Clique e assine com até 75% de desconto

Pitadas de graça

O imóvel quarentão estava quase pronto para receber os novos proprietários. Faltavam alguns ajustes aqui e ali, além, é claro, dos indispensáveis toques de personalização

Por Texto: Mônica Torres / Reportagem Visual: Carla Roberta Atualizado em 19 fev 2020, 14h14 - Publicado em 2 out 2015, 09h00

À procura do primeiro apartamento próprio, o casal paulistano viu surgir uma excelente oportunidade quando a plaquinha de “vende-se” foi colocada na entrada do prédio em que moravam pagando aluguel. O imóvel vago tinha os mesmos 72 m que o que eles ocupavam, mas com uma vantagem: uma recente reforma na medida para a família que estava prestes a crescer, com a chegada de uma nova integrante. 

Com as chaves na mão, eles convocaram a arquiteta Marilia Sacchi e a designer de interiores Sara Stopiglia, do escritório M+S, para projetar as renovações necessárias sem extrapolar o orçamento.

Uma sala no capricho com itens reaproveitados

❚ A decoração do estar não precisou partir do zero. O sofá que já estava no apê foi recuperado, enquanto a cadeira de palha e o rack vieram do endereço anterior do casal. O misto de luminária de piso e mesinha lateral foi achado em uma caçamba e teve cúpulas e fiação trocadas.  

❚ Convertido em espaço para leitura, o canto do cômodo recebeu o sofá-cama que a moradora fazia questão de manter e uma estante sob medida.

Temperinho no jantar

“Uma base toda neutra oferece a liberdade de poder trocar os objetos sem medo de errar”, aponta Sara, justificando o branco fosco nas paredes. 

Aquecendo o visual sem interferir na neutralidade, veio a madeira, presente, por exemplo, no parquet. Os ex-proprietários o haviam coberto com um laminado que, embora em boas condições, fazia muito barulho sob as patinhas do cachorro dos donos atuais. Como eles já conheciam o piso original e sabiam do seu potencial, optaram por restaurá-lo para deixá-lo à mostra. 

Com o pano de fundo definido, foi possível incluir algumas ousadias, como as cadeiras com acabamentos em vermelho e amarelo no trecho do jantar. “São cores fortes e exigem parcimônia. Usada assim, de modo pontual, a combinação levanta o astral”, ensina Sara.

Obra bem-vinda

Continua após a publicidade

Ilustração: Alice Campoy

Uma reforma feita pelos antigos proprietários revelou-se bastante oportuna: a passagem (1) entre o quarto de empregada e a área de serviço havia sido fechada; uma das paredes (2), derrubada; e uma nova divisória com o dormitório principal (3), construída. O donos atuais aproveitaram o pequeno cômodo resultante desse quebra-quebra para montar o quartinho de bebê.

A cozinha ganhou cara e roupas novas

❚ Em perfeito estado, os armários só precisaram de uma repaginação para perder a brancura. “Aplicamos novos laminados: preto como base, para fugir do convencional, e amarelo, escolhido pelos moradores, nas portas superiores. E, quando eles quiserem, podem colocar outras cores – basta trocar o acabamento”, explica Marilia. 

❚ O gracioso piso com detalhes pretos, já presente, foi mantido. Os azulejos que cobriam as paredes, por sua vez, foram todos retirados. Somente a superfície junto à bancada recebeu nova cerâmica. 

❚ A moradora gosta de ter a companhia da família e dos amigos durante o preparo das refeições, por isso as profissionais encomendaram uma mesa dobrável, posicionada na parede oposta à da pia. Com o mesmo acabamento preto dos armários, ela contrasta com as cadeiras de visual rústico e antiguinho garimpadas pelo casal.

Pequeno quebra-cabeça

❚ O cômodo criado após o quebra-quebra realizado pelos ex-proprietários exigiu muito estudo de layout antes de se tornar o quarto da filhota. Uma das saídas foi projetar um berço com baú e gavetas para ocupar a parede maior – no futuro, a peça pode ser convertida em caminha. Acima, um armário em L oferece espaço de armazenamento. 

❚ No vão entre a parede e a viga que restou da reforma foi encaixado um armário aéreo. A cômoda abaixo tem a mesma largura, conferindo simetria ao conjunto.

Aqui, tudo se encaixa – até as cores

❚ Em seu dormitório, o casal precisava de bastante lugar para acomodar os pertences. As profissionais sugeriram, então, tirar proveito da parede da janela, desenhando dois móveis que abraçam o vão. O módulo inferior conta com oito gavetões para roupa de cama e peças que podem ser dobradas, enquanto o lateral, com portas de correr, abriga casacos de inverno e outros itens menos acessados. 

❚ Repare que há uma peça, parecida com um rodateto, dando continuidade ao acabamento superior desse armário alto – trata-se de um cortineiro, que acondiciona uma persiana do tipo rolô com tela solar e blecaute. 

❚ A marcante combinação de amarelo e vermelho também dá as caras no ambiente. O mesmo laminado presente nas portas dos armários da cozinha reveste o rack. E tinta automotiva PU (poliuretano) com acabamento brilhante tinge de rubro um dos criados-mudos. 

❚ Com o rack aos pés da cama, foi preciso dispensar a cabeceira para garantir a circulação. A solução foi decorar a superfície aproveitando um quadro com praticamente a mesma largura do leito, que os moradores já tinham.

Continua após a publicidade
Publicidade