CLIQUE E RECEBA EM CASA A PARTIR R$ 14,90/MÊS

Com mãos ‘ensanguentadas’, Damares aparece em vídeo anti-aborto

Ministra da Família, Mulher e Direitos Humanos participou de campanha em 2013 para pressionar a então presidente Dilma Rousseff

Por Da Redação Atualizado em 18 fev 2020, 11h30 - Publicado em 28 jan 2019, 15h54

Damares Alves, ministra da Família, Mulher e Direitos Humanos, participou de um vídeo há cerca de seis anos em que aparece com as mãos sujas de tinta que representa sangue. As imagens são parte da campanha “Não quero sangue inocente em minhas mãos”, contrária ao aborto, e voltou a circular nas redes sociais nos últimos dias.

A ação foi criada em 2013 para pressionar a então presidente Dilma Rousseff a barrar o projeto de lei que determinava o atendimento à vítimas de violência sexual no SUS. Entre as medidas estavam a profilaxia da gravidez, que previa a distribuição de pílulas do dia seguinte, além de apoio psicológico. Para setores conservadores, a profilaxia permitiria ao médico fazer aborto em mulheres. 

Em agosto daquele ano, Dilma sancionou a chamada ‘lei da profilaxia da gravidez’ sem vetos ao texto.

O texto da campanha contrária, publicada no Facebook, dizia que “o Brasil está a um passo da legalização do aborto” e pedia que Dilma vetasse a PL. “Urge a sua manifestação de forma contundente para que o chefe desta nação vete todos os artigos desta infame artimanha que põe em risco o direito mais elementar do ser humano: a vida”.

“O país está diante de uma escolha: bênção ou maldição! Não se esqueçam, o sangue dessas crianças irá clamar a Deus desde a terra como clamou o sangue de Abel (Gn 4, 10). Não se omita, ajude-nos a defender a vida”, diz a página. 

Continua após a publicidade
Publicidade