Clique e assine Claudia a partir de R$ 5,90/mês

10 coisas que (quase) ninguém sabe que foram inventadas por mulheres

E ainda há quem diga que somos o sexo frágil…

Por Priscila Doneda - Atualizado em 21 jan 2020, 19h21 - Publicado em 31 ago 2015, 09h44

Se o tema é invenção, você logo pensa em nomes como Thomas Edison (criador da  lâmpada elétrica), Alexander Graham Bell (inventor do telefone) ou Alberto Santos Dumont (pai da aviação)? Pois bem, saiba que muitas mulheres foram responsáveis por criações que, definitivamente, fizeram história. Dez entre dez itens da lista abaixo, por exemplo, ainda são amplamente utilizados nos dias de hoje e são frutos do trabalho feminino. Confira!

Cerveja

Nyul/Thinkstock/Getty Images
Nyul/Thinkstock/Getty Images

De acordo com relatos da historiadora Jane Peyton, há cerca de sete mil anos, na Mesopotâmia e na Suméria, as mulheres eram as únicas que podiam fabricar, vender e beber cerveja. Tudo isso porque somente elas sabiam os segredos da fermentação e o líquido era considerado presente de uma deusa. Curtimos!

Hidrômetro

Deyangeorgiev/Thinkstock/Getty Images
Deyangeorgiev/Thinkstock/Getty Images

Por volta do ano 400, a matemática, filósofa e astrônoma Hipátia de Alexandria inventou o instrumento, que serve para medir volume de água. Já pensou como o nosso consumo seria medido sem ele?

Bote salva-vidas

Elena Elisseeva/Thinkstock/Getty Images
Elena Elisseeva/Thinkstock/Getty Images

Maria Beasley aproveitou o recém-adquirido direito de mulheres registrarem patentes e, em 1882, tornou-se a inventora oficial do bote salva-vidas. Além disso, ela também criou uma máquina de fazer barris, que a fez enriquecer.

Escadas de incêndio

Delpixart/Thinkstock/Getty Images
Delpixart/Thinkstock/Getty Images

Em 1897, Anna Connelly patenteou sua invenção que, anos mais tarde, se tornaria um dos símbolos da arquitetura nova-iorquina. Tudo isso porque, em 1900, o item se tornou obrigatório na construção civil dos Estados Unidos, por conta dos elevados índices de incêndio.

Continua após a publicidade

Limpadores de para-brisa

PaulGrecaud/Thinkstock/Getty Images
PaulGrecaud/Thinkstock/Getty Images

Apesar de ter sido criado alguns anos antes, foi em 1903 que Mary Anderson patenteou a sua invenção. Em uma viagem do Alabama à cidade de Nova York, ela percebeu que os motoristas precisavam parar com muita frequência para tirar a neve do vidro do carro. A fim de resolver de vez esse problema, Mary desenvolveu algo que se tornaria indispensável na indústria automobilística. De dentro da cabine, o motorista puxava um cabo que tinha um rodo preso na ponta. No entanto, as pessoas ainda acreditavam que era mais seguro dirigir sob chuva e neve em vez de usar o utensílio, até então manual. Foi só em 1917 que Charlotte Bridgwood (outra mulher!) criou a versão automática do objeto.

Banco Imobiliário

Divulgação
Divulgação

Se esse famoso jogo de tabuleiro fez parte da sua infância, saiba que você deve agradecer a uma mulher! Originalmente conhecido como Monopoly, ele foi criado por Elizabeth Magie, em 1906, e tinha a finalidade de ilustrar uma teoria econômica que mostrasse o quão desigual era a distribuição de terras entre diferentes classes (bem atual, não?). Na época, a inventora o batizou como The Landlord’s Game e o vendeu para a Parker Brothers por apenas 500 dólares (e sem direito a royalties!). 

Vidro transparente

Divulgação
Divulgação

Em 1935, Katharine Blodgett, a primeira mulher a se doutorar em Física na Universidade de Cambridge e a ser cientista da General Electric, criou um dos itens mais usados no mundo. Ela foi a responsável por descobrir que o vidro não tem reflexão e que poderia ser usado em óculos, câmeras e microscópios.

Conexão wireless

Hulton Archive/Getty Images
Hulton Archive/Getty Images

Acredite ou não, mas esse item, tão presente no nosso dia a dia, foi inventado em 1942 e só existe graças a uma artista de Hollywood! A austríaca Hedy Lamarr, que estrelou longas como Sansão e Dalila (1949), desenvolveu um sistema secreto de comunicação para controlar mensagens via rádio que eram enviadas durante a Segunda Guerra Mundial. Os conhecimentos básicos sobre radiocomunicação foram aprendidos com o ex-marido, Fritz Mandl, um rico fabricante de armas. Anos mais tarde, essa tecnologia se tornou base para a telefonia celular, para o controle de satélites de orientação para meios de transporte civis (o GPS!), o wi-fi e o bluetooth. Além disso, a atriz também foi responsável por criar uma coleira de cachorro fluorescente e um aparelho de banho para deficientes.

Programação

Divulgação
Divulgação

Era 1944 quando Grace Hopper e Howard Aiken criaram o primeiro computador eletromecânico, o Mark I, que ocupava uma sala inteira e foi desenvolvido na Universidade de Harvard. Na ocasião, a PhD em matemática pela Universidade de Yale e almirante da Marinha dos EUA percebeu a necessidade de traduzir informações que estavam em inglês para códigos que pudessem ser interpretados pela máquina. Mais tarde, o seu segundo compilador foi usado na programação dos primeiros computadores vendidos comercialmente, os Univac I e II.

Fibra Kevlar

Dmitriy Tereschenko/Thinkstock/Getty Images
Dmitriy Tereschenko/Thinkstock/Getty Images

A resistente fibra sintética foi criada acidentalmente por Stephanie Kwolek, uma funcionária da DuPont (segunda maior empresa química do mundo hoje), em 1966. Originalmente, ela tentava melhorar a fibra que compunha pneus de carro e buscava algo que fosse mais leve que os utilizados até então. No entanto, ela acabou inventando o Kevlar, que é cinco vezes mais resistente que o aço. Atualmente, o material tem cerca de 200 usos, incluindo a fabricação de coletes à prova de balas, pastilhas de freio de carros, capacetes… E não para por aí. Durante quatro décadas de trabalho na empresa, Kwolek ainda registrou 28 patentes e se consagrou como uma das homenageadas do Inventor’s Hall of Fame.

Continua após a publicidade
Publicidade