Clique e assine Claudia a partir de R$ 8,90/mês
Denise Steiner Por DERMATOLOGIA A médica Denise Steiner é dermatologista, ex-presidente da Sociedade Brasileira de Dermatologia e doutora pela Unicamp

Tratamento íntimo feminino com laser

A região intima das mulheres sofre muito com as alterações da menopausa. Laser é uma alternativa para quem não pode fazer reposição hormonal

Por Denise Steiner - Atualizado em 5 ago 2020, 15h41 - Publicado em 5 ago 2020, 16h00

A mulher vai viver muitos anos após a última menstruação (menopausa) pois a expectativa de vida aumentou significativamente. A mulher hoje está mais jovem mais madura, porém mais estressada acumulando atividades de trabalho, família e afazeres de casa.

Após a queda hormonal que ocorre na menopausa a pele fica seca, fina, frágil e mais flácida.

A região intima sofre muito com essas alterações pois já é uma área de muita sensibilidade. Nesse período o relacionamento sexual com o parceiro fica mais difícil tanto pela perda de libido, desgastes diários e pela dor e sensibilidade que ocorre no ato sexual.

O tratamento padrão para as mulheres após a menopausa é a reposição hormonal. Lembrar que além dos sintomas de pele, cabelo e unhas, a falta do estrogênio também interfere no sono, humor, provoca calores e favorece a osteoporose. Nesse sentido é importante conversar com seu ginecologista e avaliar os pós e os contras de uma reposição hormonal.

Algumas mulheres não podem fazer esse tratamento devido a riscos mais alto de desenvolver câncer de mama ou outros. Algumas mulheres inclusive já tiveram câncer e não podem utilizar medicamentos hormonais.

Continua após a publicidade

O laser é uma alternativa segura para o tratamento íntimo das mulheres que não tem a alternativa de fazerem reposição hormonal. O laser mais utilizado é o Erbium Yag 2900(Fotona) com ponteiras específicos para a região íntima.

O mecanismo de ação desse laser é emitir calor na pele e estimular através desse calor reações que otimizam a manutenção da água na pele e formam mais fibras de colágeno.

O tratamento não é doloroso e é feito em toda área vaginal e na parte externa, melhorando a qualidade da pele.

Mulheres que tenham incontinência urinária leve também podem ser beneficiadas. Em geral são indicadas 3 sessões mensais e ocorrem poucos efeitos colaterais.

A vida pode e deve ser sempre prazeirosa em todos os sentidos.

Continua após a publicidade
Publicidade