Assine CLAUDIA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Stéphanie Habrich

Stéphanie Habrich é CEO da editora Magia de Ler, apaixonada pelo mundo da educação e do jornalismo infantojuvenil. Fundadora do Joca, o maior jornal para adolescentes e crianças do Brasil e do TINO Econômico, o único periódico sobre economia e finanças voltado ao público jovem, ela aborda na coluna temas conectados ao empreendedorismo, reflexões sobre inteligência emocional, e assuntos que interligam o contato com as notícias desde a infância e a educação, sempre pensando em como podemos ajudar nossos filhos a serem cidadãos com pensamento crítico.
Continua após publicidade

O que temos a aprender e ensinar sobre educação midiática aos nórdicos

Enquanto nesses países os jovens confiam no governo, na polícia e na saúde, no Brasil, nenhuma das instituições ultrapassou os 40% de confiabilidade

Por Stéphanie Habrich
21 nov 2023, 08h00

Não conheço forma mais inspiradora de aprender e evoluir do que trocar conhecimento. Saber o que os outros pensam, entender a visão que eles têm sobre um determinado tema (e até sobre mim) ou sobre meu negócio, me traz ideias, me apresenta novos caminhos e diferentes horizontes. 

Tive a oportunidade de experienciar tudo isso no início de novembro durante um encontro realizado pelas embaixadas da Dinamarca, Finlândia, Noruega e Suécia, em Brasília, que apresentou algumas iniciativas jornalísticas bem-sucedidas para crianças que são realizadas nos países nórdicos. Fui convidada para falar sobre como tem sido a trajetória do Joca, jornal exclusivo para crianças que criei em 2011. 

O Joca, criado por Stéphanie Habrich, é o primeiro jornal para crianças e jovens do Brasil
O Joca, criado por Stéphanie Habrich, é o primeiro jornal para crianças e jovens do Brasil (Stéphanie Habrich/Arquivo pessoal)

A realização do evento é resultado da preocupação dos países nórdicos com a proliferação das fake news e a falta de educação midiática por aqui. Eles nos apresentaram uma pesquisa sobre como os jovens brasileiros consomem notícia e se engajam politicamente. E também um panorama de como as empresas de mídia do país focam esse grupo. 

Continua após a publicidade

A pesquisa, feita com 1.740 pessoas de 15 a 29 anos, de diferentes gêneros e classes sociais, apontou uma total descrença dos jovens nas instituições do país. Enquanto nos países nórdicos os mais novos confiam plenamente no governo, na polícia e no sistema de saúde, no Brasil, nenhuma das instituições ultrapassou os 40% no nível de confiabilidade. A mais bem avaliada foi a igreja, considerada muito confiável por 36% dos jovens. As forças armadas atingiram um índice de 32% e o sistema de educação, de 28%.

“O número de brasileiros que acessam as notícias diretamente pelos canais dos veículos de comunicação é inferior à média global de 23%”

Durante o encontro, também tivemos a oportunidade de visitar e falar com os alunos do Centro Educacional do Lago, uma escola pública do Distrito Federal que oferece formação bilíngue em tempo integral para o Ensino Médio.

Continua após a publicidade

O que mais ouvimos dos estudantes é que quando se trata de discutir notícias e o que está acontecendo no país, a maior fonte de informação são os pais, mas também tem aqueles que se informam pelas redes sociais e poucos sites de notícias grandes.

Encontro detalhado por Stéphanie Habrich foi realizado pelas embaixadas da Dinamarca, Finlândia, Noruega e Suécia, em Brasília
Encontro detalhado por Stéphanie Habrich foi realizado pelas embaixadas da Dinamarca, Finlândia, Noruega e Suécia, em Brasília (Stéphanie Habrich/Arquivo pessoal)

“O que mais ouvimos dos estudantes é que quando se trata de discutir notícias e o que está acontecendo no país, a maior fonte de informação são os pais.”

