Assine CLAUDIA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Sofia Menegon

Sofia Menegon é feminista, idealizadora da podcast Louva a Deusa e consultora em relacionamento e sexualidade
Continua após publicidade

Transei com meu chefe e me senti culpada

Sei que quando a gente, mulheres e pessoas socializadas como mulheres, conversa sobre as nossas culpas, fica um pouquinho mais leve

Por Sofia Menegon
30 Maio 2023, 10h52

Recebi, essa semana, uma mensagem de uma seguidora nas redes sociais. Ela pedia ajuda para lidar com a culpa por ter transado com o chefe, que além de chefe, era um cara machista e por quem ela sentia repulsa. 

Culpa. Eu mesma não consigo me lembrar de um só dia em que não tenha sentido culpa. Culpa porque dei uma resposta menos elegante do que gostaria, culpa porque não tenho visitado meus avós, culpa porque esqueci de responder a mensagem de uma amiga, culpa porque atrasei um trabalho, porque tenho trabalhado demais, porque tirei férias, porque fiquei doente, porque não fiz o exame que a médica pediu, porque perdi a terapia. Sinto culpa porque não tenho tempo, mas quando tenho, me sinto culpada também. 

Quando o assunto é sexo, então, poderia literalmente escrever listas quilométricas das culpas que já senti. Culpa porque não queria transar. Culpa porque queria transar. Culpa porque transei. Culpa porque não transei. Já senti culpa porque transei sem estar com vontade, porque não performei, porque performei, porque fingi orgasmo, porque não tive orgasmo. Me senti culpada por ter feito sexo com um completo desconhecido, mesmo tendo aproveitado. Culpa também por ter deixado de transar com meu parceiro de anos, porque no dia seguinte tinha de acordar cedo. E senti culpa por não gostar de sexo anal. E também por gostar demais de outras práticas. Tive culpa quando gritei de gozo, de dor, de amor, de agonia

Culpa. Um sentimento que tem gênero e que, mesmo quando se rompe com a binariedade, permanece incrustado. É como o verniz que gruda na pele e não sai mais. A gente esfrega, coloca no óleo, faz esfoliação, mas ele permanece ali. A mão fica vermelha, por vezes ferida, mas o verniz segue impregnado. A culpa é assim. A gente sente, vê, se machuca, trata, mas sempre sobra alguma coisa. E mesmo quando se entende as origens machistas e, também, misóginas das culpas que carregamos, estamos tão imersas e acostumadas com essa dinâmica, que sentimos culpa pela culpa que sentimos.

Continua após a publicidade

É mesmo um looping sem fim, daqueles que a gente precisa jogar uma água na cara para ver de cessa. Ou, então, fazer a Rihanna e seguir como se ela não estivesse ali. Mas está e, uma hora ou outra, vai clamar por atenção.

Eu não sei como lidar com a culpa que minha seguidora está sentindo. Mas sei que quando a gente, mulheres e pessoas socializadas como mulheres, conversa sobre as nossas culpas, fica um pouquinho mais leve. Não é mágica, não é sagrado feminino, não é papo de coach. É que quando a gente fala sobre, entende que não está sozinha e isso já é muita coisa.

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Moda, beleza, autoconhecimento, mais de 11 mil receitas testadas e aprovadas, previsões diárias, semanais e mensais de astrologia!

Receba mensalmente Claudia impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições
digitais e acervos nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 12,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.