Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Especialistas alertam que suplementos alimentares podem ser perigosos

Aparentemente inofensivos, fórmulas podem conter substâncias danosas à saúde dos consumidores

Por Redação M de Mulher Atualizado em 20 jan 2020, 18h17 - Publicado em 6 set 2010, 21h00

Médicos listam doenças que cápsulas podem causar
Foto: Getty Images

Os suplementos alimentares são vendidos abertamente na internet e em farmácia, mas eles também podem oferecer um risco oculto aos praticantes de esporte. Quem faz o alerta é o educador físico Jocelito Martins, oficial de controle antidoping da Agência Mundial Antidoping (Wada).

Segundo ele, ao consumir o suplemento, o atleta pode ingerir, sem saber, substâncias como sibutramina (utilizada para emagrecimento), furosemida (que tem efeito diurético) e hormônios anabolizantes.

O uso desses aditivos não é autorizado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), porém, eles estão presentes em pelo menos um terço dos suplementos importados e entre 25% e 50% dos nacionais.

“O excesso de hormônio como a testosterona, por exemplo, pode diminuir a capacidade de ereção, causar espinhas, provocar crescimento de pelos pelo corpo – fatos que podem trazer reflexos para o resto da vida”, diz o endocrinologista José Egídio Oliveira.

Helena Schimidt, endocrinologista da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia, chama a atenção para o uso do hormônio do crescimento, mais utilizado por pessoas de alto poder aquisitivo, por conta do alto preço.

“Esse hormônio aumenta a massa muscular e a força – exatamente o que as pessoas buscam quando fazem musculação. As pessoas que usam esse medicamento podem desenvolver a acromegalia, doença existente em pessoas que secretam o hormônio do crescimento excessivamente”, avisa.

Leia mais sobre esta polêmica no site da Veja.com.

Continua após a publicidade
Publicidade