Stéphanie Habrich
Continua após a publicidade

A pesquisa comprova esse dado. “Quase metade dos entrevistados no Brasil (46%) afirmou acessar notícias por meio de redes sociais ou e-mail. Apenas quinze dos 46 países estudados tiveram uma taxa mais elevada. Por outro lado, o número de brasileiros que acessam as notícias diretamente pelos canais dos veículos de comunicação é inferior à média global de 23%.”

Ao conhecer as iniciativas jornalísticas para crianças desses países e apresentar a eles o Joca, fiquei feliz em ver que o que fazemos aqui não fica aquém do que é feito lá, descontando-se, claro, as diferentes realidades dos países. Enquanto aqui no Brasil, a internet ainda é limitada e há mais crianças que levam mais tempo para se alfabetizar, lá não é preciso driblar esse tipo de dificuldade. Além disso, alguns jornais são públicos e oferecidos de forma gratuita aos leitores mirins. 

Outra diferença entre as realidades é a confiança nos meios jornalísticos. As populações da Dinamarca, Finlândia, Noruega e da Suécia entendem que as notícias dadas pelos veículos de comunicação são verdadeiras. Já aqui no Brasil a população é mais descrente disso.

Continua após a publicidade

Perguntei a eles sobre a questão da polarização política. Diferentemente de nós, eles não têm esse problema. As pessoas que pensam diferente e até os partidos políticos são convidados ao debate – e não só nos períodos eleitorais. Há uma cultura que estimula um a escutar o outro. 

Mas isso não tem nos impedido de realizar ações ainda inéditas para eles, como as bibliotecas para refugiados e o projeto Futuro em Pauta, que convidou os jovens de escolas de todo o Brasil a sugerirem soluções para a educação e a economia do país. Uma coletânea das melhores foi transformada em livro, que será entregue por alunos aos ministros da educação, Camilo Santana, e da Fazenda, Fernando Haddad.  

Stéphanie Habrich é fundadora do Joca, l Joca, primeiro jornal para crianças e jovens do Brasil
Stéphanie Habrich é fundadora do Joca, l Joca, primeiro jornal para crianças e jovens do Brasil (Stéphanie Habrich/Arquivo pessoal)

Fiquei surpreendida com o interesse deles pela forma como nós interagimos com as escolas e no apoio à educação midiática que oferecemos com nosso time pedagógico. Também fiquei muito inspirada com diversas iniciativas que eles trouxeram, especialmente em serviços multimídia, como o caso de uso de vídeos do jornal Ultra Nyt, da Dinamarca. 

Encontro detalhado por Stéphanie Habrich foi realizado pelas embaixadas da Dinamarca, Finlândia, Noruega e Suécia, em Brasília
Encontro detalhado por Stéphanie Habrich foi realizado pelas embaixadas da Dinamarca, Finlândia, Noruega e Suécia, em Brasília (Stéphanie Habrich/Arquivo pessoal)

Eles fazem pílulas audiovisuais de 3 minutos, 4 vezes ao dia, sempre nos mesmos horários. A criança assiste ao primeiro antes de ir para a escola, ao segundo quando retorna e ao terceiro no final da tarde. À noite, para fechar o dia, é enviado um vídeo mais longo, de 10 a 15 minutos, com todo o conteúdo do dia. A ideia me encantou não só pelo produto em si, mas pela forma como é produzido e distribuído para os leitores.

Continua após a publicidade

Todo o grupo do evento foi recebido por Paulo Pimenta, ministro-chefe da Secretaria de Comunicação Social (Secom) e teve a oportunidade de conhecer a estrutura da Empresa Brasil de Comunicação (EBC). 

O saldo desse intercâmbio foi superpositivo, não só por conhecer outras experiências, mas por ver que também temos a ensinar com o que fazemos aqui no Brasil. 

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Moda, beleza, autoconhecimento, mais de 11 mil receitas testadas e aprovadas, previsões diárias, semanais e mensais de astrologia!

Receba mensalmente Claudia impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições
digitais e acervos nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 12,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.