CLIQUE E RECEBA EM CASA A PARTIR R$ 14,90/MÊS

Médica mineira sofre ataques racistas após comentar o caso de “peleumonia”

Júlia Rocha postou em sua página no Facebook os comentários e ofensas recebidas por ter se manifestado contra o médico que ridicularizou paciente.

Por Gabriela Kimura Atualizado em 21 jan 2020, 07h01 - Publicado em 1 ago 2016, 07h03

Na semana passada, o médico Guilherme Capel teve a escolha infeliz de tirar uma foto debochando da forma como seu paciente descrevia a doença. Na imagem lia-se “não existe peleumonia nem raôxis!“, que foram a forma como o mecânico de 42 anos, José Mauro de Oliveira Lima, que estudou até o segundo ano do ensino fundamental, descreveu o que sentia.

Reprodução/Facebook
Reprodução/Facebook

Com um lindo poema, a médica mineira Júlia Rocha rebateu a forma como Guilherme tratou seu paciente, mostrando como um profissional da saúde deveria cumprir o seu papel:

 

 

“EXISTE PELEUMONIA.

Eu mesma já vi várias. Incrusive com febre interna que o termômetro num mostra. Disintiria, quebranto, mal olhado, impíngi, cobreiro, vento virado, ispinhela caída. Eu tô aqui pra mode atestá. Quem sabe o que tem é quem sente. E eu quero ouvir ocê desse jeitinho. Mode a gente se entendê. Por que pra mim foi dada a chance de conhecê as letra e os livro. Pra você, só deram chance de dizê.

Continua após a publicidade

Pode dizê. Eu quero ouvir.”

A publicação de 29 de julho teve mais de 60 mil compartilhamentos e 150 mil curtidas, além de todos os comentários apoiando a atitude dela. O problema chegou depois, quando uma prima ligou para contar que um homem do sul do país estava usando a imagem dela para difamá-la e ofendê-la. E as pessoas comentavam na imagem afirmando que o “cabelo ecológico deve ter até mico leão dourado” e que “com vergonha da cor, essa tribufu oxigena a juba para parecer menos negra”, sem pensar duas vezes. Assim mesmo.

Reprodução/Facebook
Reprodução/Facebook

Reprodução/Facebook
Reprodução/Facebook

Ao jornal Estado de Minas, Júlia diz que não tinha intenção de publicar nada sobre o assunto, mas resolveu o fazer porque está grávida. “Meu coração chega a doer só de pensar que esse é o mundo que minha filha ou meu filho viverá. Estou em choque.”

Reprodução/Facebook
Reprodução/Facebook

E ainda há quem diga que não existe racismo no Brasil, que isso é “mimimi” ou que ele é, na verdade, “velado”! Vale lembrar que o racismo – ou o ato de discriminação por raça e cor – é crime, bem como a injúria racial, que é direcionada a uma pessoa específica. Quando ocorre nas redes sociais, a denúncia pode ser feita online mesmo, conforme as diretrizes do Portal Brasil:

Divulgação
Divulgação

Continua após a publicidade
Publicidade