BLACK FRIDAY: ASSINE a partir de R$ 1 por semana

Ana Claudia Paixão Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

A jornalista Ana Claudia Paixão (@anaclaudia.paixao21) fala de filmes, séries e histórias de Hollywood
Continua após publicidade

Um papo com Brie Code sobre futuros possíveis no mundo da IA e games

Premiada roteirista e empreendedora conversou com CLAUDIA sobre projetos em andamento e como a positividade é necessária hoje, mais do que nunca

Por Ana Claudia Paixão
Atualizado em 10 Maio 2023, 13h52 - Publicado em 5 Maio 2023, 10h49

Conversar com Brie Code foi um dos privilégios e pontos altos do ano. Sou fã. A CEO da TRU LUV é uma das mulheres pioneiras no universo de games, sendo frequentemente citada como a mulher que liderou a equipe que criou nada menos do que o jogo Assassin’s Creed II. Só para deixar claro, com frequência era a única mulher em toda equipe.

Sempre à frente do tempo, entendeu que não poderia ser sempre a única e à frente de uma equipe que pelo menos incluía 25% de mulheres, criou Child of Light, um jogo que transitava no mundo das fadas e tinha uma protagonista feminina. Os prêmios confirmaram que estava no caminho certo: o de trazer inclusão e diversidade para um universo predominantemente masculino. E não era o suficiente.

Para Brie, que descobriu o mundo dos games ainda jovem, a conexão entre personagens sempre foi o que a motivava mais, nem tanto as habilidades mecânicas ou lutas, mas mudar seu foco e criar a TRU LUV foi uma decisão tomada depois de uma conversa com uma prima. Ela nem jogava com frequência, mas ficou emocionalmente apegada à uma personagem específica, e Brie percebeu que ali havia um campo importante a ser explorado, para quem curte jogos ou não. Na sua companhia, os projetos são de jogos experimentais com metas como cuidar de plantas, ou outras atividades do cotidiano. O importante para ela e sua equipe é criar algo que, através de interfaces tecnológicas, colabore para encontrar calma e amizades em vez de incentivar a reatividade e a divisão.

Com a experiência e o talento de Brie, com tantas dúvidas sobre tecnologia, com jogos ganhando adaptações para cinema, TVs e tantas coisas, obviamente ouvi-la é interessante. E ela topou parar para conversar exclusivamente com CLAUDIA, mesmo com uma agenda ultra apertada. Brie fala de compaixão ampliada, da Inteligência Artificial como ferramenta de transformação pessoal e social.

CLAUDIA: Você foi pioneira no desenvolvimento de jogos extremamente bem-sucedidos e muitas vezes foi a única mulher em um time por muito tempo. Percorremos um longo caminho? Como era então, e como você vê o presente-futuro em relação à inclusão?

Desde que me formei em ciência da computação, em 2001, muitas vezes sou a única mulher na sala. Desde 2015, trabalho com minha própria empresa, TRU LUV, onde construímos propositalmente uma equipe diversificada. Agora, sempre que vou a uma conferência ou evento do setor e experimento preconceito, marginalização, estereótipos ou outras formas de sexismo ou misoginia, isso me pega de surpresa! Meu dia a dia na TRU LUV é sobre colaboração, criatividade, orientação, tirar o melhor proveito um do outro, e não sobre competição. Estamos ocupados construindo algo bonito e não temos tempo ou energia agora para lidar com o sexismo da indústria. O futuro da tecnologia será mais inclusivo, porque são as perspectivas atualmente inexploradas de pessoas anteriormente marginalizadas que impulsionarão as próximas ondas de inovação. Especialmente em tecnologia e jogos, onde precisamos explorar mais formas de colaboração e encontrar soluções visionárias, e nos afastar de plataformas divisivas e histórias deprimentes: a inovação será impulsionada por pessoas que antes eram marginalizadas.

Continua após a publicidade

CLAUDIA: A narrativa de jogos é diferente de filmes e séries? Quais são as principais diferenças?

