Flaviana, 34 anos, Monica, 42, e Juliana, 36, são sócias da Galeria Emma Thomas, em São Paulo.

Na galeria, vocês representam mais artistas homens ou mulheres?
Representamos 14 artistas e apenas dois são mulheres. Sempre falamos que precisamos ir atrás de mais mulheres [risos]. É curioso que a maioria das galerias em São Paulo e no Rio tenham diretoras no comando.

Quando decidiram abrir a Emma Thomas?
Em 2006. Na época, nossa ideia era criar um local para novos artistas apresentarem seus trabalhos. Éramos estilistas durante o dia e abríamos o espaço das 21 horas à meia-noite. E assim foi durante quatro anos, até virarmos uma galeria.

Dá para manter a amizade com sócias?
Sim. Temos até um grupo no celular em que falamos de trabalho, namorados, tudo…

A fonética da galeria é hematomas. É de propósito?
Sim, a Emma não existe (risos) .Queríamos um nome divertido, e galerias sempre têm nomes compostos. Por isso, separamos em duas palavras.

Continua após a publicidade

Publicidade