Clique e Assine CLAUDIA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

O tempo de Cida

Jacqueline Resch traça paralelos entre as obras de Conceição Evaristo e Olga Tokarczuk para refletir sobre a importância do tempo

Por Jacqueline Resch
Atualizado em 17 abr 2024, 10h54 - Publicado em 17 abr 2024, 10h51

Cida é criação de Conceição Evaristo. Ela vive no conto “O cooper de Cida”, no livro “Olhos D’água”, que ganhei da amiga Silvana em uma recente terça-feira, quando a convidei para um programa às cegas, certa de que não havia a menor chance de ela não gostar. Confiou em mim e nos deleitamos com Maria Fortuna entrevistando a inspiradora Conceição Evaristo, na segunda edição do “Conversas para Iluminar o Mundo”, que vem acontecendo no Manouche, no Jockey Club carioca. Que noite! Que conversa! Que beleza ouvir as histórias da senhora Conceição (quem assistiu, entenderá). Que maravilha ver como Maria preparou e conduziu as perguntas de um jeito tal que permitiu ao público tanta proximidade com a escritora!

Cida é a personagem do conto. Ela é “portadora da urgência da vida”, programada para sempre “corrercorrer” e é assim que toca a vida, no modo maratona. Sempre inicia o seu dia fazendo um cooper na praia de Copacabana. Até que, em “uma semi desperta manhã, Cida é inundada de um sentimento pachorrento de um desejo de querer parar, de não querer ir. Sem perceber, permite uma lentidão aos seus passos, e, pela primeira vez, vê o mar”.

Nesta emblemática manhã, “Cida lembra que é uma mulher e não uma máquina desenfreada e louca. E neste dia não somente vê o mar como o percebe também.”

Esse fluxo de consciência no qual “Cida lembra que é uma mulher e não uma máquina” – me transportou imediatamente para o livro “A Alma Perdida”, da escritora polonesa Olga Tokarczuk, prêmio Nobel de Literatura de 2019.

A Alma Perdida” conta a história de João, um homem que trabalhava muito, que quase não prestava atenção no tempo que passava diante de seus olhos e acabou perdido de sua alma. Buscou uma médica, uma sábia senhora que lhe dá a receita para reencontrar-se com sua alma. Cida, que surgiu para o público brasileiro em 2014, pelas mãos de Conceição, é para mim, irmã gêmea de João, ainda que este tenha chegado ao mundo pelas mãos de Olga, três anos depois de Cida.

Na manhã em que Cida se distrai e esquece das horas, ela se atrasa para o trabalho e decide, então, que não vai, “quer parar um pouco, não fazer nada de nada talvez”. E então, fala baixinho, como se fosse uma prece: “Vou me dar um tempo”.

Continua após a publicidade

Tempo este que também foi necessário ao João para voltar a viver feliz para sempre com sua alma.

Júlia Roberts também já declarou em uma entrevista que o maior luxo do mundo era ter tempo para si.

Em 1992 quando eu iniciei o MBA na COPPEAD/UFRJ, nós, alunos, fomos convidados a um exercício para pensar como utilizávamos nosso tempo. Imagino que o exercício buscava nos alertar para a necessidade de gerir bem o tempo, já que o curso nos exigiria muitas horas de estudo.

Lá se vão anos, mas lembro nitidamente da surpresa e alegria de constatar que a colega de classe, María Elisa e eu éramos as alunas com maior % de horas dedicadas a nós mesmas, entre outras categorias de uso do tempo. Nunca tinha pensado sobre isso e creio que foi um alerta importante para jamais perder esse luxo de vista.

Na virada de 1995 para 1996, escrevi um verso para amigos e clientes, dando as boas vindas ao ano novo:
Dizia assim:

Continua após a publicidade

Dê-se tempo
Dê-se ouvido
Dê-se voz
Dê-se vez
Dê-se um feliz 1996

Vinte e oito anos se passaram e permaneço fiel ao tempo para mim.

Conversas para iluminar o mundo” foi um destes tempos que me ofereci numa noite de terça–feira de histórias e estrelas que clareiam os caminhos de quem as presencia.

Conheça Jacqueline Resch

Jacqueline Resch é sócia-fundadora da Resch RH, membro do Conselho Deliberativo da ABRH-RJ , membro do Comitê Curador do RH Rio e professora do MBA em RH do IAG/ PUC Rio.

Com formação em psicologia pela PUC – Rio, é especialista em Psicologia Clínica pelo IPUB/UFRJ, MBA COPPEAD, Certificada nas Práticas de Colaboração e Diálogo pelo Taos Institute e pós graduada em Perspectiva e Prática Profissional Generativa, Diálogos Generativos pela Universidad de Manizales, Colombia. É também Consultora Organizacional, Coach, Designer de Conversas e Facilitadora de Diálogos.

Continua após a publicidade
Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Moda, beleza, autoconhecimento, mais de 11 mil receitas testadas e aprovadas, previsões diárias, semanais e mensais de astrologia!

Receba mensalmente Claudia impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições
digitais e acervos nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de 14,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.