Assine CLAUDIA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Nath Finanças desvenda o “Girl Math”, tendência de finanças do TikTok

Explicamos o que é a trend e como ela pode se mostrar problemática quando aplicada na vida real

Por Adriana Marruffo
24 out 2023, 09h29

Lidar com nossas finanças pessoais nunca fica mais fácil, não é mesmo? Não importa o quanto a gente aprenda sobre investimentos e como controlar o fluxo do nosso dinheiro, parece que sempre tem uma voz que nos convence a realizar gastos supérfluos, e quando vemos a fatura do cartão, aqueles pequenos mimos se juntam em uma grande bola de neve, resultando em valores exorbitantes e inesperados. Depois de um dia difícil no trabalho, quem não merece um bolinho? Ou quem sabe um mimo de maquiagem? Esta é a lógica seguida pela mais nova tendência matemática do TikTok, o girl math – em tradução literal, matemática feminina. 

A prática consiste em uma maneira divertida e descontraída de justificar gastos com produtos ou serviços desnecessários, de lidar com reembolsos e até mesmo de realizar pagamentos. Assim, a trend é bastante associada à suposta forma como as mulheres cuidam de suas finanças, buscando meios de “driblar” a matemática convencional. 

@portiawoolley

I support girl math!! #girlmaths #girlmath #money #moneytok #savingmoney #fyp #trend #trending

♬ original sound – Portia Jane

“Na minha opinião não é ‘matemática feminina’, todo mundo faz isso. Todos utilizamos e, de alguma maneira divertida, tentamos justificar gastos e produtos desnecessários até mesmo como se fosse um reembolso ou investimento. Eu sei que é uma maneira divertida que estão utilizando no TikTok, só que a gente não pode entrar nos telhados para acreditar que é coisa de mulher gastar demais e comprar coisas fúteis, todo mundo gasta com alguma coisa fútil”, reflete Nathalia Rodrigues, influencer popularmente conhecida como “Nath Finanças”. Assim, uma tendência simples e cômica pode se tornar perigosa quando estamos falando do cuidado do nosso dinheiro. Entenda:

O que é “girl math”?

Vamos entender o que é esse tal de girl math? “Uma coisa que a gente precisa entender é que esse termo é o famoso ‘Eu mereço e eu trabalho para isso’. Só que a diferença é que a gente cria várias justificativas sobre esses assuntos”, explica a influenciadora e empreendedora.

Continua após a publicidade

Funciona assim: se você comprar uma peça de R$ 100 e usá-la, pelo menos, 10 vezes, o preço dela, na verdade, passará a ser R$ 10 (R$ 100 divididos pelas 10 vezes de uso), sendo mais barato e mostrando a suposta necessidade da compra.

@bruugoess

#girlmath

♬ som original – Brubs

Outro raciocínio popular do girl math é que, ao realizar compras com notas, isto é, com dinheiro físico, as compras são ‘praticamente de graça’, uma vez que gera a percepção de que o saldo da conta ou do cartão não foi alterado com a compra.

Além disso, há casos em que os adeptos acreditam que algumas compras se convertem em um ‘ganho de dinheiro’. Por exemplo, ao fazer uma compra de R$ 50 e depois devolver o produto, você, aparentemente, “ganha” R$ 50.

Continua após a publicidade
@carolsantina

girl math é real e eu posso provar🗣️ faz sentido oq eu falei??? #girlmath

♬ som original – CarolSantina

E, claro, quem nunca passou pelo sufoco de querer frete grátis, mas precisar gastar uma quantidade delimitada de dinheiro? No girl math, escolher mais produtos para alcançar o frete grátis é mais ‘conveniente’ do que pagar o frete, dando a sensação de ganhar mais por menos. 

A problemática por trás da trend

“Ao mesmo tempo que a gente não vive para pagar boleto, não podemos nos auto sabotar e achar ‘Só se vive uma vez, vou gastar tudo’. A gente precisa entender que a gente tem os nossos problemas para resolver a cada dia que passa, mas colocar a justificativa de ‘Ah, se eu não andei de Uber e eu fui andando, eu economizei, então esse dinheiro sobrou’ não funciona. Não sobrou, esse dinheiro vai ser usado para outras situações e você entender isso o quanto antes é muito importante”, comenta Nath a respeito da problemática por trás da tendência do TikTok. 

