CLIQUE E RECEBA EM CASA A PARTIR DE R$ 12,90/MÊS

Sexo anal pode potencilizar orgasmo feminino, diz estudo

A pesquisa analisa quais as formas preferidas para o estímulo anal

Por Raíssa Basílio Atualizado em 18 jul 2022, 19h06 - Publicado em 19 jul 2022, 08h46

Sexo anal ainda é um tabu por diversos motivos. Entretanto, é realmente possível mulheres terem prazer com a prática? Sim e, de acordo, com recentes estudos, ele pode até potencializar o orgasmo feminino!

A Universidade de Indiana e a For Goodness Sake fizeram uma pesquisa em detrimento da falta de informações científicas sobre o prazer anal feminino. Afinal, biologicamente falando, é um fato conhecido que os homens estão mais suscetíveis a isso por conta do estímulo à próstata.

Mas, de acordo com os especialistas envolvidos no estudo pioneiro, que foi divulgado na publicação Plos One, as mulheres também podem – perdoem o trocadilho – gozar do sexo anal. O levantamento contou com mais de 4.270 mulheres, entre 18 e 93 anos, para um entendimento maior de como essa forma de prazer funciona no corpo feminino.

Os resultados mostraram que existe uma preferência por brincadeiras que não envolviam penetração, pelo menos não exclusivamente. Com base nesses resultados, os pesquisadores identificaram três técnicas específicas que se mostraram mais populares.

40% das mulheres acham o toque ao redor do ânus mais estimulante. Enquanto 35% das mulheres preferem ser tocadas dentro da abertura anal, nada mais profundo do que a ponta de um dedo. Já 40% das mulheres preferiram o estímulo duplo, o toque no ânus somado ao do clitóris ou penetração vaginal.

O levantamento aponta também que 28,3% das entrevistadas acham mais prazeroso se o dedo do parceiro estimular a região, enquanto 25,7% preferem o pênis e 17,4% optam por um brinquedo sexual. O próprio dedo é a última opção, sendo a opção favorita para um percentual de 15,4%.

E agora, a informação chave: para  25% das pessoas analisadas, a estimulação anal deixou o orgasmo mais potente. Esses dados são importantes para que as mulheres entendam melhor suas próprias preferências sexuais e, claro, permitam-se aproveitar mais variedade no sexo. 

Continua após a publicidade

Publicidade