Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Vanessa Gerbelli: “Adoro escutar o que meu filho pensa”

A atriz que interpreta Marina, em 'Sete Vidas', fala sobre as delícias da maternidade e os desafios da vida moderna

Por Pamela Marul Atualizado em 21 jan 2020, 23h37 - Publicado em 24 abr 2015, 16h49

Aos 41 anos, mãe de um menino de 7, Vanessa Gerbelli tem o frescor de uma garota. Dá para notar isso no corpo da atriz, mais em forma que nunca, em seu novo corte de cabelo, um chanel de bico moderníssimo, e até em seu jeito de falar. Essa jovialidade pode ser consequência do que Vanessa absorve de quem está a seu redor. A atriz adora trocar ideias com o filho, Tito. “Amo escutar o que ele pensa.” Vanessa também tem aprendido coisas novas com o namorado, o ator Gabriel Falcão, de 24 anos. “Comecei a praticar meditação de forma mais consciente com ele”, revela. Veja mais do bate papo com a atriz!

O problema é resistir às mudanças. Filho é nossa ponte com um novo tempo

Vanessa Gerbelli, 41 anos

Como é interpretar a Marina, que tem esse espírito tão livre?
É bacana, porque ela é livre, mas está apaixonada pelo Miguel (Domingos Montagner). É uma contradição bacana para a personagem. Preciso sempre refletir sobre o ponto de vista dela. E me identifico com o prazer que Marina tem de estar só, sou um pouco assim. Por outro lado, gosto de ter família, filho, cachorro…

Você acredita em relacionamento sem compromisso?
Até acredito, mas não sei se tenho essa capacidade. Sou apegada e gosto de viver um relacionamento plenamente.

E em relacionamento à distância?
Acredito que dá para viver, temos facilidade de nos comunicar hoje em dia. O mais importante é a sintonia e a vontade. Claro que se o período for longo, deve ficar mais difícil, mas nunca vivi essa experiência…

Qual é a maior dificuldade de uma mãe nos dias de hoje?
Meu filho tem a escola e os compromissos dele, já não é tão dependente de mim. A dificuldade é ter que dar conta de muita coisa ao mesmo tempo. A dona de casa tem que ser uma grande administradora, tem que ser organizada. Tenho dificuldade com isso, mas até que me viro bem. Administrar os compromissos da escola também dá trabalho, olhar agenda, providenciar o que precisa, pegar no pé para fazer dever de casa… Tudo isso enquanto tenho meus textos para estudar e meus horários para cumprir. É sempre meio atropelado, mas tem dado certo. E eu tenho a sorte de contar com a ajuda de pessoas de confiança em casa!

Continua após a publicidade

O que você e o Tito gostam de fazer juntos?
Ir ao cinema, jogar, ler. Gosto de ajudá-lo com o dever de casa, mas principalmente amo conversar com meu filho. Adoro escutar o que ele pensa.

É difícil se adaptar às novidades trazidas pelos filhos?
Acho que o jeito é ter interesse e disponibilidade. Passa a ser um problema quando resistimos às mudanças e queremos as coisas da forma como as conhecíamos antes. Um dos grandes baratos de ter um filho é estabelecer essa ponte com um novo tempo.

Você já disse que gostaria de ter mais filhos. Ainda tem esse desejo?
Tenho, mas sou consciente do trabalho e da responsabilidade necessários. Não me vejo sendo mãe de novo agora.

Seu namorado, Gabriel, é ator também. O que mais te incomoda num namoro público?
O que incomoda nem é o fato de o namoro ser público. Hoje em dia todo mundo, principalmente as figuras que despertam interesse da mídia, está se adaptando a essa era da superexposição. Todos têm celular com câmera e podem, facilmente, publicar momentos íntimos de outras pessoas. Isso é invasivo, opressor e tira nossa espontaneidade. A privacidade do indivíduo é preciosa, necessária. Na minha opinião, caberia a formulação de novas leis que protegessem a privacidade de um modo geral.

O que você curte fazer no seu tempo livre?
Ir ao cinema, ao teatro, ler, fazer ioga, meditar… Aliás, comecei a praticar meditação de uma forma mais consciente com o Gabriel. Vou ser grata a ele para o resto da vida, foi um presentão que eu ganhei.

Qual a primeira coisa que pensa quando acorda?
Boa pergunta! Geralmente, penso no meu filho. Onde ele está, se já acordou, essas coisas de mãe…

Qual seu principal objetivo de vida hoje?
É não parar de aprender e evoluir em tudo o que eu puder. Adquirir mais e mais consciência, porque o tempo é curto e o caminho bem longo!

Continua após a publicidade
Publicidade