CLIQUE E RECEBA EM CASA A PARTIR R$ 14,90/MÊS

Você cuida do que tem?

A conquista da relação é feita no dia-a-dia. Por isso, invista nos detalhes para não entregar o gato de bandeja para a concorrência!

Por Redação M de Mulher Atualizado em 21 jan 2020, 12h23 - Publicado em 28 out 2008, 21h00

Embarque nas aventuras do seu parceiro! Ele vai adora
Foto: Divulgação

Diz o ditado popular: “Quem cuida, tem”. Isto, ao contrário do que muita gente pensa, não significa vigiar – e sufocar – o parceiro a todo instante, mas sim preocupar-se em mantê-lo interessado e apaixonado. “O maior erro das mulheres é querer moldar o companheiro do jeito que elas gostariam que ele fosse”, explica Eduardo Nunes, autor de Sedução: Uma Estrada de Mão Dupla (Ed. Eduardo Nunes – R$ 29). Assim, criticá-lo, julgar suas ações, duvidar de suas capacidades (ou dos seus sentimentos) só mina a relação. “Os homens se comprometem esperando que a parceira não mude, já as mulheres investem na relação exatamente porque acham que ele mudará”, completa Nunes. Mesmo porque, convenhamos, quem consegue se sentir bem e feliz ao lado de alguém que mudou e, pior, que não disfarça um certo descontentamento com a pessoa que você é?

“Minha ex-namorada achava todos os meus assuntos chatos. Com minha atual, em compensação, me sinto o cara mais interessante do mundo!” – Fabrício, 26 anos

“Todas as vezes que traí fiquei com meninas bem-humoradas. Eu pensava: ‘Melhor ficar aqui com essa que me dá carinho e me faz rir do que com alguém que reclama de tudo!’ ” – Daniel, 24 anos

Confira se você abre espaço para a concorrência

Veja abaixo algumas ações que o incentivam a buscar outras companhias e policie-se!

. Enfrentar dificuldades sozinha, não permitindo que ele a aconselhe e ajude.
. Questionar as opiniões do parceiro, assim como a credibilidade de suas informações.
. Dizer como ele deve fazer tal coisa, sem que ele tenha pedido conselhos.
. Menosprezar os prazeres dele.
. Não elogiá-lo.
. Não embarcar nas aventuras dele, sejam elas reais (como acampar na praia) ou fantasiosas (como, por exemplo, rir quando ele discursa sobre a beleza de uma paisagem).
. Presumir que ele é incapaz de efetuar determinada tarefa e fazê-la sozinha ou, pior, dizer ao parceiro que ele não conseguirá.
. Não se esforçar para passar tempo com ele, priorizando outros afazeres e companhias.
. Insinuar para outras pessoas, especialmente conhecidos, que ele é submisso, dizendo, por exemplo: “Aquele ali não vive sem mim!”
. Destacar constantemente os erros dele.
. Questioná-lo a todo momento sobre o que ele está pensando ou por que fez este ou aquele comentário.
. Destratá-lo na frente de outras pessoas.
. Mostrar desconfiança quanto ao amor que ele sente, exigindo provas e mais provas.
. Proibi-lo de fazer as coisas que gosta, ameaçando deixá-lo caso ele saia com os amigos ou vá ao estádio de futebol, por exemplo.
. Mentir sobre pequenas ações ou esconder certos acontecimentos dele.
. Insistir para que o parceiro faça algo que vai de encontro à vontade dele.
. Falar mal dos amigos ou da família dele o tempo todo.

Continua após a publicidade
Publicidade