Debora Secco sobre cena de striptease forçado: “É violência, sim”

A atriz desabafou sobre a agressão sexual sofrida por sua personagem na novela 'Segundo Sol'

Durante o episódio de quinta-feira (2) da novela Segundo Sol, transmitido na quinta-feira (02), a personagem de Deborah Secco, Karola, passou por momentos de angústia por culpa de seu amante, Remy, vivido por Vladimir Brichta. Na trama, os dois vivem se atacando verbalmente, no entanto, na cena em questão, o jeito com o qual Remy tratou a mulher passou dos limites, gerando diversos comentários negativos dos fãs.

No episódio, o amante foi extremamente agressivo com Karola, se dirigindo a ela com nomes pejorativos e a obrigando a fazer um striptease. Por ter sido muito questionada sobre a cena em si, e sobre o que sentiu fazendo a cena, Deborah usou sua conta no Instagram para se posicionar sobre o assunto. “É violência, sim. É absurdo, sim. É difícil de assistir, sim. Mas o que seria da arte se não fosse a provocação?”, disse.

Leia o texto completo:

“Hoje vi pessoas angustiadas com a cena de violência entre Remy e Karola. É violência, sim. É absurdo, sim. É difícil de assistir, sim. Mas o que seria da arte se não fosse a provocação? Se não nos fizesse chorar, rir, nos indignar… ? Pra quem não viu, a cena foi a vilã sendo sexualmente violentada pelo amante. Pode até ter existido quem se divertiu com a dor dela, ter achado que ela merecia, mas a maioria me perguntou se eu tinha enxergado a violência da cena.

Claro que enxerguei. Claro que sentimos isso na hora de gravar. Claro que pensamos em quem passa pela situação. Mas que bom! Que bom ver o papel provocador da arte se implementar em forma de indignação. Essa é a nossa função na sociedade.

Obrigada, Karola! Obrigada, Vlad (gênio!!!), @mmedicis , Dennis e toda equipe por tornar essa representação possível e cheia de respeito. Retratar a vida é expor as feridas, é colocar a arte a serviço da sociedade. É lutar para que essa indignação seja força para mudar! Sigamos!”

View this post on Instagram

Hoje vi pessoas angustiadas com a cena de violência entre Remy e Karola. É violência, sim. É absurdo, sim. É difícil de assistir, sim. Mas o que seria da arte se não fosse a provocação? Se não nos fizesse chorar, rir, nos indignar… ? Pra quem não viu, a cena foi a vilã sendo sexualmente violentada pelo amante. Pode até ter existido quem se divertiu com a dor dela, ter achado que ela merecia, mas a maioria me perguntou se eu tinha enxergado a violência da cena. Claro que enxerguei. Claro que sentimos isso na hora de gravar. Claro que pensamos em quem passa pela situação. Mas que bom! Que bom ver o papel provocador da arte se implementar em forma de indignação. Essa é a nossa função na sociedade. Obrigada, Karola! Obrigada, Vlad (gênio!!!), @mmedicis , Dennis e toda equipe por tornar essa representação possível e cheia de respeito. Retratar a vida é expor as feridas, é colocar a arte a serviço da sociedade. É lutar para que essa indignação seja força para mudar! Sigamos!

A post shared by Deborah Secco (@dedesecco) on

Veja mais: