Igualdade de gênero torna mulheres mais competitivas, diz estudo

Pesquisa chinesa comparou diferentes grupos étnicos do país

Em igualdade de condições com os homens, as mulheres se tornam mais competitivas, diz uma nova pesquisa chinesa. O estudo comparou mulheres de vários grupos étnicos em região rural da China.

De acordo com Jane Zhang, da Universidade de Ciência e Tecnologia de Hong Kong, mulheres de grupos com igualdade de gênero ou de locais em que políticas públicas ajudaram na equiparação, têm mais competitividade. 

No grupo do povo Mosuo, por exemplo, a igualdade de gênero faz com que não exista diferença entre homens e mulheres. Com cerca de 50 000 pessoas, a sociedade é matrilinear.

Em um comparativo, o grupo Yi, em que as mulheres não têm idade mínima para se casar, controle de fertilidade ou outras reformas, faz com que elas sejam menos competitivas.

“Se as mulheres têm uma inclinação competitiva menor, o que se demonstrou estar correlacionado com a obtenção de mais educação e de salários mais altos, então as mulheres podem ter um desempenho inferior, mesmo quando têm as mesmas alternativas que os homens e quando essas escolhas são feitas livremente”, escreveu Zhang.

Newsletter Conteúdo exclusivo para você
Aceito receber ocasionalmente ofertas especiais e de outros produtos e serviços do Grupo Abril.
Política de Privacidade