Assine CLAUDIA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Dani Moraes

Dani Moraes é escritora, jornalista e especialista em escrita terapêutica
Continua após publicidade

As memórias de uma mulher

Atravessei, com deleite, as páginas de Blue Nights e, finalmente, conheci melhor Joan Didion

Por Dani Moraes
1 abr 2023, 08h09

Às vezes ler, assim como escrever, é como matar a sede. Queremos, não, precisamos engolir tudo, preferencialmente gelado, de uma só vez. Uma urgência que beira o sofrimento. Às vezes ler, tal qual escrever, é como degustar um prato saboroso, esperar derreter o chocolate na boca, passar a língua nos lábios para sentir mais um pouquinho do gosto. Foi assim, com deleite, que atravessei as páginas de Blue Nights e, finalmente, conheci melhor Joan Didion

Quantas e quantas vezes e pessoas e posts já tinham me falado dela — a autora — e sobre ele — o livro. Era quase tão certo que eu iria adorar que mal tinha vontade de que esse momento chegasse, como quem guarda num potinho uma certeza, como quem espera a festa. Comecei sem pressa, mas logo estava na metade do livro, absolutamente tomada pela crônica triste e inteligente, e irônica e leve e triste. Uma mistura improvável e tão harmoniosa que quase não percebia incômodos de tradução ou estranheza narrativa. As palavras, escritas originalmente em inglês por uma mulher bem-sucedida, americana e famosa, tinham tudo para ser distantes. Mas não são.

As palavras chegaram delicadas, sem deixar de cortar os pulsos da dor, do medo maior, da tragédia. É triste. Puta merda, como é triste. Mas é lindo. Lindo pra caralho. E valho-me dessas vulgaridades porque elas expressam com mais precisão o que senti. Não criaremos jamais um sinônimo possível para “lindo pra caralho”. Nada chega a isso. 

As memórias de uma mulher. As lembranças de uma mãe. Tudo o que morre, tudo que sobrevive. Tudo que é dor e amor ao mesmo tempo e que faz a vida ter e também perder o sentido. O vazio, a completude. Esses opostos que teimam em dialogar com cada pequena parte das nossas contradições. O desejo de escrever assim: como quem flutua com asas de chumbo. Onde as letras parecem de algodão, mas as frases têm a densidade do adeus. 

Apreciar o livro de Joan Didion como quem toma um vinho na melhor temperatura, harmonizado, mas sem frescura. Saborear as notas da importância dos azuis, do esvaecer, do que se dissipa, sem jamais deixar de existir nem de faltar. Um filho. Jamais se acaba de perder, ainda que permaneça inteiro no solo impossível da eternidade. 

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Moda, beleza, autoconhecimento, mais de 11 mil receitas testadas e aprovadas, previsões diárias, semanais e mensais de astrologia!

Receba mensalmente Claudia impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições
digitais e acervos nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 12,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.