Clique e assine Claudia a partir de R$ 8,90/mês

Ação contra assédio distribui cantadas de rua para homens

A peça de apresentação colocou como "propaganda", nos vídeos dos canais mais acessados pelo público masculino como o ESPM, GQ e Uol

Por Débora Stevaux (colaboradora) - Atualizado em 5 abr 2017, 19h27 - Publicado em 2 jun 2016, 13h22

Quantas vezes já ouvimos um fiu-fiu ou fomos chamadas de gostosas na rua e apertamos o passo com medo de que tentassem fazer algo conosco? E isso não acontece somente nas principais vias públicas do país: através de uma breve pesquisa no Twitter, descobrimos que a cada 10 segundos, uma mulher é xingada de “vagabunda” apenas nesta rede social. Enraizadas em valores culturais machistas, as cantadas e ofensas representam um desrespeito generalizado com toda e qualquer figura feminina.

Foi numa tentativa de conscientizar o público masculino, responsável por estas agressões verbais (que muitas vezes não ficam só no campo da palavra) que o Instituto Maria da Penha (IMP) uniu forças com a agência publicitária F.Biz na idealização da campanha Cale o Assédio.

A peça de apresentação colocou como “propaganda”, nos vídeos de alguns canais mais acessados pelo público masculino como o ESPM, GQ e Uol, um homem assediando aqueles que assistem com assobios e declarações como: “Ei, você, você mesmo, vem cá com o papai.” Ao contrário dos outros anúncios que aparecem no início de todo o conteúdo hospedado no Youtube, os espectadores não conseguem “Pular o anúncio” e não têm escolha a não ser assistir até o final, caso queiram continuar vendo.

Nos minutos finais, a forte mensagem que invade a tela alerta para que eles se coloquem no nosso lugar: “Esse vídeo não pula, não para, não avança e nem silencia. É como um assédio real que as mulheres sofrem todos os dias nas ruas. Sem poder escapar. Assédio não é elogio. É violência.”

Continua após a publicidade

Assista ao vídeo de apresentação da ação Cale o Assédio abaixo:

Publicidade