Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Os cuidados que você deve tomar antes de fazer uma cirurgia plástica

A cirurgia plástica oferece riscos como qualquer outra procedimento. O problema é que nem sempre as pessoas escolhem cirurgiões capacitados. Saiba quais os cuidados que você deve tomar e aumente as chances de a operação ser um sucesso!

Por Redação M de Mulher Atualizado em 16 jan 2020, 00h17 - Publicado em 9 Maio 2013, 21h00

Um cirurgião plástico sério sempre vai dar uma previsão realista sobre a cirurgia. Desconfie se o médico prometer perfeição!
Foto: Getty Images

São de arrepiar as notícias que saíram, nos últimos meses, sobre mulheres que morreram na mesa de cirurgia ou horas depois de passar por uma plástica. Porém, segundo a Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP), quando realizado por profissionais capacitados, esse tipo de cirurgia oferece o mesmo risco que qualquer outro. O que aconteceu com a maior parte das vítimas recentes foi que elas escolheram cirurgiões que não tinham formação adequada. Dênis Calazans, secretário-geral da SBCP, alerta: “Um especialista em cirurgia plástica deve ter cursado seis anos de medicina, dois de residência em cirurgia geral e mais três anos de residência em cirurgia plástica”.

Descubra se o médico é mesmo preparado

O primeiro passo é consultar o site da SBCP e checar se o profissional que vai operá-la é certificado pelo órgão. Basta clicar em “encontre um cirurgião” e depois digitar o nome do médico e o seu estado. Esse simples cuidado pode reduzir bastante os riscos.

“Como vai ser, doutor?”

Depois de escolher um cirurgião realmente habilitado, esclareça com ele todas as dúvidas que tiver. A SBCP elaborou um guia com as perguntas essenciais, que ajudarão muito durante a consulta. Leve-as anotadas:

· O médico é membro ativo da SBCP?

· Foi treinado na área de plástica?

· Quantos anos de treinamento em cirurgia plástica ele tem?

· Em quais hospitais ou clínicas atua?

· Quantos procedimentos do tipo já realizou na carreira?

Continua após a publicidade

· Essa cirurgia é adequada para mim?

· Como será feita a cirurgia? Onde?

· Quanto tempo levarei para me recuperar?

· Quais os riscos da cirurgia?

· Como serão contornadas as eventuais complicações?

Tem que fazer exames antes da cirurgia, sim!

Tão logo você e seu médico entrem num acordo sobre a operação, ele deverá fazer uma avaliação do seu estado de saúde. Informe todas as doenças que tem ou teve, cirurgias que já fez, se tem alergia a algum medicamento, quais remédios toma, se fuma ou faz uso de outras substâncias químicas. Essas informações auxiliam o médico na definição dos exames pré-operatórios e na própria cirurgia. Basicamente, são requisitados exames de sangue (hemograma e coagulograma), avaliação cardiológica (feita por um cardiologista) e consulta com anestesista. Dependendo da cirurgia e da sua idade, outros exames podem ser solicitados.

Equipe completa

A equipe depende do porte da cirurgia. Se for grande, como uma plástica na barriga, é preciso, além do cirurgião principal, um ou dois assistentes, um anestesista, enfermeiro, auxiliares de enfermagem e instrumentador.

Onde fazer?

Não se assuste se seu médico sugerir que a operação seja realizada em uma clínica em vez de um grande hospital. “Existem clínicas com recursos tecnológicos que se nivelam a hospitais. Mas elas precisam estar de acordo com as normas dos órgãos de vigilância sanitária e dos Conselhos Regionais de Medicina. São essas entidades que classificam estabelecimentos de saúde para cada tipo de procedimento”, diz Calazans. A melhor forma de saber se o local tem condições de realizar a sua cirurgia é verificar se ele possui certificação para isso. Informe-se com o seu médico ou consulte a Vigilância Sanitária de sua cidade. O Conselho Regional de Medicina também pode informar.

Fuja dos parcelamentos a perder de vista

A grande preocupação dos cirurgiões sérios é com as clínicas caça-níqueis. Elas tentam vender plástica como um produto, muitas vezes parcelado em até 24 prestações! Outras oferecem consórcios de cirurgia, o que fere o Código de Ética Médica e esconde um perigo: “Imagine uma paciente que compra esse produto e recebe uma carta de crédito de valor fixo para a realização de determinada cirurgia. Porém, acontece uma complicação e ela precisa de um tempo maior de internação. Será que o vendedor do consórcio vai arcar com as despesas complementares?”, alerta Calazans. O ideal é se planejar, fazer uma poupança e ter o dinheiro todo em mãos na hora de negociar o valor da operação com o médico.

Continua após a publicidade
Publicidade