Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Denúncia contra obrigatoriedade do salto alto no trabalho viraliza no Facebook

A foto dos pés de uma garçonete canadense chamam a atenção para o abuso sofrido por inúmeras mulheres no ambiente de trabalho.

Por Júlia Warken Atualizado em 21 jan 2020, 10h11 - Publicado em 13 Maio 2016, 06h56

Tem muita mulher que se sente bem usando salto alto, mas vamos combinar? Confortável não é! Especialmente se você trabalha em pé, andando de um lado para o outro, e é obrigada a usar salto como uniforme de trabalho. Isso não deveria ser tolerado.

Indignada com o drama vivido por uma amiga garçonete, a canadense Nicola Gavins resolveu fazer uma denúncia no Facebook dias atrás. Ela postou uma foto chocante mostrando os pés da amiga sangrando ao lado do scarpin que ela é obrigada a usar diariamente. Segundo Nicola, a garçonete chegou a perder uma unha e ainda foi repreendida pelo gerente porque estava usando outro tipo de calçado enquanto o pé sarava.

“Para aqueles que eu conheço que comem nos Restaurantes Joey (Av. Jasper, em Edmonton, especificamente).

A política deles ainda é de que a equipe feminina use salto alto a menos que haja restrição médica. Os pés da minha amiga estavam sangrando ao ponto de ela perder uma unha e ela ainda foi desencorajada e repreendida pelo gerente por trocar o salto por um sapato baixo (ele lhe disse especificamente que os saltos seriam necessários em seu turno do dia seguinte).

Além disso, as mulheres da equipe precisam comprar um uniforme/vestido que custa 30 dólares australianos, enquanto os homens podem se vestir com uma roupa preta de seus próprios armários (e não são obrigados a usar saltos).

Continua após a publicidade

Requisitos sexistas arcaicos e uma política totalmente nojenta.

Eu tenho muitos amigos no ramo da prestação de serviços e conheço muitas mulheres que ainda recebem ótimas gorjetas sem precisar sacrificar seu conforto enquanto servem. Vou optar por continuar a apoiar tais estabelecimentos.”

Até o fechamento dessa matéria o post já somava mais de 4 mil reações e 11,6 mil compartilhamentos. E desde então, a página do restaurante está recebendo uma enxurrada de comentários alusivos à denúncia. Só que infelizmente o post de Nicola também vem recebendo diversos comentários do tipo “Cara, apenas peça demissão e vida que segue” ou “Afff, que drama. Ninguém tá obrigando ela a trabalhar lá”.

Mas francamente, será que é tão difícil compreender que esse não é um problema pontual e que SIM, é necessário denunciar abusos desse tipo? De que adianta ~simplesmente~ trocar de emprego sabendo que outras mulheres passarão pelo mesmo problema e que o nosso silêncio só contribui para nada mude?

Reprodução / Giphy
Reprodução / Giphy

Não é preciso ser um às em história pra saber que tempos atrás o espartilho era imposto às mulheres e calças eram artigo exclusivamente masculino. Teve muito ~mimimi~ no passado para que o nosso armário pudesse ser do jeito que é hoje. “Mas qual a necessidade de querer usar calças? Essas mulheres não têm mais o que fazer?”, disseram milhares de reacionários em meados do Século XX. Provavelmente elas tinham sim, mas estavam querendo mais liberdade na vestimenta e felizmente conseguiram! Só que é muito fácil esquecer de um movimento que aconteceu há tantas décadas, uma vez que hoje a gente só goza passivamente dessa mudança alcançada a duras penas. Mas que tal lembrar disso quando vestir seu jeans preferido?

Então bora ter mais empatia, bora dar mais valor às pequenas grandes lutas do cotidiano e bora seguir denunciando as imposições que não dá mais para engolir. 😉

Continua após a publicidade
Publicidade