CLIQUE E ASSINE A PARTIR R$ 6,90/MÊS

Como uma indiana ajuda mulheres em busca de empregos flexíveis

Com a criação da plataforma digital SHEROES, Sairee Chahal revoluciona o mercado de trabalho de seu país

Por Suman Bajpai Atualizado em 8 mar 2018, 11h39 - Publicado em 8 mar 2018, 00h01

“O mundo é das mulheres”, disse Sairee Chahal. Ela é a fundadora e diretora-executiva da SHEROES, uma plataforma digital que trabalha em prol da criação e do aprimoramento de opções de trabalho flexíveis para mulheres de todas as áreas.

Chahal revolucionou o mercado de trabalho para as mulheres com esse empreendimento (anteriormente chamado Fleximoms), com sede em Noida, uma cidade satélite de Delhi. Ela acredita que uma carreira está mais para um labirinto do que uma escada, e sua missão é ajudar milhões de mulheres a atravessá-lo em todos os estágios de suas vidas.

Leia mais: ONG ajuda a inserir refugiados no mercado de trabalho brasileiro

Ela tem uma vida toda de empreendedorismo, tendo iniciado sua carreira profissional enquanto ainda estava na faculdade, antes de co-fundar sua primeira start-up, que, em 1999, foi o primeiro jornal mundial para marinheiros, rodando na Índia, nas Filipinas e no Chipre. Reconhecida globalmente por suas conquistas, os louros de Chahal incluem vencer os prêmios Devi, Femina Achievers, Cartier, escolha do editor para o prêmio Mulheres da L’Oréal Femina e Mulheres Mais Poderosas nos Negócios Indianos. Frustrada com a disparidade de gênero na Índia, ela criou a SHEROES, em 2013.

“Desenvolvemos um ecossistema de apoio que as mulheres podem utilizar para avançar em suas carreiras, relacionamentos e outros aspectos de suas vidas”, ela diz. Até agora, a plataforma digital ajudou diretamente 1 milhão de mulheres com suas trajetórias de carreira e equilíbrio entre trabalho e vida pessoal, e visa atingir mais 100 milhões nos próximos 5 anos.

Leia mais: Congresso discute equidade de gêneros no mercado de trabalho

SHEROES/Divulgação
Continua após a publicidade

Uma integrante da comunidade SHEROES pode se filiar como candidata a um emprego, passar para a interação com uma mentora, elaborar seu plano de ação, usar os recursos da carreira para adquirir um conjunto de habilidades adicionais e explorar possibilidades de trabalho. Profissionais estabelecidas podem compartilhar suas experiências, oferecer orientação entre pares e até postar ofertas de emprego.

O aplicativo SHEROES está ficando popular e oferece recursos únicos, como uma central de atendimento exclusiva para aconselhamento individual, operada por uma equipe de consultoras e técnicas que falam com as mulheres e lhes oferecem apoio, conselhos e recursos.

SHEROES/Divulgação

A Índia virou manchete internacional nos últimos anos por causa dos casos de extrema violência sexual e discriminação. Fiel a sua proposta, a SHEROES não se esquivou de fazer sua parte para enfrentar tais problemas. “Através de nossas comunidades e central de atendimento, entendemos mais profundamente a que ponto chega o assédio que as mulheres sofrem no local de trabalho. Nosso produto SHE é uma abordagem abrangente baseada em prevenção oferecida às empresas, que inclui treinamentos contínuos, medidas de adequação e uma central de atendimento corporativo, abrangendo todos os aspectos do trabalho – trabalho remoto, off-sites, comunicação online e cultura de trabalho cotidiana. Nossa abordagem é buscar influenciar as mentalidades de forma pró-ativa ao invés de só lidar com os casos quando eles já se agravaram ao extremo”, compartilhou o fundador.

“Inicialmente, foi difícil criar um lugar para mim, como mulher”, diz Chahal, que também é mãe. “Os produtos e serviços para mulheres foram todos colocados numa caixinha ‘cor-de-rosa’. Persuadir os investidores a abrirem a cabeça para fora disso, de forma que isso beneficie profundamente as mulheres, foi um desafio. Mas hoje o jogo virou; com mais empresas, formadores de opinião e mulheres abraçando essa virada”.

Quanto a outras mulheres que consideram abrir seus próprios negócios, ela oferece esse conselho: “Abra um negócio porque isso é o que você é e porque você quer fazer a diferença. Não abra um negócio para ganhar dinheiro, porque o dinheiro pode demorar muito mais a chegar do que chegaria através de um emprego. Abra-o pelo motivo certo – para resolver um problema, construir um produto, criar uma solução. E faça algo que você ama”.

*Por Suman Bajpai, Woman’s Era

*Neste Dia da Mulher, CLAUDIA participa da ação internacional Women in Businesses For Good, da iniciativa social Sparknews, que visa
revelar inovações impactantes criadas por mulheres e seu potencial de ampliação ou replicação em outros países. #WB4G

Continua após a publicidade

Publicidade