CLIQUE E RECEBA EM CASA A PARTIR DE R$ 12,90/MÊS
História de leitora Leitoras de CLAUDIA contam suas lembranças emocionantes com a revista

Da paixão por livros ao desejo de mudar a vida de outras mulheres

Eu, que não tinha condições financeiras de comprar um livro, hoje potencializo e faço sonhos acontecerem

Por Andréia Roma Atualizado em 2 Maio 2022, 14h15 - Publicado em 3 Maio 2022, 08h05

Quem me conhece hoje, como CEO da Leader de São Paulo e Idealizadora da Série Mulheres, não imagina a minha história. Sou mãe de dois filhos (Larissa e Miquéias), cresci em uma família humilde. Meu pai (Joel), me ensinou valores que guardo até hoje e que, de alguma forma, contribuíram muito para que eu chegasse aonde cheguei. Foi o meu pai que me ensinou que todo sacrifício é válido quando se tem um objetivo. Meu herói que saía todas as manhãs de bicicleta pela Marginal de São Paulo, economizando a passagem de ônibus que serviria para incrementar o café da manhã de sua família, voltava sempre para casa com um saquinho de balas – num ato de amor que nunca fui capaz de esquecer. Aproveitava o momento para compartilhar comigo e com minhas irmãs os aprendizados do dia, tornando inesquecíveis aqueles instantes.

Quando completei 12 anos, já era apaixonada pelos livros, mas não tinha condições financeiras de comprá-los. Ganhava publicações usadas de conhecidos e as devorava em poucos dias. Pode-se dizer que minha carreira começou aos 14 anos, quando tive minha primeira experiência profissional. Precisava trabalhar, fazer cursos e me capacitar e aceitei a primeira oferta no mercado de trabalho como vendedora de pastel. Meu patrão, todos os dias pela manhã, fritava um pastel antes do expediente e me convidava para provar e dizer se estava bom. Com isso, aprendi mais uma grande lição: se quiser vender ou exercer qualquer atividade é preciso mergulhar no que faz e experimentar do que está vendendo, conhecendo a fundo os pontos fortes e fracos do produto.

Aos 18 anos, encontrei um desafio que mudaria a minha vida: ser mãe solteira. Foi aí que entendi que precisava dar o próximo passo em direção ao meu sonho. Um ano depois, comecei a fazer treinamento nas empresas e compreendi quem de fato eu era quem gostaria de ser. Aos 24 anos, casei com o amor da minha vida, Alessandro Roma. Depois de um ano, tive meu segundo filho. Aliás, costumo dizer que eles são verdadeiras pérolas da minha existência, que me dão força e energia para a superação.

Nesta mesma fase, comecei a vender livros.  Aos 33 anos, fui convidada para ser sócia de uma editora que ajudei a construir do zero. Aceitei o desafio. Depois de quase dois anos, tomei uma rasteira, mas, como sempre digo, tudo faz parte do aprendizado e estas intempéries me ajudaram a chegar mais perto dos meus ideais.

O tempo passou e, um dia, conversando com meu marido, ele me perguntou: “você vai desistir dos seus sonhos?”. Depois de algumas semanas, ele pediu demissão do emprego e o valor da rescisão foi investido no meu grande sonho. Assim nasceu a Editora Leader, um projeto que conquistou o mercado e que apresenta vários selos editoriais. Qual a linha editorial? Trabalhamos prioritariamente, com uma linha comportamental. Não olhamos somente o conteúdo, mas o propósito do autor. Acredito que um livro muda tudo e estar à frente desta empresa é superar e vencer meus próprios medos todos os dias. 

Em 2008, criei o projeto “Selo Mulheres”, que nasceu do sonho de inspirar outras mulheres com histórias de superação no mundo dos negócios e na vida. Com abrangência nacional, o selo chegou ao mercado apresentando relatos de empreendedoras do mundo corporativo. O trabalho é pioneiro. Todos os títulos lançados por meio desta série são de propriedade intelectual da Leader, ou seja, não há, no Brasil, nenhuma outra obra com título igual aos que foram lançados nesta série. A nossa ideia é convidar mulheres de diversos segmentos a assumirem o protagonismo de suas histórias. 

Eu, que não tinha condições financeiras de comprar um livro, hoje potencializo e faço sonhos acontecerem. O segredo? Não desistir e plantar boas atitudes, porque a colheita, é certeira e abundante.

Continua após a publicidade

Publicidade