Além disso, embora o nome associe este método de finanças às mulheres e irracionalidade, um estudo da instituição americana Prudential mostrou que 70% das mulheres se consideram poupadoras ao invés de investidoras.

Continua após a publicidade

“Você dizer que mulher é ‘gastadeira’ ou que a gente gasta muito é uma falácia, porque a maioria das pessoas que chegam e gastam muito, ou até se endividam, são homens”, critica Rodrigues. 

A influenciadora destaca que, de certa forma, a tendência se mostra como uma forma de perpetuar os sistemas patriarcais e machistas que englobam as finanças femininas.

“Não é uma forma (o girl math) 100% negativa, tem muito a ver com você chegar e criar uma consciência financeira”, complementa. 

Mulheres e finanças

A hashtag #girlmath acumula, até o momento, mais de um bilhão de visualizações na plataforma, e o que não faltam são ideias criativas para justificar erros financeiros, mas será que essa é a realidade das mulheres?

Continua após a publicidade

“Uma das maiores dificuldades que percebemos nas mulheres é, primeiro, salarial: os homens ganham 40% a mais, como é que a mulher vai alcançar uma independência financeira se ela não consegue nem receber um bom salário? Precisamos normalizar essa conversa entre nós mulheres”, comenta a influenciadora.

Mas ela também destaca que a trend da girl math pode ser benéfica, nos permitindo abrir os olhos para não cair nessa armadilha e entrar nesses estereótipos que criaram para a gente. No movimento, é importante sempre pensar pelo lado racional, ao invés do emocional!

Para não cair na armadilha

É inegável que a gente sente uma sensação de euforia e emoção no momento em que fazem compras – um tipo de prazer instantâneo – e, muitas vezes, ela pode esta associada a sentimentos de tristeza ou carência.

Para evitar gastos desnecessários, a especialista afirma que é importante entender o motivo por trás da compra – isto é, racionalizar a necessidade por trás dos gastos e não nos iludir pelo que aparenta ser uma economia.

Continua após a publicidade

Então, não, não é porque você devolveu uma blusa que você ganhou dinheiro, assim como não usar a quantidade total do dinheiro delimitado para um dia, não significa que podemos gastar tudo no dia seguinte.

“A primeira coisa é você saber o que você vai fazer com seu dinheiro, um dos maiores problemas que eu vejo que as pessoas acabam cometendo é que elas não sabem que vão fazer com o dinheiro delas. Elas simplesmente chegam e falam: ‘Vou trabalhar para pagar boleto e vou gastar com coisas que estão acontecendo na minha vida’. Você tem que escrever isso e colocar como uma meta”, recomenda Nath Finanças. 

Ela também conta que é necessário estabelecer limites e tocar nas feridas financeiras do passado, desde dívidas até o medo recorrente que as mulheres brasileiras sofrem de utilizar seus salários.

View this post on Instagram

A post shared by Nath Finanças (@nathfinancas)

“Eu era essa pessoa que tinha muita culpa de gastar, e existe uma justificativa Eu simplesmente via pessoas que eram próximas a mim ou mulheres próximas a mim que nunca tiveram esse acesso e eu vinha me sentindo mal que elas não tinham esse acesso. Então, eu tinha medo de perder e voltar à estaca zero. Você tocar na tua ferida, principalmente emocional, de você não tem culpa das pessoas não poderem ter aquele acesso e você não tem culpa por você nunca ter tido acesso”, finaliza Rodrigues. 

Vamos criar uma verdadeira matemática feminina e mostrar o que é cuidar das próprias finanças com responsabilidade?

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

O mundo está mudando. O tempo todo.
Acompanhe por CLAUDIA e tenha acesso digital a todos os títulos Abril.

Acompanhe por CLAUDIA.

Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Moda, beleza, autoconhecimento, mais de 11 mil receitas testadas e aprovadas, previsões diárias, semanais e mensais de astrologia!

Receba mensalmente Claudia impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições
digitais e acervos nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 12,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.