Goleiro Bruno volta para a prisão

Medida foi tomada após reportagem de um canal local mostrar o detento em um bar, e na companhia de duas mulheres

Justiça suspende o direito de trabalho externo do ex-goleiro Bruno Fernandes, e determina que o mesmo deve voltar para o presídio, em Varginha (MG). A medida foi tomada nesta sexta-feira (19) após reportagem de uma emissora local mostrar o detento no bar de uma associação da cidade na companhia de duas mulheres e com uma lata de cerveja na mesa.

Relembre o caso

Bruno foi preso em 2010 e depois condenado pelo homicídio triplamente qualificado de Eliza Samúdio, e por sequestro e cárcere privado do filho Bruninho. Desde abril de 2017, o goleiro está preso em Varginha, onde trabalhava na Associação de Proteção e Assistência ao Condenado (Apac). Além de trabalhar na obra de construção da própria associação, Bruno podia executar serviço fora da instituição.

Contudo, após uma reportagem da TV Alterosa (filiada ao SBT) flagrar o goleiro Bruno no local na companhia de duas mulheres, essa rotina será alterada. A reportagem também exibiu um diálogo por meio de mensagens em um aplicativo de celular onde ele fala sobre a rotina no serviço e cita facilidades como acesso a celular e bebida alcoólica. O vídeo, no entanto, não mostra o goleiro ingerindo a cerveja.

A decisão foi publicada pela 1ª Vara Criminal e de Execuções Penais de Varginha e confirmada pela Secretaria de Adminsitração Prisional (Seap) de Minas Gerais. Procurada pelo G1 e pela EPTV Sul de Minas, a Apac ainda não se manifestou sobre o caso.

A defesa de Bruno nega que ele tenha agido irregularmente.