Aos 41 anos, Oksana Chusovitina é a ginasta mais velha a disputar as Olimpíadas

Oksana estreou nos Jogos de Barcelona, em 1992, e não parou mais: está completando sua 7ª Olimpíada no Rio de Janeiro e disse que quer estar na próxima.

Quando Oksana Chusovitina estreou nos Jogos Olímpicos de Barcelona, em 1992, alguns atletas que hoje disputam medalhas no Rio de Janeiro ainda nem tinham nascido. Aos 41 anos, a ginasta uzbequistana está em sua 7ª Olimpíada e acaba de se tornar a mulher mais velha da história da Ginástica a competir nos Jogos. Nesta semana, ela ficou em 5º lugar na prova classificatória de salto, modalidade na qual já acumula 10 medalhas ganhas em campeonatos mundiais. A atleta canadense Shallon Olsen, que ficou em 6º lugar na mesma classificatória, tem 16 anos e, pela idade, poderia ser sua filha – Oksana já é mãe de um garoto que está prestes a fazer 17 anos. “Eu me sinto bem, sem dores nem problemas. No pódio todo mundo é igual, tendo você 40 ou 16 anos. Você tem que ir lá e fazer sua coreografia e seus saltos”, disse em entrevista à agência de notícias americana The Associated Press. “Mas é uma pena que você não ganhe alguns pontos por idade”, brincou.

Nos Jogos de Pequim, em 2008, a ginasta competiu pela Alemanha e ganhou medalha de prata no Salto. De acordo com o site NBC Olympics, ela vive e treina no país europeu desde 2002, quando o filho Alishe foi diagnosticado com leucemia. No período de recuperação, a atleta treinou e competiu não só por amor ao esporte, mas pelo dinheiro que pagaria os tratamentos do filho. Nos Jogos do Rio, Oksana voltou a disputar pelo Uzbequistão e, segundo o técnico, não pensa em parar. “Eu amo esse esporte e estou sempre ávida para treinar.”