O perigo de mostrar demais na Internet

Essa mania dos jovens de publicar na web fotos e gracinhas de tudo o que vivem na intimidade pode colocá-los em apuros. Veja aqui como orientá-los

É impossível apagar totalmente uma foto que vazou na internet
Foto: Getty Images

Fotos e mais fotos fazendo caras e bocas de biquíni na praia ou com decotão à mostra. Cliques de farras regadas a cerveja e postagens cheias de palavrões e piadinhas que só deveriam ser ditos entre amigos do mundo real. Seus filhos adolescentes nem se dão conta, mas podem estar se expondo demais – e de forma negativa – na internet. Esse tipo de atitude pode prejudicá-los quando forem procurar um emprego ou até mesmo colocá-los em situações perigosas, como acontece quando as fotos vão parar em sites de prostituição ou nas mãos de pedófilos. Acompanhar o que os jovens estão publicando diariamente e conversar sobre os riscos da exposição exagerada (ou descuidada) é uma das grandes tarefas atuais de pais e mães.

A Internet é uma praça!

É ingenuidade acreditar que existe segurança apenas porque o perfil da garotada no Facebook só pode ser visualizado por amigos e amigos dos amigos. A partir do momento em que uma informação ou foto cai na rede, perde-se totalmente o controle sobre ela. “A internet é uma grande praça pública. Tudo o que você fala ou mostra nela se espalha rapidamente e pode chegar aos ouvidos de gente que você não conhece. Como toda praça, está cheia de pessoas maravilhosas, mas também de gente mal- -intencionada”, alerta Rodrigo Nejm, psicólogo da ONG SaferNet.

Por isso, é preciso redobrar os cuidados. Haja diálogo para fazer nossos filhos entenderem que precisam ser responsáveis pelos próprios passos na vida – e que esse cuidado se estende também a tudo o que fazem (e mostram) no mundo virtual.

Vazamento de fotos íntimas: sim, os adolescentes também correm esse risco

A menina e o rapaz se fotografam em poses sensuais e compartilham esse material um com o outro como parte de um joguinho de sedução. Meses depois o relacionamento termina e aquilo que era íntimo acaba publicado para quem quiser ver. O caso é mais comum do que se imagina e grave o suficiente para causar constrangimentos pelo resto da vida. Não existe maneira segura de compartilhar coisas íntimas pela internet: a partir do momento em que o adolescente envia aquele conteúdo, mesmo que por e-mail ou torpedo de celular, ele perde definitivamente o controle sobre o material.

Meu filho foi vítima de gente do mal, e agora?

· É impossível apagar totalmente uma foto íntima que vazou na internet, mas dá para reduzir o estrago: imprima todas as páginas que encontrar com as imagens, anote o endereço de internet e envie uma carta registrada à empresa que hospeda o site solicitando a retirada do conteúdo. Se quiser acionar a Justiça, vá a um cartório com as cópias impressas das páginas, os endereços, e peça para o oficial do cartório autenticar aquele conteúdo. Em seguida, dirija-se a uma delegacia e registre um boletim de ocorrência.

· Caso a imagem tenha ido parar num site de conteúdo erótico, também é recomendado registrar um boletim de ocorrência seguindo os passos acima. Delegacias especializadas em crimes cibernéticos estão mais preparadas para atender esse tipo de queixa. No site da SaferNet (www.safernet.org.br), há uma lista com os endereços dessas delegacias, espalhadas em 11 estados do País.

· O mesmo procedimento pode ser seguido se alguém usar uma foto de seu filho para ridicularizá-lo na internet (desenhando chifrinhos, distorcendo o corpo, mudando o fundo ou fazendo qualquer coisa que torne aquilo constrangedor, um verdadeiro bullying virtual). A ofensa foi grave por escrito? Aja da mesma forma.

Apoio especializado

A SaferNet, ONG brasileira que defende os direitos humanos na internet, oferece um serviço 100% gratuito para orientar vítimas de perseguição virtual.

Acesse: www.safernet.org.br

Quem ofende tem que responder na justiça!

O sigilo na internet é uma ilusão: por meio do IP, número que fica registrado toda vez que alguém navega na web, é fácil descobrir a identidade de quem postou algo. Diga para seus filhos serem cuidadosos com o que publicam. Se ofenderem alguém, por meio de imagens ou de texto, podem ter que responder na Justiça.

Manchas no currículo

Muitas empresas vasculham redes sociais para conferir o perfil dos candidatos a uma vaga. Imagine o mal que não pode causar para a imagem de um jovem ele aparecer na internet mostrando o traseiro depois de tomar umas e outras ou publicar mensagens preconceituosas. Garotas exibindo o corpo em poses sensuais também podem ser mal interpretadas. O que seria uma brincadeira inocente entre amigas pode virar motivo para uma avaliação negativa no futuro.

Fonte: Rodrigo Nejm, psicólogo da ONG Safernet e especialista em segurança na Internet; Flávia Helena Gonçalves Teixeira, Promotora de Justiça da Infância e Juventude; Dados da Pesquisa Tic Kids On-line 2012, do Centro de Estudos sobre a Tecnologia da Informação e Comunicação.