CLIQUE E RECEBA EM CASA A PARTIR DE R$ 12,90/MÊS

Tratamentos e produtos para controlar a rosácea

Caracterizada pelo rubor intenso e persistente, a rosácea não é exclusividade de peles muito claras. Embora não tenha cura, ela pode ser controlada

Por Carol Salles (colaboradora) Atualizado em 28 out 2016, 17h10 - Publicado em 12 ago 2015, 13h50

Diferentemente do que se acreditou por muito tempo, a rosácea não acomete apenas as branquinhas. Ela pode surgir em peles de qualquer tipo e tom, especialmente em mulheres por volta dos 40 anos. No início, a vermelhidão no rosto vai e volta, mas, depois de se repetir por algum tempo (três anos, em média), tende a se tornar persistente. “Com a progressão da doença, surgem ainda lesões avermelhadas e elevadas e pontos amarelos que parecem espinhas”, diz a dermatologista Érica Monteiro, da Universidade Federal de São Paulo. Apesar de a causa ainda ser desconhecida, os médicos costumam associar o problema à herança genética, mas ele é desencadeado por fatores externos, como alimentação (café, bebidas alcoólicas e condimentos picantes são irritantes), stress e exposição ao calor ou frio extremos. Segundo Érica, a vermelhidão ocorre porque o organismo responde de forma anormal a essas agressões, estimulando a dilatação exagerada dos vasos sanguíneos. “O sol, por sua vez, acelera o processo inflamatório da pele, causando danos aos vasinhos, que ficam mais evidentes”, explica a médica. Para a dermatologista Isabela Poffo, do Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo, o diagnóstico rápido é indispensável. “O tratamento errado pode não surtir efeito ou até piorar o quadro”, alerta. Veja o que há de mais eficiente para tratar o problema:

Cuidados em casa

O mais importante é proteger a pele do sol diariamente. “Prefira filtros solares com cor de base, que ainda disfarçam a vermelhidão”, sugere a dermatologista Juliana Neiva, do Rio de Janeiro. Em geral, a pele que sofre com a rosácea fica mais sensível e apresenta oleosidade. Por isso, tanto a rotina de limpeza quanto a de hidratação devem ser feitas com cuidado – nada de esfregar com esponjas, algodão ou lencinhos – e requerem produtos mais suaves. Evite os que têm componentes com alto potencial irritante – como álcool –, adstringentes, ácidos e esfoliantes. Depois da limpeza, recomenda- -se aplicar cremes de tratamento, que podem ser industrializados ou manipulados (de acordo com a pele). “Para controlar as crises, os ativos tópicos mais comuns nestes últimos são o ácido azelaico e o metronidazol”, afirma Érica Monteiro. Novidade no Brasil, o tartarato de brimonidina provoca a vasoconstrição e acaba com a vermelhidão em poucos minutos. Todos esses produtos, assim como anti-inflamatórios orais, devem ser prescritos por um médico.

Divulgação
Divulgação

1. Fluido de Limpeza Facial Calmante Antirougeurs, Avène, R$ 67*

2. Loção de Limpeza, Redness Solutions, Clinique, R$ 139*

3. Serum Intensivo Rosaliac AR Intense, La Roche-Posay, R$ 100*

4. Fluido Neutralizante Anti-Redness FPS 15, Eucerin, R$ 94*

No consultório

Conheça os tratamentos que amenizam os sintomas:

Triniti SRA

É uma luz intensa pulsada (LIP) que promete amenizar a vermelhidão, diminuindo os vasinhos. São necessárias de duas a cinco sessões, com intervalo de até dois meses entre elas. Cada uma custa entre 500 e mil reais.

V-Beam Perfecta

Trata-se de um laser específico

Continua após a publicidade

para vasinhos que parecem microvarizes. Ele age criando áreas de vácuo dentro dos vasos, o que faz com que eles se fechem. São recomendadas de duas a cinco sessões por ano. O preço médio de cada uma é 1,5 mil reais.

Multiwaves

São luzes de LED, de baixa energia, que acalmam a pele e diminuem a inflamação. Fazem parte do tratamento de manutenção, após uma sessão de laser ou LIP. O ideal é fazer duas aplicações por semana até completar uma série de dez ou 15. Custa entre 120 e 300 reais cada uma.

Para disfarçar

A maquiagem é uma grande aliada de quem sofre com a rosácea. Confira alguns truques:

• Corretivos e primers verdes são boas opções para a área mais atingida, já que neutralizam o tom vermelho da pele. Passe antes da base.

E você sabia que é mito a lenda de que devemos passar o corretivo com um tom mais claro do que a pele? Confira mais 11 mitos e verdades sobre maquiagem

• Prefira base mineral, pois ela apresenta menor risco de causar irritação. Espalhe-a com um pincel largo em movimentos circulares.

• Evite blushes rosados. “Opte pelos tons de laranja e bronze e aplique-os no centro das bochechas, espalhando depois para as laterais da face”, indica a maquiadora Juliana Rakoza, de São Paulo.

• Capriche no make dos olhos ou da boca. “Assim, você desvia a atenção do problema”, sugere o maquiador Ricardo Crepaldi, do salão Casa Mauro Freire, em São Paulo.

*Preços pesquisados em julho

Divulgação
Divulgação

Continua após a publicidade

Publicidade