Maneiras de fazer os filhos escovarem os dentes

Mães contam como fizeram para que os filhos escovassem os dentes sem brigas e dramas

Veronica se aliou ao dinossauro

“Quando era um bebezinho, o Arthur nunca me deu trabalho para escovar os dentes. Mas, de seis meses para cá, não sei o que aconteceu. Ou melhor, desconfio. Ele ganhou um irmãozinho, Vitor, que agora está com 6 meses, e talvez tenha sido esse o motivo da rebeldia. Na hora que eu o chamava para ir ao banheiro, ele ficava fazendo charme, saía correndo. E eu corria atrás, de escova na mão. Aquela cena! Dia desses, ele ganhou de presente da avó um dinossauro com os dentes bem grandes. Olhei para o bicho, olhei para o Arthur me dando aquele baile e tive uma atitude inusitada. Falei: ‘Quer saber? Se você não aceita que eu escove os seus dentes, vou escovar os do dinossauro!’ Então, peguei o dinossauro no colo, levei para a pia, coloquei pasta na escova e comecei a fazer o prometido no brinquedo. O Arthur foi atrás, de olhos arregalados, dizendo: ‘Não, mamãe, eu também quero escovar’. Foi assim, de um jeito meio maluco, numa ideia que surgiu do nada, que resolvi essa questão. Agora, já estamos conseguindo evoluir. Depois que eu faço a limpeza, o Arthur escova uma vez sozinho, seguindo minhas orientações para não se esquecer de nenhum dos dentes.” – Veronica Woff, executiva de marketing, de São Paulo, mãe de Arthur e Vitor.

Camila deu uma missão importante para a filha

“A Catarina é filha única e bem paparicada. Quando ela tinha poucos meses de vida, eu ficava com dó de usar aquela dedeira para escovar a gengiva, conforme o pediatra havia indicado. Achava que ia machucar. Então, ela não se acostumou desde cedo a escovar os dentes. Daí, quando decidi que era hora de começar a limpar bem os dentinhos dela, foi uma dificuldade. A Catarina chorava muito, fazia aquele drama. Eu precisava esperar que ela dormisse para, bem devagarinho, passar a escova com pasta sem flúor e cumprir a missão. Até minha pequena completar 1 ano e meio, eu não achava meios de convencê-la a fazer aquilo sem abrir o berreiro. Sim, algumas vezes ela estava mais boazinha e deixava, mas não era constante. Certo dia, tive a ideia de passar pasta na minha escova e deixar que ela escovasse os meus dentes. Enquanto isso, aproveitei para caprichar na limpeza dos dela. A Catarina se divertiu com a brincadeira e, desde então, parou de fazer jogo duro nessa hora.” – Camila Reis, estudante de pedagogia, de Ribeirão Preto (SP), mãe de Catarina.

Priscilla apostou as fichas na rotina

“Sou mãe de duas meninas, a Stella e a Lia. No começo, quando minhas filhas eram bebês, eu escovava os dentes delas usando uma fraldinha e, depois, com uma escova própria para crianças de 1 ano. Se acontecia de elas travarem a boca, mordendo as cerdas e me impedindo de dar conta da a limpeza, eu fazia como dava, sem paranoia, para não deixar aquilo virar uma coisa estressante. E compensava na escovação seguinte. Manter esse hábito três vezes ao dia foi a melhor maneira de fazer com que se acostumassem. Hoje, elas já estão mais velhas e entendem a importância da higiene. O problema é que, de vez em quando, bate a preguiça. Se uma não vai, a outra também não quer ir. Nessas fases, preciso ser firme e não dar moleza. Ou escovam ou escovam. Como comem alimentos industrializados, não dá para vacilar.” – Priscilla Perlatti, designer, de São Paulo, mãe de Stella e Lia.