Meghan sofre ataques racistas e palácio monta equipe de monitoramento

As ofensas são virtuais e começaram quando a atual duquesa anunciou o namoro com o príncipe Harry

A família real britânica reforçou sua operação nas redes sociais devido ao aumento de ataques racistas que Meghan Markle está recebendo desde que anunciou sua gravidez.

Funcionários do Palácio de Kensington estão monitorando as redes e excluindo contas e comentários abusivos contra a duquesa de Sussex. O palácio também está usando um software para filtrar o uso de determinadas palavras e expressões, além de emojis ofensivos e agressivos, como armas e facas.

O grupo de defesa ‘Hope Not Hate’ fez um levantamento com mais de 5 000 tuítes contendo hashtags ofensivas contra Meghan. A análise, feita entre janeiro e fevereiro, aponta que um grupo de cerca de vinte perfis eram responsáveis por cerca de 70% das publicações, entre elas imagens e memes.

De acordo com o grupo, as contas foram criadas com o propósito de produzir conteúdo negativo sobre a duquesa.

Meghan tornou-se alvo de comentários racistas logo após os rumores de seu relacionamento com o príncipe Harry. Os ataques aumentaram depois do casamento real, no ano passado, e agora, com a gravidez, as ofensas continuam crescendo.

Leia mais: Meghan Markle e Kate Middleton fazem primeira aparição juntas de 2019

+ Meghan Markle e Príncipe Harry prestigiam musical de Tina Turner

Siga CLAUDIA no Youtube