O divertido de contar histórias em jogos é que você pode usar a mecânica de interação para transmitir ideias de narrativa sem usar palavras. Você pode transmitir emoções e até mesmo realizações muito complexas usando uma interação bem projetada. Por exemplo, no massageador RITUAL em nosso primeiro aplicativo experimental de 2018, #SelfCare, temos uma mecânica onde você preenche um círculo com o dedo, repetidamente, enquanto os aspectos do círculo e da caneta sob o dedo mudam com o tempo. Nós sintonizamos esses aspectos de forma que pareça que você e o círculo estão se conhecendo e se apaixonando totalmente, de certa forma. Este é um sentimento complexo que transmitimos com uma simples interação!

CLAUDIA: Como VOCÊ começou a trabalhar nessa área?

Na universidade, descobri que a ciência da computação era uma disciplina na qual eu poderia garantir que tiraria notas altas. Eu poderia simplesmente ficar no laboratório até que meu programa funcionasse e saber se funcionaria ou não. Outras matérias que eu gostava mais, como inglês ou psicologia, eram mais subjetivas e minhas notas dependiam da pessoa que fazia a avaliação. E eu tive que manter notas altas para manter minha bolsa de estudos. Eu não tinha dinheiro e queria muito me formar. Então, me formei em ciência da computação. Achei que iria trabalhar na web quando me formasse. No entanto, alguns meses antes de me formar, tivemos o colapso das pontocom e não havia mais empregos na web. Trabalhei na universidade por um tempo, depois viajei com cartão de crédito e voltei para casa sem dinheiro e com algumas dívidas – e precisava de um emprego. Tive a sorte de conseguir um em uma grande empresa de jogos em Vancouver, Relic Entertainment, e nunca olhei para trás. O desenvolvimento de jogos era exatamente a mistura de cultura e psicologia que eu procurava, enquanto usava meu treinamento em IA e design de sistemas.

CLAUDIA: Temos discutido muito sobre Web3, Inteligência Artificial, Metaverso. As pessoas geralmente lidam com uma mistura de preocupação e admiração, não realmente compreendendo do que se trata. Como você vê o presente e o futuro do entretenimento com tudo isso?

Continua após a publicidade

O presente e o futuro do entretenimento serão o que queremos que seja. Acho importante que cada um de nós sonhe e assuma a responsabilidade de criar o futuro que desejamos. Depois de assistir a filmes como Jogador Número 1 (Ready Player One), é fácil se preocupar com o futuro. Certa vez, um capitalista de risco me disse que sentia que, depois da renda básica universal, ninguém teria nenhum significado ou propósito e passaria todo o tempo trabalhando em videogames viciantes em AR, odiando a si mesmos e odiando suas vidas, mas não sendo capazes de parar de jogar. Acho que ele viu o Jogador Número 1 (Ready Player One). Não acredito que esse futuro seja realmente possível, mesmo que alguém tente construí-lo, porque essa visão ignora um aspecto da função psicológica da brincadeira: as pessoas jogam para resolver crises de identidade e, quando a crise é resolvida, elas param de brincar tanto. Brincamos para aprender.

Por exemplo, depois que um aluno se forma na universidade, ele pode ficar viciado em videogame por alguns meses e seus entes queridos podem ficar preocupados. No entanto, a grande maioria desses alunos acabará saindo do jogo pronta para fazer a mudança de aluno para adulto. Eles precisavam de um outro lugar mágico para experimentar novas identidades e descobrir que tipo de adulto eles seriam, e então eles não precisavam mais daquele outro lugar mágico.

Quando fizemos grupos focais explorando por qual motivo as pessoas consomem entretenimento, descobrimos que o que elas procuram no entretenimento é explorar maneiras de ser, aprender, crescer e mudar como pessoa. Qualquer futuro de entretenimento deve nos permitir fazer isso e seguir nossas inclinações naturais para prosperar e cocriar.

Acredito que o futuro do entretenimento aumentará o que há de bom em ser humano e estar vivo em um planeta. Vamos reorganizar as formas como aprendemos e as formas como trabalhamos para sermos mais divertidos e criativos! Assim como os animais, aprenderemos brincando. Encontraremos maneiras de contribuir para as causas pelas quais nos preocupamos de maneira divertida e lúdica, aproveitando nossas forças e talentos naturais que nos iluminam por dentro e alcançamos resultados reais e tangíveis. Nós vamos ajudar as pessoas. Veremos o progresso em questões com as quais nos preocupamos em belas exibições em AR enquanto olhamos para a cidade, e sentiremos e criaremos propósito e significado profundos juntos.

