Clique e assine Claudia a partir de R$ 5,90/mês

A mulher que se queimou com a vaporização vaginal

Ela sofreu queimaduras após sentar por 20 minutos em um recipiente com água fervente

Por Da Redação - Atualizado em 17 fev 2020, 14h40 - Publicado em 9 ago 2019, 11h04

Uma mulher canadense de 62 anos sofreu queimaduras de segundo grau após recorrer a um método chamado vaporização vaginal. Ela sofria de prolapso genital e um médico sugeriu a alternativa de fazer a vaporização em vez de uma cirurgia. Por causa dos ferimentos, a mulher precisou adiar a cirurgia reconstrutiva que faria. Sua história tem sido utilizada para conscientizar outras mulheres a não recorrerem a esse tipo de tratamento.

Veja o que está bombando nas redes sociais

O estudo do caso foi publicado no Journal of Obstetrics and Gynecology Canada e, de acordo com Magali Robert, especialista que divulgou o episódio, a mulher agachou-se sobre água fervente por cerca de 20 minutos durantes dois dias seguidos. 

No ano passado, uma modelo chamada Chrissy Teigen compartilhou em sua conta no Instagram uma foto onde ela fazia o procedimento. Veja abaixo: 

View this post on Instagram

face mask / heat pad / vagina steam no I don’t know if any of this works but it can’t hurt right? *vagina dissolves*

A post shared by chrissy teigen (@chrissyteigen) on

Continua após a publicidade

O que é a vaporização vaginal e seus riscos

Mencionada pela primeira vez em 2010 pelo jornal Los Angeles Times, a vaporização vaginal ou vaporização do útero é um tratamento íntimo muito comum na internet, spas e salões de beleza. O procedimento consiste em sentar sob água fervida, muitas vezes misturada a algum tipo de erva.

Há diversos relatos pela internet por praticantes do tratamento, dizendo ser benéfico para a saúde íntima, aliviando sintomas da menstruação e fazendo a limpeza da área genital.

Porém, especialistas afirmam ser uma prática perigosa, e não existem estudos que comprovem os tais benefícios. A consultora Vanessa Mackay do Colégio Real de Obstetras e Ginecologistas, no Reino Unido, diz que a vagina não precisa de nenhum procedimento de limpeza interna.

A áreas que precisam de higienização são externas, como a vulva e os lábios. “O vapor na vagina pode afetar este equilíbrio saudável de bactérias e níveis de pH, além de causar irritação, infecção (como vaginose bacteriana ou candidíase) e inflamação. A pele delicada ao redor da vagina (a vulva) também pode ser machucada.” informou Vanessa. 

Leia mais: Como homens estão usando a internet para violentar mulheres

+ A perigosa bactéria encontrada em 30% das gestantes

PODCAST – Carga mental: você se sente sobrecarregada em casa?

Continua após a publicidade
Publicidade