Aluna é repreendida por ir à escola sem sutiã

A diretora pediu que ela "tapasse os seios" e obrigou a menina a colocar outra camiseta por baixo da sua, além de esparadrapos nos mamilos

Sem a obrigatoriedade do uniforme escolar, a americana Lizzy Martínez, de 17 anos, vestiu uma camiseta larga de manga comprida cinza e foi para a aula. No colégio Braden River, na Flórida, foi chamada à sala da diretora, que a acusou de estar distraindo os outros alunos porque seus mamilos marcavam a camiseta.

A diretora teria dito que “tapasse e escondesse seus seios”. Ela pediu para Lizzy vestir outra camiseta sob a cinza e, mesmo assim, enviou a garota à enfermaria, onde colocaram tiras de esparadrapo sobre os mamilos de Lizzy. A aluna, se sentindo humilhada, começou a chorar e resolveu ir embora para casa, como contou ao El País.

A mãe de Lizzy, inconformada, foi à escola reclamar, mas disse que não recebeu um pedido de desculpas. A garota resolveu que não vai usar sutiã até que a escola lhe peça desculpas pela humilhação sofrida. O departamento de educação do município admite que a situação poderia ter sido resolvida de outra jeito, porém não descarta o erro da jovem, que pode ter descumprido a regra de “limpeza e esmero” descrita no código de regimento escolar.

No Twitter, a menina expôs sua frustração e ainda mandou um recado ao colégio, pedindo que parasse de sexualizar seu corpo. E ainda promove um boicote ao sutiã na próxima segunda, pedindo a várias meninas que apoiem a causa. Lizzy lembrou ainda que esse não é o primeiro escorregão do colégio com vestimentas. No ano passado, eles impediram um menino de entrar no baile do colégio por estar usando sapatos que não faziam parte do código, porém os sapatos eram essenciais para uma deficiência que o menino possui.