CLAUDIA: Voltando um pouco, Child of Light era um jogo que tinha uma protagonista feminina e uma equipe de desenvolvimento 25% feminina. Você poderia compartilhar um pouco de como isso aconteceu, como você pensou na história e no reconhecimento que ela obteve?

Continua após a publicidade

Para o Child of Light, construímos propositalmente uma equipe de programação diversificada para que o que nos unisse fosse simplesmente nosso propósito compartilhado. Foi o desenvolvimento mais tranquilo em que já trabalhei, muito divertido, e grande parte da equipe de programação ainda mantém contato tantos anos depois. Foi uma honra trabalhar com eles naquele jogo. Adoro como nossa equipe criou inovações únicas, como o cabelo de Aurora ou o pipeline 2D/3D misto de que precisávamos para obter a sensação certa. Não acho que teríamos encontrado soluções tão criativas se nossa equipe não fosse tão diversa. Equipes diversificadas levam a mais conversas, mais ideias malucas e mais criatividade de todos os membros da equipe – tanto membros da equipe com origens marginalizadas, quanto membros da equipe que são especialistas mais tradicionais.

CLAUDIA: Adaptar jogos para séries ou filmes NÃO é uma “novidade”, mas sim uma tendência que continua forte. Parece que muitas vezes as histórias realmente não “transportam” aos filmes ou séries cenas tão perfeitas quanto nos jogos, mas citando um título recente – The Last of Us – parece ser um sucesso unânime. Quais são os desafios para adaptar esses conteúdos? Assassin’s Creed teve reações mistas. As pessoas agora estão mais abertas a esse tipo de narrativa?

TRU LUV está trabalhando em um novo modelo de tecnologia, beneficência, que tem tudo a ver com amor e prosperidade humana, como uma alternativa à gamificação. Nosso desafio é grande e estou muito focada, então não assisto muitos filmes, jogo ou tenho uma conta nas redes sociais há muito tempo! Como estou estudando o reflexo e a amplificação do amor pelo nosso trabalho, sempre que não estou trabalhando ou estudando, estou com meus amigos, meu cachorro ou em meditação.

CLAUDIA: Muitos dos jogos são fantasia ou, como você apontou, distópicos. Como essas histórias impactam a percepção que podemos ter de nós mesmos e da sociedade? A preocupação com isso o levou a criar o Tru Luv e trazer o otimismo e o bem-estar de volta ao redil, focando no cuidado e nos personagens. Você poderia compartilhar como isso aconteceu, como é e o que acha que poderia ser “o que vem a seguir”?

A maior parte do nosso pensamento acontece subconscientemente, e nossas mentes subconscientes são máquinas de correspondência de padrões. É por isso que existe a síndrome do impostor – quando não vimos exemplos de pessoas como nós fazendo nosso trabalho, nosso subconsciente se debate sem ser capaz de fazer comparações. É também por isso que quando algo novo e muito estranho acontece em sua vida, pode parecer cinematográfico – porque você só viu tal coisa no cinema. A maneira mais rápida de se livrar da síndrome do impostor é criar histórias que preencham a lacuna de sua mente subconsciente, seja por meio de registro no diário, visualização, hipnoterapia ou simplesmente encontrando um mentor que o lembre de si mesmo. Da mesma forma, é muito importante que enchamos nossas mentes com visões positivas de quais futuros queremos – caso contrário, é muito fácil para nós criar as distopias que vemos, como Jogador Número 1 (Ready Player One) e querer criá-lo. E se ele tivesse tido uma visão diferente?

Continua após a publicidade

Na TRU LUV, estamos trabalhando em um novo projeto secreto que é uma ferramenta para as pessoas colaborarem umas com as outras enquanto desenvolvem suas forças e talentos naturais. Trata-se de tornar o invisível visível: ver nossos talentos e interesses, ver nossos sonhos, ver nossos relacionamentos, ver nossos impactos. Assim que vemos algo, podemos criar com ele mais diretamente e podemos realizar nossos sonhos.

