Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Ludmilla responde apresentador que a chamou de “macaca” na TV

Marcão Chumbo Grosso, da Record Brasília, se referiu à cantora como "pobre e macaca" em duas ocasiões.

Por Gabriela Kimura Atualizado em 20 jan 2020, 22h39 - Publicado em 18 jan 2017, 08h28

Parece que o mundo ainda não entendeu o que é a discriminação racial. A cantora Ludmilla foi, infelizmente, vítima novamente de comentários ofensivos, dessa vez proferidos por um apresentador de televisão.

Marcão Chumbo Grosso chamou Lud de “macaca” duas vezes, enquanto comentava sobre a celebridade no quadro “A Hora da Venenosa”, do programa Balanço Geral, da Record Brasília, na terça-feira (09). Não contente com tal absurdo, ainda repetiu o mesmo ontem (17).

E Ludmilla não vai deixar passar, não. Ela postou em seu Instagram dizendo que “Infelizmente, ainda existem pessoas que não compreendem que a discriminação racial é crime e alguns ainda usam o espaço na mídia para noticiar mentiras ao meu respeito, ofender, menosprezar e propagar todo o seu ódio.” A assessoria de imprensa afirmou ao UOL que vai tomar as medidas legais cabíveis.

View this post on Instagram

Infelizmente, ainda existem pessoas que não compreendem que a discriminação racial é crime e alguns, ainda usam o espaço na mídia para noticiar mentiras ao meu respeito, ofender, menosprezar e propagar todo o seu odio. Não deixaremos impune tais atos, trata se de um desrespeito absurdo, vergonhoso. Fica evidente que esse cidadão @marcaoapresentadortv não possui nenhum pudor ou constrangimento em ofender alguém em rede nacional. Como já foi dito por Paulo Autran, “todo preconceito é feito da ignorância”, visto que os racistas não possuem um conhecimento de moralidade, tratando sua própria cor de pele como superior e única. Isso tem que ser combatido e farei a minha parte, quantas vezes for necessário.

A post shared by Ludmilla (@ludmilla) on

O apresentador tentou se defender em nota, afirmando que não acredita ter sido racista. O termo “macaco” seria “muito comum” na região Centro-oeste sem teor pejorativo, como a expressão “macaco velho”.

Continua após a publicidade
Publicidade