Assine CLAUDIA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

‘Ninguém é de Ninguém’ aborda relações abusivas através de viés espiritual

Novo filme de Wagner de Assis com Carol Castro excede expectativas ao oferecer reflexões que ultrapassam a bolha do cinema religioso

Por Kalel Adolfo
19 abr 2023, 09h37

Após comandar filmes religiosos bem-sucedidos como Nosso Lar e Kardec, o diretor Wagner de Assis volta a explorar temáticas kardecistas e espiritualistas em Ninguém é de Ninguém, estrelado por Carol Castro, Danton Mello, Rocco Pitanga e Paloma Bernardi. Porém, ao invés de concentrar os esforços em abordar e divulgar conceitos espíritas — como costuma fazer —, o cineasta optou por evidenciar conflitos humanos, que independem de dogmas ou correntes espirituais.

O resultado é uma experiência que, por mais que soe propagandista em certos momentos, consegue encontrar fôlego para se conectar com os mais variados tipos de público, independente de suas crenças.

O enredo de Ninguém é de Ninguém

Para isso, ele adaptou o livro homônimo de Zibia Gasparetto, que aborda um relacionamento tóxico entre o casal Gabriela (Castro) e Roberto (Mello). Ambos têm filhos e vivem uma rotina aparentemente saudável, até o momento em que o marido perde o emprego e a esposa recebe uma promoção.

Enciumado pelas conquistas da parceira, ele une forças com Gioconda (Bernardi), esposa do chefe de Gabriela (Pitanga), para fazê-la ser demitida da empresa em que acabou de ser promovida. Todo esse plano “maquiavélico” é movido por três pilares: possessividade, obsessão e ciúmes, sentimentos que acabam sendo as engrenagens centrais do roteiro. Tudo gira em torno destes tópicos.

O resultado, apesar de soar um pouco desordenado, é predominantemente efetivo e relevante. Inúmeras situações clássicas de relacionamentos abusivos são retratadas em cenas carregadas de extrema crueza e honestidade, o que torna a mensagem da produção ainda mais potente. E, claro, a sensação de estar assistindo a algo autêntico é proporcionada pela excelente performance de Carol Castro que, sem sombra de dúvidas, carrega o longa nas costas.

Continua após a publicidade

Aqui, não estamos menosprezando o trabalho de seus outros colegas de elenco, como Danton Mello ou Rocco Pitanga. Todos entregam um ótimo trabalho. Porém, a quantidade de nuances entregues por Castro faz com que nós, espectadores, consigamos nos engajar e nos conectar com a trajetória de Gabriela sem grandes esforços.

Tom novelesco acaba suavizando o filme de forma positiva

Há momentos em que o tom da narrativa assume um caráter quase “novelesco”, com constantes reviravoltas e revelações dramáticas exageradas. Contudo, essa pegada “soap opera”, na maioria das vezes, traz uma leveza e dinamismo extremamente bem-vindos à experiência.

Aliás, o equilíbrio entre a leveza e a seriedade, e a alternância entre essas duas atmosferas, é o que salva “Ninguém é de Ninguém” de cair num emaranhado de diálogos expositivos que, ora servem como uma propaganda religiosa, ora tentam garantir que o público compreenda a mensagem principal à qualquer custo.

Que fique claro: o novo projeto de Wagner de Assis está longe de ser ótimo ou uma vivência indispensável. Todavia, ao desviar de sua abordagem predominantemente dogmática, o diretor cria uma trama universal o suficiente para furar a bolha de um subgênero que, frequentemente, tende a ser pouco inventivo.

Continua após a publicidade

Ninguém é de Ninguém” chega nesta quinta-feira aos cinemas nacionais.

Confira o trailer de Ninguém é de Ninguém

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

O mundo está mudando. O tempo todo.
Acompanhe por CLAUDIA e tenha acesso digital a todos os títulos Abril.

Acompanhe por CLAUDIA.

Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Moda, beleza, autoconhecimento, mais de 11 mil receitas testadas e aprovadas, previsões diárias, semanais e mensais de astrologia!

Receba mensalmente Claudia impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições
digitais e acervos nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 12,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.