Clique e assine com até 75% de desconto

7 receitas para fazer um piquenique de Dia dos Namorados

Marina Sciotti e Alexandre Diniz, do paulistano Quincho, comemoram a data romântica e colhem os frutos de mais de uma década de apoio mútuo

Por Lorena Tabosa Atualizado em 29 jul 2019, 17h33 - Publicado em 8 jun 2019, 18h00

Há quem defenda que o segredo para um casamento feliz seja nunca misturar amor e trabalho. A chef Marina Sciotti, 33 anos, discorda. Ela e o marido, o empresário Alexandre Diniz, 34, são sócios no Quincho, restaurante vegetariano em São Paulo, e a sintonia entre os dois dá gosto de ver.

“Todo mundo diz que o ideal é separar as coisas, mas não consigo fazer essa distinção. O lado profissional está totalmente conectado com nossa vida pessoal. Então, naturalmente, acabamos misturando um pouco. Às vezes acordo o Alê às 6 horas da manhã já perguntando algo sobre o restaurante – e ele odeia isso”, diverte-se a chef.

Apesar do horário incômodo, a importância atribuída à opinião do parceiro é sinal de confiança. Afinal, foi o apoio dele que deu a Marina coragem para arriscar uma guinada na carreira. Assim, ela deixou o universo da moda, no qual trabalhou durante anos como figurinista, maquiadora, produtora e consultora de imagem, para mergulhar na empreitada gastronômica.

Piquenique Dia dos Namorados
Bruno Geraldi/CLAUDIA

“O Alê está envolvido em todas as decisões que tomo. Sempre me incentivou a expandir meu potencial e me encontrar profissionalmente. Acreditava mais em mim do que eu mesma”, conta a paulistana.

Juntos, criaram a proposta do Quincho, erguido em uma casa aconchegante na Vila Madalena, bairro boêmio da capital paulista. Com um cardápio rico, queriam desmitificar a cozinha vegetariana e estimular o consumo de ingredientes frescos.

O tempurá de peixinho-da-horta (planta gordinha e extremamente saborosa), por exemplo, está entre os campeões de pedidos, assim como o gaspacho de melancia, o favorito de Marina no menu de verão. Ambos fazem parte da seleção de quitutes deste piquenique, elaborado especialmente para o Dia dos Namorados – o último antes da chegada do bebê que esperam.

Piquenique Dia dos Namorados
Bruno Geraldi/CLAUDIA

Mari, que já é mãe de Theo, 12 anos, adora planejar detalhadamente viagens e passeios em família. Para essa ocasião, não foi diferente. Incluiu receitas de família e outras criações práticas que podem ser transportadas para um parque, uma praça ou até mesmo para o quintal de casa sem prejuízo.

“Tudo tem alguma conotação especial, como a torta de cenoura da minha mãe e os pratos que mais gosto de servir no restaurante. São preparos delicadamente brutos e fora do lugar-comum, e acho que é assim que eu me definiria”, resume ela. O resultado foi uma manhã tranquila, repleta de carinho e paixão sob o sol de outono.

Obra do destino

Piquenique Dia dos Namorados
Bruno Geraldi/CLAUDIA

Casar com o primeiro amor não é só coisa de filme – aconteceu com Marina e Alexandre. Os dois se conheceram na escola, aos 14 anos, mas se perderam de vista após a formatura. A paixão deslanchou anos depois, quando amigos em comum organizaram um reencontro da turma do colégio e eles finalmente se tornaram um casal.

Continua após a publicidade

“Alê foi meu grande amor da adolescência. Parece coisa do destino mesmo. Namoramos, noivamos, casamos e, agora, esperamos a chegada de mais um membro na família”, diz a chef. A evolução desse relacionamento harmônico para a parceria no trabalho foi natural, com aulas de culinária que começaram no lar.

Piquenique Dia dos Namorados
Bruno Geraldi/CLAUDIA

“Ele sempre teve jeito com cozinha, mas conseguiu se desenvolver mais ainda depois que nos casamos”, conta Marina. A refeição favorita deles é o café da manhã, e todo mundo coloca a mão na massa. Às vezes, um prepara algo para levar para o outro na cama.

Em outras ocasiões, chamam Theo para um mutirão e montam uma bela mesa, completíssima. “Comemos de tudo e priorizamos alimentos frescos. Não importa se estamos só nós ou recebendo os amigos, a cozinha é o coração da casa.”

Comida caseira para viagem

Piquenique Dia dos Namorados
Bruno Geraldi/CLAUDIA

“Cozinhar é um ato de amor e também político. Minha missão como mãe é transmitir isso aos meus filhos e ensiná-los a fazer um pouco de tudo para que eles tenham autonomia”, afirma Marina. Ela mesma aprendeu essa lição com a mãe. Ganhou, aos 10 anos, um livro de culinária para crianças e passou a preparar os pratos para os pais e os irmãos.

Com Theo, prioriza receitas básicas e práticas, como a torta de cenoura, receita de sua mãe, e o quibe de abóbora com quinua, que nunca sai do cardápio de casa e do restaurante. Ambos podem ser feitos na véspera de um evento – como no caso deste piquenique. São pratos que não perdem sabor nem textura se consumidos em temperatura ambiente.

“Outro item que dá para deixar pronto é o recheio dos sandubinhas. O legal do piquenique é que nos remete a comidas frescas e fáceis, ótimas para comer com as mãos e compartilhar. Adoro esse conceito de comilança gostosa”, diz a chef.

Confira 7 receitas para fazer um piquenique de Dia dos Namorados:

1. Tempurá de peixinho-da-horta ao molho tártaro

tempurá
Bruno Geraldi/CLAUDIA

2. Gaspacho de melancia

gaspacho
Bruno Geraldi/CLAUDIA

3. Sandubinha de abobrinha marinada com queijo de cabra

sandubinha
Bruno Geraldi/CLAUDIA

4. Quibe de abóbora e quinua recheado com ricota e cogumelos

quiche
Bruno Geraldi/CLAUDIA

5. Torta de cenoura

torta-de-cenoura
Bruno Geraldi/CLAUDIA

6. Chia pudding com coulis de maracujá

chia-pudding
Bruno Geraldi/CLAUDIA

7. Drinque Orgeah

drinque-orgeah
Bruno Geraldi/CLAUDIA

 

Fotos: Bruno Geraldi | Produção: Florise Oliveira | Concepção visual: Lorena Baroni Bósio

Continua após a publicidade
Publicidade