A reforma que transformou o apê de Deborah Secco em lar

Em parceria com a marca Westwing, a atriz mostra seus cantinhos preferidos no apartamento

Vida nova, casa nova. Quando passamos por grandes mudanças internas, vem aquela vontade de repaginar o exterior para ganhar mais conforto. Foi com esse sentimento que a atriz Deborah Secco firmou uma parceria com a marca Westwing, que se mostrou a oportunidade perfeita para transformar o imóvel em lar, mais adequado a seu atual momento.

A casa, que sete anos atrás era moradia só sua, presenciou diferentes fases. Primeiro chegou Hugo Moura, o marido; depois o espaço foi tomado pelas peripécias de Maria Flor, filha do casal, hoje com 3 anos. “Eu queria uma casa cool, um ambiente jovem, sem decoração ostensiva”, conta ela. Se no começo o imóvel era apenas um local para passar a noite, como ela mesma define, agora ganhou o real significado de ninho.

Alma musical

 (André Nicolau e Sambacine/CLAUDIA)

Em 120 dias, a missão era inovar uma área de 180 metros quadrados do imóvel, no Rio de Janeiro. Inspirados pelo tema bossa carioca, os profissionais transformaram oito ambientes do apartamento: o living (salas de estar e de jantar e varanda interna), o estúdio de música integrado à sala de TV, a varanda gourmet, o hall de entrada e o dos elevadores.

 (André Nicolau e Sambacine/CLAUDIA)

Deborah desejava que os espaços fossem interligados para que pudesse ficar perto da família em qualquer cômodo. “Pedi também para ter uma sala de música porque a arte é uma coisa que eu e o Hugo prezamos muito. A gente quer que a música esteja presente na vida da Maria. Temos piano, acordeom, violão. É onde eu faço aula de canto e o Hugo toca todos os instrumentos.”

Lar de três

 (André Nicolau e Sambacine/CLAUDIA)

Deborah lembra que, desde que se mudou para o atual imóvel, não tinha tido a oportunidade de pensar na decoração como um todo. “Acabei trazendo os móveis do outro apartamento para cá. Aí engravidei e todo mundo falava que não era uma boa hora para redecorar. E, de fato, acabei ficando com um pula-pula e uma piscina de bolinhas na sala por algum tempo”, conta.

Agora, com Maria Flor um pouco maior, o casal decidiu que era o momento ideal para deixar o espaço com a cara da família. E isso inclui também elementos lúdicos no décor para a menina. “Antes eu era mais preocupada. As pessoas nem pisavam nos meus tapetes. Depois da chegada da Maria, a gente releva um pouco. A casa de uma família é mais quentinha do que a de uma pessoa sozinha”, conclui.

Força da natureza

 (André Nicolau e Sambacine/CLAUDIA)

Outra prioridade da família são os elementos naturais. O deslumbrante teto da varanda que reflete a praia do Rio de Janeiro veio de herança do antigo morador. “É uma das coisas de que mais gosto na casa. Até de dentro da sala conseguimos ver o mar. É de onde vem a grande força pra mim e pro Hugo, e esperamos que pra Maria”, explica Deborah, que já elegeu o cantinho externo da casa o seu favorito por estar perto do mar.

“O Hugo adora almoçar ali. Ficamos mais na varanda do que na sala.” Já as plantas de plástico deram lugar a espécies como espada-de-são-jorge, helicônia, dedo-de-moça e clúsia, que trazem vida ao ambiente. A sensação do novo lar não poderia ser outra, senão de bem-estar. “Eu me sinto abraçada, num lugar aconchegante, e isso não tem preço. A sensação que tenho é de que estou namorando a minha casa.”

 (André Nicolau e Sambacine/CLAUDIA)