CLAUDIA: Você poderia falar um pouco de como é “IA emocionalmente consciente”?

Um dos componentes do nosso projeto secreto é um algoritmo que chamamos de DEEPEN. DEEPEN é um algoritmo de IA que ajuda você a identificar seus sentimentos e interesses e os alavanca para uma mudança real no mundo. Imagine se o fluxo de conteúdo em seu feed de mídia social fosse projetado para o seu florescimento, e não para viciá-lo, e parecesse mais uma dança do que algo que você precisava treinar. O DEEPEN ainda não está pronto para ser exibido. Estou ansiosa para quando for.

CLAUDIA: A gamificação geralmente inspira uma competição que precisa de pontuação alta e vencedores, mas você também tem trabalhado em ‘rituais meditativos virtuais’, como lavanderia, cartas de tarô e um gato. Como isso funciona?

A gamificação clássica pressupõe que você precisa aumentar a tensão ou aumentar o desafio para manter alguém engajado. Em nosso aplicativo experimental de 2018, #SelfCare, provamos que também podemos usar o aprofundamento da conexão para criar uma experiência interessante. Em nossos RITUAIS, em vez de quebra-cabeças cada vez mais difíceis, você tem interações que naturalmente convidam a certas emoções, aprofundando-as com o tempo. Atualmente, temos uma biblioteca de 125 interações em que cada uma pretende convidar um estado emocional sutil específico. Um exemplo específico é o ritual do massageador descrito acima.

Continua após a publicidade

Na gamificação, muitas vezes você deixa a experiência mais frustrada: ou a tensão ou o desafio fica muito alto, ou você termina a experiência e deseja que não tenha acabado. No #SelfCare, projetamos nossos rituais para que eles se tornem suavemente entediantes após cerca de 3 a 5 minutos, e você sai no momento em que se sente mais calmo e conectado, em vez de mais tenso. Estamos continuando este trabalho em direções muito mais profundas e transformadoras em nosso novo projeto secreto! Estou ansiosa para quando podemos mostrá-lo.

CLAUDIA: Você tem algum conselho para compartilhar com mulheres que sonham em trabalhar na área de tecnologia e seguir seu caminho?

Um dos meus amigos me disse uma vez: A maneira de você ser bem-sucedido é simplesmente não desistir. Foi assim que me formei quando não tinha dinheiro; como sobrevivi muitos anos sendo a única mulher na sala e muitas vezes tratada de forma estranha; e como finalmente consegui ter minha própria empresa fazendo a tecnologia dos meus sonhos com pessoas realmente incríveis e inspiradoras.

Para fazer isso, você tem que construir sua força. Sei pela ciência do amor e da compaixão que a melhor maneira de construir sua força e resiliência é com amor. Por exemplo, o amor faz a diferença entre se o trauma provavelmente resultará em transtorno de estresse pós-traumático ou crescimento pós-traumático. Amor próprio, uma comunidade amorosa e um animal de estimação amoroso são caminhos para a força. Assim como aceitar que o preconceito existe e ter compaixão por aqueles que o ignoram, ao mesmo tempo em que escolhe o que deseja mudar e concentra sua atenção nisso.

Aprender o máximo possível, quebrar tetos de vidro, forjar seu próprio caminho e encontrar maneiras de expressar seus próprios valores em uma indústria que pode não ser fácil, mas espere encontrar maneiras de seja forte o suficiente para continuar se levantando cada vez que for derrubado. Se você chegar ao nível de especialista, sua perspectiva será mais valiosa do que a dos outros por causa de sua experiência e características únicas, e você terá a chance de realmente impactar o mundo e encontrar um propósito profundo.

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

A melhor notícia da Black Friday

Receba CLAUDIA impressa pelo melhor preço do ano!

Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Moda, beleza, autoconhecimento, mais de 11 mil receitas testadas e aprovadas, previsões diárias, semanais e mensais de astrologia!

Receba mensalmente Claudia impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições
digitais e acervos nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês
(Melhor oferta do ano!)